person_outline



search

Amor e Realidade

FADE IN:
Inicialmente aparece "Amor" em Fade no centro esquerdo do Screen. Ele se movimenta suavemente em direção ao centro, diminuindo o tamanho da fonte e lentamente desaparecendo. Enquanto aparece "e Realidade" também em Fade, antes do "Amor" desaparecer. Este está no centro direito do Screen, se movimentando suavemente para fora do centro. E, ao contrário de "Amor", este aumenta lentamente o tamanho da fonte.

FADE OUT.

2 EXT. PARQUE CURUPIRA RP - DIA (FINAL DA TARDE)

JIM (V.O.)
Sempre me preocupei em te fazer feliz.

FADE IN:
Mão de garota segura uma máscara por cima do rosto de um garoto. - A máscara da comédia, risonha, engraçada e de olhos arregalados. - A garota treme um pouco segurando-a, enquanto ouvimos suas gostosas risadas ao fundo.

É o pôr-do-sol. Iluminando ela, ALICE, e ele, JIM... com o brilho cor-de-laranja do sol refletindo na lateral de suas faces. Eles estão sentados sobre um pano estampado, estilo pique-nique.

JIM (V.O.)
Mesmo nunca tendo realmente acreditado no conceito de felicidade. Mas você acreditava, e eu nunca quis que o seu mundo se tornasse tão doentio quanto o meu.

Alice então abaixa a máscara e conhecemos Jim, numa expressão séria, ou ao menos não feliz. Ela então, com os dedos mexe a boca dele, forjando uma expressão de sorriso. O que Jim faz, timidamente, enquanto ela dá risadas com a brincadeira.

3 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – NOITE

Chove. Ouve-se os pingos caírem. Jim observa a chuva, escorrendo devagar pela grande janela de vidro. Ele está sério, parado, observando sem piscar a chuva que cai lá fora.

Após alguns segundos, ele pisca os olhos e se vira. Alice está de biquíni, com um abajur de luz amarela iluminando próximo da parede onde ela cola um sol de papel. Ela estica os pés para colá-lo mais no alto. Já há outras figuras coladas na parede: mar, passarinhos e nuvens.

Ela termina de colar o sol, apertando-o forte na parede, e se vira. Olhando nos olhos de Jim, ela espontaneamente abre um belo sorriso.

JIM (V.O.)
O seu mundo sempre foi mais bonito que o meu. Por isso eu ficava com você. Por isso eu me esforçava tanto em ficar sempre perto de você.

Jim então, também sorri. Um sorriso não tão espontâneo e real quanto o dela, mas ao menos responde ao sorriso dela.

JIM (V.O.)
Estar no seu mundo sempre me fez esquecer o meu.

4 EXT. PONTO DE ÔNIBUS – NOITE

Jim está sentado sozinho no ponto de ônibus, sentado de forma não desleixada, mas não muito ereta.

Carros passam. Na lateral do ponto de ônibus, próxima de onde Jim senta, há uma aquelas propagandas iluminadas, o que deixa metade do seu rosto mais visível que a outra metade.

JIM (V.O.)
Eu nunca tinha visto um futuro pra mim. Eu nunca quis ver. Sempre precisei de um porquê existir um futuro.

Alice aparece na cena, carregando alguns livros e cadernos por debaixo do braço. Ouve-se agora o barulho do carros passando e dos pés de Alice caminhando pela calçada. Ela está cansada, exausta. Jim se levanta e pega os livros, e volta a sentar, deixando-os sobre seu colo. Alice ainda em pé, pega os livros de volta e os coloca no banco ao lado. Ela então se senta no colo de Jim, debruçando a cabeça sobre o peito dele... e fecha os olhos.

JIM (V.O.)
Até o dia que você, assim espontaneamente, deitou no meu peito.. e depois de alguns segundos já dormiu. Como se confiasse em mim. Como se eu pudesse te proteger de tudo o que viria.

Alice, encolhida no colo de Jim, pega o braço dele e o coloca abraçando-a, como um cobertor. Jim, lentamente, então a cobre com o outro braço. Alice mexe um pouco a cabeça, deixando-se pouco mais confortável, e depois de alguns já parece dormir.

Jim percebe que ela adormeceu. Os olhos dele mudam, surpreendido com toda aquela confiança, todo aquela conforto dela para com ele. Ele, ainda com olhos surpresos, debruça suavemente sua cabeça sobre os cabelos cumpridos dela.

JIM (V.O.)
Acho que nunca imaginei que veria todo aquele futuro, toda aquela viagem maravilhosa do que seria o resto da minha vida.

5 INT. DISCOTECA – NOITE

A discoteca está lotada, com todos dançando ao som de alguma música eletrônica não muito frenética. Jim e Alice estão no centro, dançando de frente um para o outro, iluminados por alguma luz direcionada, mais quente que a luz azul a volta deles... deixando-os numa situação de destaque na multidão.

JIM (V.O.)
Eu fiz acontecer.. Você fez valer a pena. Você fez ser melhor do que eu sonhei.

Jim e Alice vão se aproximando devagar, e quanto mais se aproximam, mais deixam de dançar. Até, quando já bem próximos, sobem seus olhares para os olhos... Eles já não estão mais dançando, estão completamente concentrados, hipnotizados um no outro, como se toda aquela multidão em volta não existisse mais.

Seus rostos estão muito próximos, sentindo a respiração do outro neles mesmos. Jim devagar coloca sua mão no rosto de Alice, ela então deixa a boca entreaberta. Eles se aproximam e se beijam.

JIM (V.O.)
Sabe o que diz na música, de você ser o mais próximo que estive do céu? Aquilo não era próximo. Céu parecia só mais um eufemismo pra descrever a sensação. Tudo parecia finalmente certo, mesmo de olhos fechados, mesmo com tudo acontecendo ao redor.

Um beijo suave, devagar, sentindo cada tocar de lábios.

A luz branca do strobo pisca rápido, sem parar. Em SHOTTER, numa espécie de SLOW MOTION, todos dançam com seus movimentos riscados. Alice e Jim são os únicos praticamente parados na multidão, por isso nítidos na imagem. Seres absolutamente independentes, num mundo separado daquele em que os outros dançam. Um mundo mais suave, calmo, onde só eles estão lá. E é só o que eles precisam.

6 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – NOITE

Jim e Alice assistem a um filme de terror. Sentados no sofá-cama, debaixo de um cobertor com ela debruçada um pouco sobre o ombro dele. As luzes da TV piscam azuis, iluminando-os no escuro. Jim finge assustado arregalando os olhos e abrindo a boca, logo antes de entrar de baixo do cobertor. Alice ri. Ri muito mais, até se contorcendo agora com Jim fazendo cosquinhas por baixo do cobertor.

JIM (V.O.)
No final do dia eu sabia que teria um refúgio. Estar com você me deixava preparado pra mais um dia. Havia porquê existir mais um dia.

EM PLANO ABERTO... FADE OUT.

7 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – DIA

FADE IN:
Alice dorme confortavelmente no sofá-cama. Ela abre suavemente os olhos. Há um feixe da luz do sol em seu rosto. A luz vem da janela de vidro, com a cortina que Jim deixou quase toda fechada. Alice pisca devagar os olhos e respira profundamente, apreciando a simples ação de encher os pulmões de oxigênio.

Ela se vira para o lado, aonde deveria estar Jim dormindo.
Ele não está lá. Ao invés, há um folha de papel escrita por ele: "BOM DIA Linda! Fui para o trabalho. Beijos! =)" E ao lado, um ursinho de pelúcia com um laço de presente. Na barriga do ursinho, dentro do coração: "I Love You."

JIM (V.O.)
Sempre que possível eu te dava presentes, mesmo você dizendo que não precisava.

Alice sorri, se sentindo amada. E também contradizendo a narração que diz que ela não precisava de presentes.

8 EXT. FACULDADE – NOITE

Jim veste quepe e terno, como se fosse um chofer ou motorista buscando Alice na faculdade. Ele abre a porta do passageiro curvando-se a ela, que segura alguns cadernos e livros nos braços. E com a mão que não abre a porta, ele cavalheiramente a estende para ajuda-la a entrar no carro, que brilha de tão novo.

JIM (V.O.)
Te buscava na faculdade,

9 INT. SUPERMERCADO 24HORAS – NOITE

Jim, com as sobrancelhas altas, tipo: "E ae, tá afim?" segura um pacote de pipocas de microondas numa das mãos, e na outra um DVD, ainda dentro da embalagem.

JIM (V.O.)
Levava no cinema,

10 INT. APARTAMENTO JIM (COZINHA) - DIA (AMANHECENDO)

Jim aproxima a embalagem do suco de laranja e enche o copo vazio iluminado pela luz lateral e alaranjada do amanhecer. Ouve-se o som do suco enchendo o copo e, ao fundo, a frigideira com o omelete. Jim pega a colher grande e tira o omelete, colocando no prato próximo.

JIM (V.O.)
Fazia o café da manhã.

11 INT. APARTAMENTO JIM (QUARTO) - DIA (AMANHECENDO)

Alice acorda devagar na cama de Jim, se espreguiçando antes de abrir os olhos. O quarto já está bastante iluminado pela luz do sol. Ela abre os olhos e olha em direção a porta, abrindo já seu belo sorriso, surpresa com o que vê.

Jim está parado, segurando uma bandeja com o café da manhã, junto com um pequeno vaso com uma flor. Alice, com aquele mesmo sorriso, balança a cabeça de um lado para o outro em reprovação, mas adorando a surpresa. Jim sorri timidamente, olhando profundamente para ela.

JIM (V.O.)
Isso me mantinha seguro de que você nunca me deixaria. Eu seria o melhor cara que uma garota poderia encontrar.

FADE OUT.

12 EXT. PARQUE CURUPIRA RP - DIA (FINAL DA TARDE)

FADE IN:
CAM ESTÁTICA, PLANO ABERTO...

Ainda é dia. O céu está nublado, pouco ainda de chover. A luz do sol ainda ilumina acima das nuvens.
Ouve-se o som abafado de alguns adultos e crianças ainda no parque. Alguns passarinhos e um vento forte ao fundo.

JIM (V.O.)
Então a rotina começou a se tornar entediante.

VELOCIDADE ACELERADA...
Tudo fica mais rápido. Pessoas vão embora, as nuvens se movem, a luz do sol se apaga. Anoitece, e logo começa a chover. Os passarinhos não cantam mais, o vento assopra mais forte. Ouve-se as gotas de chuva chegando forte, caindo bem próximo da câmera.

13 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – NOITE

Jim observa a chuva caindo, escorrendo pela janela de vidro. Ele está sério, parado, sem piscar... mas diferente de antes, ele não está bem.

JIM (V.O.)
Você começou a trabalhar mais, estudar mais.. e nossos horários começaram a não combinar mais.

Ele pisca os olhos e, de forma desanimada se vira para trás. Desta vez ele está sozinho na chuva, Alice não está lá. Na parede, o sol de papel colado por ela, desbotado e velho. Não há mais aquela luz amarela e viva para iluminar as figuras de mar, passarinhos e nuvens que ainda sobraram colados na parede.

Jim está triste, vazio por Alice não estar ali.

14 INT. CASA ALICE (QUARTO) – DIA

O celular da Alice (algo como um Motorola U9 Purple) está sobre uma mesinha, ao lado uma série de outros objetos desorganizados.

Ao fundo, o que talvez seria o quarto da Alice. A cama, travesseiros, cobertor... e o ursinho que Jim deu de presente na Cena 7.

Em primeiro plano, o celular vibra e se move devagar sobre a mesa, tocando (no display do celular: "Amor.. chamando", logo abaixo de uma foto registrada de Jim com um contido sorriso). Ninguém o atende. O celular vibra até parar de tocar.

JIM (V.O.)
Ficávamos dias sem nos ver, trocando apenas pequenas mensagens.

15 INT. CHÁCARA (PISCINA) – NOITE

Jim está dentro da piscina, com seu rosto iluminado apenas pelas luzes azuis que vêm por baixo da água. Há pouca iluminação, num clima bastante particular e caseiro.

Ele está aborrecido com Alice, por não atender o celular, por não dar mais a prioridade que dava ao relacionamento
que ele quer tanto que funcione.

Alice, simétrica e opostamente a ele, está no meio do outro lado da piscina. Ambos estão quase parados, de frente, boiando devagar e sozinhos dentro d’água.

No meio deles, apenas com os pés dentro da piscina, um casal de amigos. Eles estão romanticamente conversando, bem próximos, dando pequenos sorrisos e dizendo coisinhas no ouvido do outro. Jim olha para eles e olha para Alice, ela desvia o olhar e coloca os fones de ouvido que estavam na beira da piscina.

JIM (V.O.)
Os encontros começaram a parecer estranhos. Os silêncios mudaram os significados que tinham.
(pequena pausa...)
Será que estávamos mudando? Por que estava tão difícil?

16 INT. APARTAMENTO JIM (QUARTO) – NOITE

O celular do Jim (algo como um Nokia N80 preto) está sobre a mesa do quarto. Ao lado: notebook, lâmpada de mesa, pequeno ursinho que Alice deu de presente... tudo muito bem organizado, no lugar que supostamente deveria estar.

O celular vibra, tocando (no display: "Alice.. chamando", logo abaixo de uma foto de Alice com seu belo sorriso). O celular vibra e se move até chegar próximo de um porta-retrato. Nele, uma foto de Alice e Jim. A foto está pouca iluminada pela luz da lua que entra pela janela. A luz do celular tocando ajuda a iluminar o mesmo.

A foto do porta-retrato: Foi Jim mesmo quem tirou, enquanto Alice o beijava de olhos fechados e fazendo biquinho. Ele meio na diagonal, de olhos abertos, sem saber se tira a foto, ou a beija, ou tenta não sorrir. É uma foto bastante natural e espontânea. Eles estão felizes na foto. Muito felizes.

O celular vibra até parar de tocar. A luz dele que iluminava o porta-retrato se apaga. Ninguém o atende.

JIM (V.O.)
Discutíamos, no pouco tempo que tínhamos juntos. Era triste lembrar de como fomos.

17 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – NOITE

Jim está com as costas apoiadas na parede, em pé. De cabeça baixa, com uma das mãos ele cobre um lado do próprio rosto.

Alice está na parede oposta, com um dos ombros apoiados na parede, e a cabeça debruçada. Ela olha para o chão, para o
vazio enquanto movimenta a boca dizendo coisas (coisas que não serão ouvidas no filme, pois a voz de Jim em narração
estará sobre as imagens). Ela quase chora enquanto diz, com um dos braços abraçando o próprio corpo.

O sol e passarinhos de papel não estão mais na parede.
Ficaram apenas as marcas de cola e fita adesiva de onde eles estavam.

JIM (V.O.)
Sabia o quanto me conhecia. Sabia que me conhecia melhor do que qualquer outra pessoa.

Alice se vira para Jim, mas ele não olha de volta. Ela então anda devagar até ele. Ele abaixa a mão que estava em seu rosto, mas sem levantar o olhar. Não há contato visual entre eles, apenas a dor contida do que está acontecendo. Alice se aproxima e coloca uma das mãos no rosto dele. Jim força as sobrancelhas, apertando os olhos e mordendo o maxilar com a boca entreaberta. Ela o abraça, ele não retribui.

JIM (V.O.)
Você sabia que tudo em mim precisa de um plano, e o quanto eu odeio errar. Então, logo depois de você dizer que não me via no seu futuro, eu digo que você foi 2 anos de um erro constante.
(pequena pausa...)
Você então fica estática e chora.

No meio do abraço, com a boca de Jim próxima ao ouvido de Alice, ele diz que ela foi 2 anos de um erro constante. Ela rápida solta o abraço e dá um passo para trás, agora olhando-o nos olhos. Jim devagar levanta o olhar e olha de volta. Alice chora, deixando cair uma lágrima. Ela está parada, estática, de frente para Jim, não querendo acreditar no que ele disse. Ela pisca os olhos, deixando cair mais uma lágrima. Com a mão direita ela limpa o rosto. Enxugando a lágrima, ela vê o anel no dedo. Alice o tira rápido e joga pela janela de vidro aberta.

JIM (V.O.)
Você tira o nosso anel e me joga pela janela.

Chorando mesmo agora, sem ser contida, Alice olha pela última vez para Jim e sai rápido, batendo a porta.

Jim finalmente deixa-se escorrer até o chão. Suas costas arrastam na parede até ele chegar ao chão. Agora ele chora. Soluçando no canto da parede, com a cabeça baixa e os braços cobrindo parte do rosto.

JIM (V.O.)
Eu não devia ter dito aquilo.

FADE OUT.

18 EXT. PARQUE CURUPIRA RP – DIA

IMAGENS CASEIRAS: Granuladas, estilo Super8. Filmadas por eles mesmos nos momentos mais românticos e naturais.

Jim começa filmando o sol, no alto céu... e quando vira a câmera, está ele e Alice deitados sobre a grama. Ele sorri, nem parece ele mesmo. Ela o beija no rosto, ele olha para a câmera, preocupado em ajustá-la. Alice com a mão vira o rosto dele e o beija na boca.

JIM (V.O.)
Erro seria nunca ter te conhecido. Seria nunca ter chegado naquela garota sentada sozinha observando o pôr-do-sol.

Corte: Alice faz poses para a câmera, fazendo graça. Jim treme a imagem enquanto se ouve ele dando tímidas risadas ao fundo. Alice então também perde a pose e pega a câmera da mão dele.

JIM (V.O.)
Oh.. o quanto pensei e repensei antes de chegar numa completa desconhecida e dizer uma coisa estúpida só pra começar uma
conversa.

Alice treme bastante enquanto filma o rosto de Jim em close. Ele sorri e fica sério, sorri e fica sério, sorri e fica sério. Alice então também treme a imagem enquanto se ouve suas risadas ao fundo. Ela abre o Zoom, e Jim realmente sorri, quase gargalhando antes da cena cortar.

Corte: agora com Alice filmando eles mesmos. Com o sol brilhando no verde das árvores ao fundo. Eles se aproximam e se beijam... olhos fechados, com Jim acariciando o rosto dela, e ela de forma suave debruçando seu rosto sobre a mão e boca dele. Um beijo realmente apaixonado, livre... Mesmo com eles mal posicionados no Screen, com Alice não se importando em filmá-los bem ou deixá-los dentro do quadro.

JIM (V.O.)
O que eu não sabia antes é que não havia nada de estúpido ali.

Corte: Jim filma o rosto de Alice... o belo sorriso de Alice. Estático, hipnotizado. Ela naturalmente sorri, exibindo seu mais lindo atributo. Mas vê-se que ela não olha para as lentes da câmera... ela olha para o cameraman: Jim.

FADE OUT.

19 EXT. TERRAÇO PRÉDIO – NOITE

FADE IN:
Ouve-se o sobrar dos ventos... antes de mostrar Jim olhando para baixo, com seus cabelos voando um pouco. Ele está sentado à beira de um parapeito, no alto do prédio, calmo como alguém sentado à beira de uma piscina.

O céu brilha azul-marinho, com muitas nuvens brancas e uma lua cheia e clara atrás delas. Apesar do vento, as nuvens parecem paradas, como todo o resto da cena, apagada e sem cor.

Jim olha para os próprios pés, se mexendo devagar como estivessem dentro d’água. Com as sobrancelhas apertadas, e com o vento sobrando forte e movimentando suas roupas, Jim levanta a mão direita até próxima de seu rosto e olha para o anel que ainda está em seu dedo.

Ouve-se o barulho da porta do terraço se fechando, e um barulho de pano ao vento, às costas de dele. Jim devagar vira a cabeça, mas sem necessariamente virar-se para trás. Alice está lá... com um vestido de pano vermelho escuro, leve e esvoaçante. O vento sobra forte, fazendo balançar os longos cabelos dela, que carrega uma expressão triste e melancólica... em pé e parada, com a cabeça um pouco inclinada olhando para Jim.

Ela então caminha devagar em direção a ele. Jim, ainda sem virar o olhar, mas já sabendo que é Alice que está lá, volta-se de novo para frente, de cabeça baixa olhando seus pés pisarem no vazio. Alice se aproxima e se senta ao lado dele no parapeito.

Alice olha para ele de cabeça abaixada, mas logo abaixa o olhar. E após um pequeno silêncio, ela coloca sua mão sobre a mão dele.

O vento sobra mais leve agora. O céu está um pouco mais aberto e estrelado.
Alice lentamente debruça sua cabeça no ombro de dele.
Devagar, Jim retribui o gesto.

ALICE
Agora eu deveria estar morrendo de medo, sabia? Mas é estranho. Com você.. sabe o que eu sinto? Lembra aquela vez que você disse que gostava tanto.. que comigo.. você conseguia se sentir confortável em silêncio?

Jim deixa aparecer seu tímido sorriso.

ALICE
É isso que eu sinto agora.

JIM
Será que é normal mesmo tudo terminar, Alice? Até a gente? Que o que dizem dessa realidade.. de tudo ter um fim.. Será que tudo tem que acabar?

ALICE
Acaba se a gente quiser que acabe. Se a gente deixar que acabe.

Alice mexe um pouco a cabeça, e confortavelmente fecha os olhos.

JIM
Você sempre foi tudo que eu achei que conhecia, Alice.

Ela levanta um pouco a cabeça, virando seu olhar para o rosto de Jim, enquanto levemente sorrindo diz:

ALICE
(sussurando...)
Shhh! Você está arruinando nosso silêncio confortável.

...e ela dá o seu belo sorriso. Olhando para ela, Jim também sorri.

ALICE
Eu tenho uma coisa pra você.

Alice desvia o olhar, e com a mão busca por algo dentro de um bolso no seu vestido. Ela tira o anel do bolso, o mesmo anel que ela antes jogou pela janela.

Jim fica surpreso, não entendendo bem. Ela sorri mostrando o anel em sua mão para ele.

20 INT. APARTAMENTO JIM (SALA) – NOITE

(FLASHBACK DA CENA 17...)
Em cortes rápidos, é mostrado novamente Alice jogando o anel pela janela e batendo a porta enquanto sai do apartamento de Jim.

21 INT. PRÉDIO JIM (CORREDOR) – NOITE

Alice anda rápido, indo embora pelo corredor vazio e pouco iluminado. Ela acabou de sair do apartamento, logo depois da briga com Jim.

Ela ainda chora enquanto anda em direção ao elevador. É um choro contido, silencioso, de raiva misturada com tristeza. Alice aperta forte o botão do elevador, e tenta ficar parada esperando o mesmo, mas treme um pouco. Ela então soluça em choro, levantando as mãos até o rosto. Ela então anda devagar para trás, até encostar na parede.
Agora Alice chora de fato, com lágrimas e soluços... mas ainda em silêncio, para ninguém ouví-la.

Sem forças, agora só com a tristeza, sem a raiva... ela se deixa cair até o chão. Alice chora com seu rosto virado para o chão, iluminado pelo pequeno feixe de luz que entra pela janela no final do corredor.

O elevador chega. Ouve-se o sininho e a porta dele se abrindo, iluminando uma das faces do rosto de Alice. Ela nem chega a levantar o olhar, e continua agachada no chão do corredor... até a porta do elevador voltar a fechar, deixando-a de novo no escuro.

22 EXT. PRÉDIO JIM – NOITE

Ouve-se o som de uma trava de porta batendo e fechando.
Alice sai do prédio e limpa o rosto manchado pelas lágrimas. Com as mãos ela enxuga o choro... até olhar para a própria mão direita, sem o anel que simbolizada a conexão dela com Jim. Ela então muda sua expressão de choro, agora passando para assustada, errada por ter perdido aquele anel.

Alice então olha rápido para cima, procurando pela janela do apartamento do Jim. Ela move a cabeça, como se estivesse acompanhando a trajetória que o anel teria feito quando o jogou da janela. Ela então corre até onde ele teria caído.

Ela procura o anel pelo chão, entre os sacos de lixo, nos arbustos.; Um pouco agachada, estilo detetive, ela usa a luz do celular para procurar pelas partes escuras da rua e calçada.; Ela mexe a árvore pelo caule, fazendo-a balançar, o que faria o anel cair se estivesse preso nos galhos.; Ela anda de um lado para o outro olhando para o chão. Refaz a possível tragetória do anel, olha pelo chão... Até desistir.

Alice então está sentada na sarjeta, triste e decepcionada, cansada de procurar tanto por algo tão importante e não encontrar. Ela então se encolhe por causa do frio e abraça as próprias pernas, fechando devagar os olhos e deitando-se sobre os joelhos.

Debruçada nos próprios joelhos, ela devagar abre os olhos, mas os fecha de novo. Mas rápido volta a abri-los. O anel! Ele está logo no degrau aonde começa a calçada, a poucos metros de onde ela procurava, iluminado por uma luz direcionada que parece só agora ter se acendido.

Ela então sorri, surpresa. Mesmo com suas lágrimas já cristalizadas no rosto e as marcas de maquiagem e choro, Alice sorri. Ela se levanta rápido, vai até o anel e o pega com a mão direita.

23 EXT. TERRAÇO PRÉDIO – NOITE

(CONT’D CENA 19...)
Sentados no parapeito, Jim levanta seu olhar da mão direita de Alice segurando o anel para o rosto dela. Com as sobrancelhas apertadas, Jim olha angustiado nos olhos de Alice, surpreso, percebendo o esforço que ela fez para reencontrar o anel.

Jim lentamente pega o anel da mão dela, e Alice oferece a mesma para recolocá-lo em seu dedo. Jim coloca o anel, com o céu agora brilhando mais claro e azul. Alice sorri, exibindo seu aberto e maravilhoso sorriso... levando seu olhar das mãos para os olhos de Jim. Ele timidamente também sorri, forçando as sobrancelhas e olhando profundamente para ela.

MUSIC CUE: "Alexei e Banda: Motivo para Desenhar"
O som do início da música - instrumental - começa a tocar.

O vento sobra devagar agora. O céu brilha estrelado e quase sem nuvens com Alice e Jim sentados no parapeito. Eles olham um para o outro. Alice se aproxima e dá um beijo na boca de Jim, e se deita de novo sobre o ombro dele. Ele devagar deita sua cabeça sobre os cabelos dela.

O som da música "Alexei e Banda: Motivo para Desenhar" inicia sua parte cantada...

FADE OUT.

24 BLACK SCREEN: END CREDITS

Do mesmo modo que o título do filme foi apresentado, com a mesma fonte, movimentação e configurações, agora é mostrado o "Cast & Crew" do filme: (A função aparece em FADE IN, começando de um tamanho de fonte maior para um tamanho de fonte menor. Desaparecendo devagar em FADE OUT enquanto aparece o nome do responsável pela função. Nome que aparece em FADE IN, começando de uma fonte menor e indo para uma fonte maior.)


Consultora criativa e orientação:
ROBERTA ASSEF

Música:
ALEXEI E BANDA - MOTIVO PARA DESENHAR

Obrigado Final:
THIAGO DE OLIVEIRA SILVA
JACQUELINE PEREIRA
RONALDO PASKAKULIS
MARIA AUGUSTA PASKAKULIS
GUSTAVO BRITO

© 2008 Jan. Registro: 426.898 Livro: 799 Folha: 58
Pin It
Atualizado em: Sáb 8 Ago 2009

Comentários  

#2 GabriellaIngrid 11-08-2009 21:03
Pedro, adorei o roteiro!
Dá pra sentir mesmo tudo o que o personagem sente!
Tá muito bom mesmo, as palavras deles, o cenário e toda a constução da história é ótima!
Parabéns!
+1 #1 GabriellaIngrid 11-08-2009 21:03
Pedro, adorei o roteiro!
Dá pra sentir mesmo tudo o que o personagem sente!
Tá muito bom mesmo, as palavras deles, o cenário e toda a constução da história é ótima!
Parabéns!

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222