Autores.com.br

EntrarCadastrar-se
A+ R A-
Enviado por: Marciasr
Marciasr

Inteligência Emocional e sua função na Educação

Enviar por e-mail

Marcia da Silva Rosa

Professora do Ensino Fundamental e Médio, Filósofa, Pós-Graduada em Ética pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Pós-Graduanda em Neuropsicologia pela IBPEX - Instituto Brasileiro de Pós-Graduação e Extensão e FACINTER - Faculdade Internacional de Curitiba.

Resumo

Este artigo irá procurar mostrar quais são as relações e funções da Inteligência Emocional e a Educação. Através da teoria crianda pelo psicólogo Goleman(1995), Inteligência Emocional, basea-se em uma idéia simples: além de uma inteligência intelectual também possuímos uma inteligência emocional, tão ou mais importante quanto a primeira para o sucesso na escola e na vida. O autor fala sobre a importância em educarmos as nossas emoções e fazer com que os alunos se tornem aptos a lidar com as frustações, negociar com outros, e reconhecer as próprias angústias e medos.

Palavras- Chaves : Inteligência Emocional, Educação, Múltiplas Inteligências

Abstrat : This article will show the relations and functions of the Emotional Intelligence and the Education. The theory created by the  psychologist Goleman(1995), states that Emotional Intelligence is based on a simple idea: beyond an intellectual intelligence we also possess an Emotional one, which is as or more important than the former for achieving success at school and in life. The author speaks on the importance of educating our emotions and helping the pupils to become apt to deal with the frustrations, to negotiate with others and to recognize their own distress and fears.

Introdução

 

Até pouco tempo atrás o sucesso de uma pessoa era avaliado pelo raciocínio lógico e habilidades matemáticas e espaciais (Quociente Intelectual). Mas o psicólogo Goleman(1995), retoma uma nova discussão sobre o assunto. Ele traz o conceito da inteligência emocional como maior responsável pelo sucesso ou insucesso das pessoas. A maioria da situações de trabalho é envolvida por relacionamentos entre as pessoas. Desta forma pessoas com qualidades de relacionamento humano, como afabilidade, compreensão, gentileza têm mais chances de obter o sucesso.

Goleman(1995) procura demonstrar que não só a razão influencia nos nossos atos, mas, a emoção também é responsável por nossas respostas e tem grande poder sobre as pessoas.

METODOLOGIA

 

O objetivo desse artigo é o de mostrar alguns conteúdos da educação emocional, e a importância da sua apropriação pela professora e pelo professor do Ensino Infantil e do Ensino Fundamental (1ª a  4ª série) do Ensino Fundamental.          Para alcançar esse objetivo foi realizado um estudo de caso apoiado em - livros, artigos em revistas científicas e na internet. 

inteligência Emocional

 


Segundo Golemam(1995), Sternberg e Grigorenko(2003) e Gardner(1995) a Inteligência Emocional está relacionada a habilidades tais como motivar a si mesmo e persistir mediante frustações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns.

Goleman(1995), mapeia a Inteligência Emocional em cinco áreas de habilidades:

  1. Auto-conhecimento Emocional - reconhecer um sentimento enquanto ele ocorre.
  2. Controle Emocional - habilidade de lidar com seus próprios sentimentos, adequando-os para a situação.
  3. Auto- Motivação - dirigir emoções a serviço de um objetivo é essencial para manter-se caminhando sempre em busca.
  4. Reconhecimento de emoções em outras pessoas.
  5. Habilidade em relacionamentos inter-pessoais.

As três primeiras acima referem-se a Inteligência Intra-Pessoal. As duas últimas, a Inteligência Inter-Pessoal.

A Inteligência Inter-Pessoal é a habilidade de entender outras pessoas: o que as motiva, como trabalham e como trabalhar cooperativamente com elas.

- Organização de Grupos: é a habilidade essencial da liderança, que envolve iniciativa e coordenação de esforços de um grupo, habilidade de obter do grupo o reconhecimento da liderança, a cooperação espontânea.
- Negociação de Soluções: o papel do mediador, prevenindo e resolvendo conflitos.
- Empatia - Sintonia Pessoal: é a capacidade de, identificando e entendendo os desejos e sentimentos das pessoas, responder (reagir) de forma apropriada de forma a canalizá-los ao interesse comum.

- Sensibilidade Social: é a capacidade de detectar e identificar sentimentos e motivos das pessoas.

Inteligência Intra-Pessoal: é a mesma habilidade, só que voltada para si mesmo. É a capacidade de formar um modelo verdadeiro e preciso de si mesmo e usá-lo de forma efetiva e construtiva.

Tipos de Inteligências

Gardner (1995), propõe "uma visão pluralista da mente" ampliando o conceito de inteligência única para o de um feixe de capacidades. Para este autor, inteligência é a capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos valorizados em um ambiente cultural ou comunitário. Embora existam predominâncias, as inteligências se integram:

Os componentes centrais da inteligência lingüística são uma sensibilidade para os sons, ritmos e significados das palavras, além de uma especial percepção das diferentes funções da linguagem. É a habilidade para usar a linguagem para convencer, agradar, estimular ou transmitir idéias.

Na Inteligência Lógico-Matemática, Gardner(1995), afirma que o processo de resolução de  um problema geralmente é surpreendentemente rápido, assim como acontece com um cientista bem-sucedido, que necessita lidar com muitas variáveis ao mesmo tempo e cria numerosas hipóteses.

A Inteligência Musical manifesta-se através de uma habilidade para apreciar, compor ou reproduzir uma peça musical. Inclui discriminação de sons, habilidade para perceber temas musicais, sensibilidade para ritmos, texturas e timbre e habilidade para produzir e/ ou reproduzir música. A criança com habilidade musical especial percebe desde cedo diferentes sons no seu ambiente e, freqüentemente, canta para si.

A Inteligência Espacial é usada por exemplo em deficientes visuais, para encontrarem o caminho para casa, por exemplo, pois a inteligência espacial não depende da sensação visual propriamente dita. Gardner (1995) afirma que as populações cegas ilustram a distinção entre a inteligência espacial e a percepção visual, pois uma pessoa cega pode reconhecer formas ao passar a mão ao longo do objeto. Tal método traduz a duração do movimento, que por sua vez é traduzida no formato do objeto. Portanto, para uma pessoa cega, o sistema perceptivo da modalidade tátil equivale à modalidade visual na pessoa que enxerga.

A Inteligência Corporal - Cinestésica é o que mais se distancia das visões tradicionais do que conta como intelecto humano.

Inteligência Interpessoal 

A inteligência interpessoal emprega capacidades centrais para reconhecer e fazer distinções entre os sentimentos, as crenças e as intenções dos outros. No início do desenvolvimento, essa inteligência é vista como a capacidade das crianças pequenas de discriminar entre os indivíduos de  seu meio ambiente e perceber o humor dos outros. Em suas formas mais desenvolvidas, a inteligência interpessoal se manifesta na capacidade de compreender os sentimentos e atitudes dos outros, agir em função deles e moldá-los, para o bem ou para o mal.

A Inteligência Intrapessoal relaciona-se com a noção que o indivíduo tem dos próprios sentimentos, referindo-se à capacidade de  auto-conhecimento que ele possui. Gardner vê essa inteligência como desenvolvendo-se a partir de  uma capacidade de  distinguir o prazer da dor e de  agir em função dessa discriminação.

Segundo Gardner (1995), em seu nível mais avançado, a inteligência intrapessoal consolida uma discriminação avançada dos próprios sentimentos, intenções e motivações, que traz um elevado nível de auto-conhecimento semelhante àquele utilizado pelas pessoas mais velhas quando fazem uma decisão importante ou ao aconselharem outros indivíduos de sua comunidade.

Ainda segundo Gardner, há também Inteligência Pictográfica que é a habilidade que a pessoa tem de transmitir uma mensagem pelo desenho que faz. E a Inteligência Naturalista : capacidade de uma pessoa em sentir-se um componente natural.

Discussão

 

Uma das grandes preocupações dos pais hoje em dia, é educar seus filhos emocionalmente, ou seja, prepará-los para enfrentar os desafios impostos pela vida com inteligência. Ensiná-los, como reagir nas diversas idades que podem ocorrer.

A infância modificou-se muito nos últimos anos, o que vem dificultar ainda mais o aprendizado afetivo. Os pais que são efetivamente preparadores emocionais, devem ensinar aos filhos estratégias para lidar com os altos e baixos da vida. Devem aproveitar os estados de emoções das crianças, para ensiná-las como lidar com eles e ensiná-la como tornar-se uma pessoa mais humana.

Em relação ainda à educação, Goleman(1995), e autores influenciados por ele, como Armstrong(2001), fala da importância de "educar" as emoções e fazer com que os alunos também se tornem aptos a lidar com frustrações, negociar com outros, reconhecer as próprias angústias e medos.

Goleman (1995) chega a falar em "alfabetização emocional", que é a educação voltada para o sentimento, onde o aluno aprende a conviver e melhorar seu comportamento diante das dificuldades. Um trabalho dirigido nessa área irá fortalecer os alunos, deixando-os mais equilibrados e capazes para enfrentar o mundo moderno em que vivemos.  

Um princípio básico para o desenvolvimento da inteligência emocional na sala de aula é o respeito mútuo pelos sentimentos dos outros, e para tanto é necessário que o professor saiba como se sente e seja capaz de comunicar abertamente suas sensações e sentimentos. O professor não deveria negar suas emoções negativas e sim, ser capaz de expressá-las de modo saudável na comunidade que constrói com seus alunos.

Ensinar os alunos a reconhecer suas emoções, saber categorizá-las e comunicá-las, fazendo-se entender, ajuda-os a serem os responsáveis por suas próprias necessidades emocionais.

Conhecer os alunos é um processo que se inicia desde os primeiros dias de aula. Quanto maior for esse conhecimento, maior será a eficácia da nossa ação pedagógica, pois podemos mobilizar interesses, curiosidades, conhecimentos prévios, aspectos das histórias de vida, articulando com os conhecimentos que integram o currículo a ser desenvolvido.

Também conhecê-los em seus aspectos sociais, cognitivos, afetivos e  emocionais implica uma atitude de permanente investigação, por meio de observações, diálogos com as crianças e suas famílias, avaliação contínua dos conhecimentos adquiridos, sondagem dos interesses delas e atenção as  necessidades que elas expressam.

Quando se cria rotinas escolares repletas de situações em que os alunos trabalham em equipe, discutem regras de vida, falam sobre suas aflições, etc, podem surgir dificuldades emocionais, e a necessidade de negociar com os outros para superá-las pode fazer as crianças evoluírem.

A influência dessa teoria sobre a educação é totalmente positiva, pois chama a atenção para o fato de que as escolas não devem se preocupar apenas com a inteligência de cada aluno, mas também com o desenvolvimento de sua capacidade de se relacionar bem com os outros e consigo mesmo.

Uso integral das aptidões cerebrais no aprendizado, no trabalho e na vida. O receio de produzir crianças reprimidas está gerando uma quantidade muito grande de crianças mal educadas e emocionalmente menos aptas.

Embora os pais tenham papel fundamental na educação emocional dos filhos, algumas iniciativas em escolas têm se mostrado positivas. Hoje, assistimos ao fortalecimento do indivíduo enquanto pessoa, fazendo com que as instituições, para obter sucesso, moldem-se aos indivíduos, treinando professores para tal missão.

O "princípio da educação emocional" é simples. Devemos ensinar ao indivíduo o senso de respeito, importância e de responsabilidade. Não apenas falando ou impondo responsabilidades, mas compartilhando responsabilidade com ele. E isto é possível de se conseguir através de: atividades em equipes, onde todos trabalham igualmente e possuam a responsabilidade de manter a equipe viva.

Percebemos que a educação deve ser prioridade do Estado (Lei 9394/96). Mas não só uma responsabilidade dele. Todos devemos compartilhar na educação de nossas crianças e adolescentes, dando oportunidade a eles de crescer e "se tornar adultos", dando oportunidade de mostrarem-se à humanidade, para que fatos lamentáveis, como adolescentes incendiando mendigos, deixem de acontecer.

Em estudo realizado pela professora regente do 1ª Etapa do Ciclo II, de uma escola municipal da cidade de Curitiba/PR, com aluno de 10 anos. O estudo se íniciou no mês de Junho de 2006, e durou até o fim do ano letivo deste mesmo ano. A pesquisa foi realizada pelo método da inteligência emocional, desenvolvida por Goleman(1995).

O que foi percebido inicialmente neste aluno, e que ele demonstrava total falta de interesse na aprendizagem, agressividade com os colegas, professores e qualquer tipo de autoridade. O aluno vive com seu pai e sua madrasta, sua mãe abandonou a família quando ele ainda era pequeno, e não o procurou mais.

Segundo Fernández(1991), acredita-se que o abandono da mãe em uma idade tão tenra, fez com que João tornara-se uma criança agressiva, sem demonstrações de afeição por ninguém, apenas por seu cachorro, que parecia ser sua única companhia. Esta tese foi comprovada pela autora através de vários estudos de casos com seus pacientes.

Através deste estudo com a Inteligência Emocional, iniciou-se trabalho de forma totalmente diferenciada com o aluno. Aos pouco pôde-se observar mudanças em seu comportamento. Através dos príncipios da Inteligência Emocional, que enfatiza pontos essencias como a motivação, controle das emoções (frustrações) e até mesmo premiações.

Atualmente o aluno procura ajudar seus colegas, demonstra afeição, carinho, por sua professora e colegas, e interesse em aprender cada vez mais. Este trabalho com o aluno propiciou a criança a perceber-se como um ser importante na sociedade em que vive, e também modificou sua visão de si mesmo, ou seja, sua auto-estima elevou-se.

Considerações Finais

 

A inteligência é a aptidão psicológica que permite ao homem abstrair, captar, entender conceitos, a essência das coisas que tomamos consciência. Junto a essa aptidão outras atividades mentais se integram e atuam em conjunto, como as habilidades matemáticas, verbais, emocionais, etc. por exemplo. Tomar a inteligência pelas suas características acessórias talvez seja o erro que impede a realização de uma definição precisa, talvez a tentativa de resumir todas as aptidões relacionadas à inteligência na própria inteligência esteja dificultando o trabalho de explicar a própria inteligência.

E possível verificar que com tempo ocorrem mudanças na aprendizagem do aluno, assim os profissionais da educação infantil e fundamental aumentaram as possibilidades de estenderem e entenderem algumas das idéias sobre prevenção de transtornos de aprendizagem e desenvolvimento humano saudáveis, às famílias, primeiros e principais núcleos de influência sobre o desenvolvimento neuropsíquico do indivíduo, e a escola como instrumento fundamentando o processo evolutivo da criança. Conhecendo a Teoria da Inteligência Emocional, concluímos que na Escola, o prazer e o desejo de todos não devem submeter-se aos desígnios da razão, ou seja, importa desenvolver o pensamento lógico e a cognição, em parceria com as demais dimensões humanas, sempre.


Referências bibliográficas

 

ARMSTRONG, T. Inteligências múltiplas na sala de aula. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. 192p.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999. 347p.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995. 370p.

FERNÁNDEZ, Alicia. Inteligência Apreisionada. Abordagem Psicopedagógica Clínica da Criança e sua Família. Porto Alegre:Artes Médicas, 1991. 261p.

JENSEN, E. Teaching with the brain in mind. Alexandria: Association for Supervision and Curriculum Development, 1998. 133p.

KOLB, B., WHISHAW, I.Q. Neurociência do comportamento. São Paulo: Manole, 2002.664p. RAMEY, C.T., RAMEY, S.L. Early intervention and early experience. American Psychologist, v.53, n.2, p.109-120, 1998.

SCALDAFERRI, P. M, GUERRA, L. B. A inserção da neurobiologia na educação. In: X SEMANA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E II SEMANA DO CONHECIMENTO DA UFMG, Belo Horizonte, 2002. Livro de resumos...Belo Horizonte: UFMG, 2002. p.61.;

SOUSA, D.A. How the brain learns. 2. ed. Thousand Oaks: Corwin Press, 2001. 305p.

STERNBERG, R.J., GRIGORENKO, E.L. Inteligência plena: ensinando e incentivando a aprendizagem e a realização dos alunos. Porto Alegre; Artmed, 2003. 192p.

WOLFE, P. Brain Matters: translating research into classroom practice. Alexandria:

Association for Supervision and Curriculum Development, 2001. 207p.

Entrar