person_outline



search

O Inesquécível governo de sete meses de Jânio Quadros vira minissérie

Depois da minissérie a vida de Juscelino Kubitschek e do filme sobre a vida do presidente Lula, chegou a vez do controvertido Jânio Quadros.

Será realizada uma minissérie e um filme do ex-presidente que assumiu a presidência da República em 31 de Janeiro de 1961 com o conhecido bordão "varre, varre vassourinha" e renunciou misteriosamente, sete meses após.

O pesquisador e escritor Nelson Valente e o ator e diretor Paulo Figueiredo estão escrevendo os capítulos, escolhendo o elenco assim como, os locais das gravações. O ator Cássio Scapin será o ex-presidente Jânio Quadros na minissérie e filme.

A previsão do orçamento deste projeto é de aproximadamente R$12,8 milhões e será realizado pela Rede Record.

Segundo Nelson Valente que trabalhou com Jânio Quadros e escreveu 12 livros sobre a vida dele, tanto a série quanto o filme focarão principalmente o controvertido episódio da renúncia. Existem mais de 20 versões para este ato e, nesta minissérie o pesquisador promete revelar a verdade.

Nelson Valente cedeu-me gentilmente esta pequena intrevista:

Catucha: Já foi escolhido o ator que fará o papel do Jânio Quadros? Qual a sua preocupação em relação a escolha deste personagem?

Nelson: O ator será Cássio Scapin. O roteirista e adaptador Paulo Figueiredo, espera do ator Cássio Scapin, conhecer exatamente onde está a tênue fronteira entre o pitoresco e o ridículo. Trabalhar a sua imagem ( Jânio Quadros) sobre o fio da navalha.

Catucha: Quais outros atores estão sendo cotados para trabalhar na minissérie? Algum destes atores já estão confirmados?

Nelson:Somente o ator Cássio Scapin

Catucha: Qual a previsão para ir ao ar a minissérie? Com quantos capítulos?

Nelson: Em breve. No momento estamos ( Paulo Figueiredo) trabalhando o mapeamento ( locais, eventos e elenco). Total de 12 capítulos.



Catucha: Jânio Quadros, em seu governo, tinha o hábito de dar ordens através de "bilhetinhos", recadinhos em papel. Poderia nos contar alguma história pitoresca a este respeito?

Nelson: É de se reconhecer, contudo, que os bilhetes de JQ foram a marca de sua personalidade vigorosa. Os relapsos os temiam. Os responsáveis os respeitavam. Os políticos profissionais os combatiam. O povo os aplaudia. José Le Senechal, inventor, convidou Jânio Quadros a integrar a tripulação do primeiro disco voador concebido pelo seu engenho e arte. Num atencioso bilhetinho, o Presidente agradeceu a distinção que lhe fora conferida e disse ao inventor, entre outras coisas mais ou menos siderais, o seguinte:
- Já me imagino voando para outros mundos e tenho a convicção de que eles não poderão ser piores do que este em que vivemos.
Acrescentou que uma tal viagem daria prazer não só a ele como a muitos políticos...
São José

Catucha: Algumas frases antológicas foram atribuídas à ele como: " Fi-lo porque qui-lo" e " Bebo porque é líquido, se fosse sólido, comê-lo-ia". Ele realmente disse estas frases? Poderia nos dizer mais algumas?

Nelson: Jânio Quadros jamais falou em " fi-lo porque qui-lo " , mas o fi-lo porque quis. A resposta : bebo porque é líquido se fosse sólido comê-lo-ia, é verdadeira."Falei em forças terríveis, porque ocultas não foram." Durante a campanha ao governo do Estado de São Paulo, Jânio vai para Ribeirão Preto para solidificar sua candidatura naquela região, considerada de vital importância.
Ademar de Barros, também candidato, solicita a um repórter que vá lá com um único propósito: fazer uma só pergunta.
Jânio passeis pela cidade, discursa e atende os populares.
Depois é a vez da imprensa local, atende-os em todas as perguntas. Em determinado momento, o repórter encomendado por Ademar, parte para o ataque:
- O senhor sabe que a família interiorana é moralista e conservadora? Gostaria de lhe perguntar: por que o senhor bebe ?
Jânio parecia saber da indagação, e responde sem perder o bom humor:
¬Bebo porque é líquido. Se fosse sólido, comê-lo-ia.
Risos ecoaram pela cidade de Ribeirão Preto e o repórter, é claro, foi mandado embora.

Catucha: Jânio tinha realmente obsessão por renunciar?

Nelson: O objetivo desta minissérie é demonstrar que a renúncia de Jânio da Silva Quadros foi um ato pessoal e suas entrevistas e seus bilhetinhos revelam o estigma e suas várias facetas na arte de renunciar.
Pin It
Atualizado em: Seg 30 Mar 2009

Comentários  

#4 Catucha 10-07-2009 14:23
Parabéns sr Nelson.
#3 Catucha 10-07-2009 14:23
Parabéns sr Nelson.
#2 Nelmis 30-03-2009 14:58
:P
+5 #1 Nelmis 30-03-2009 14:58
:P

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222