Autores.com.br

EntrarCadastrar-se
Início » Artigos / Textos » Todos Textos
A+ R A-
Enviado por: raphaelposteraro
raphaelposteraro

Aristóteles e Platão- análise através de uma imagem

Enviar por e-mail
A figura mostra dois personagens centrais, Platão, a esquerda, e Aristóteles, a direita. Nota-se que Platão aponta para cima, com o braço levemente encurvado, como se ele apontasse para o alto falando sobre algo acima de nós. Junto a ele está sua platéia pessoas cabisbaixas retorcidas.A direita observamos Aristóteles, com a mão apontada para o médio, ao nosso nível, como se ele estivesse buscando o equilíbrio,- sua platéia parece estar igual, calma e equilibrada apaziguada como a expressão que transmite o filósofo. Os dois filósofos estão lado a lado o que sugere que estão discutindo algo, e pela postura dos pés estão em uma pequena disparidade.
Analisando o contexto fora da pintura
Platão- A Ética proposta por Platão se baseia na Ética Ideal, para ele existia um mundo além do físico, um mundo Ideal, um mundo Metafísico, diferente do mundo em que vivemos o Físico. Esse mundo estaria acima do alcance do homem, o mundo real e Físico seria apenas uma sombra do mundo Metafísico, o filósofo associava muito a idéia de perfeição com a Luz. A ética segundo a ótica de Platão devia se basear no Ideal, no perfeito, sendo assim o homem devia espelhar sua moral na moral insolúvel e idealizada.
Aristóteles- Para Aristóteles tudo o que existia estava ao alcance do homem, revelando sua forte tendência para o racionalismo, do mesmo modo era a ética ela não tinha que partir de um Ideal pois em sua concepção o Ideal não existia, a ética deveria partir da realidade, se basear no próprio homem, com suas qualidades e defeitos.
A disparidade entre Platão e Aristóteles
Para Platão a Ética devia moldar a realidade, para Aristóteles a realidade deveria moldar a Ética. A disparidade entre os dois filósofos ainda é muito discutida, e continua gerando outras disparidades quanto ao tema Ética. Nos dias de hoje ainda é persistente este fator, a idéia de Céu e inferno, uma das mais antigas da humanidade, se encaixa perfeitamente na classe dos dois filósofos. A idéia transmite um destino certo que as pessoas teriam após a morte, se fossem boas e perfeitas iriam para o Céu, caso fossem em vida o contrário estariam condenadas ao inferno. Quem nunca errou? Pedir que uma pessoa seja boa a ponto de ser perfeita é pedir algo ilógico, pois a própria definição de bondade é e foi historicamente distorcida. A pintura quando revela Platão apontando para cima com um leve encurvamento revela o quão tortuoso e difícil será o caminho de sua Ética idealizada. Todos temos defeitos horríveis que vivemos reprimindo, não somos perfeitos, sempre teremos falhas, é nesse ponto que Aristóteles se encontra. Se o Homem por si só não é perfeito exigir dele a perfeição seria algo errado pois a perfeição na ótica Aristotélica é inexistente pois não está ao alcance do homem, sendo assim a Ética devia “entender” as limitações do Homem e se adaptar a ele, não “exigindo” o que não existe que no caso é a perfeição.
Conclusão
A discussão iniciada na antiguidade ainda é muito presente, durante a século das luzes se pensava em um Bom Selvagem, - o homem seria bom por natureza, a sociedade que o corrompia- depois com o passar do tempo no século XX Freud falava sobre uma maldade natural do homem, a violência e a maldade seria seu estado inicial, a sociedade era quem intervia em seu comportamento através de repressões desse ser primitivo e o conduzia a um bom comportamento na sociedade. Dessa forma a Ética proposta por Platão propunha um caminho tortuoso e impossível para a perfeição; seria essa uma maneira de fazer com que o homem, naturalmente mal, fosse ético, ele estaria sempre em busca de ser melhor, se vigiando e reprimindo seu lado animal constantemente. Aplicando-se a ética de Aristóteles o homem iria ser negligente frente a seus atos, ele contaria com a desculpa de ser uma de suas limitações ser Ético. A conclusão que chego é que para que haja o equilíbrio da maldade natural humana ela deva ser distraída por uma busca eterna a uma ética Ideal proposta por Platão.RPS

Entrar