person_outline



search

Entrevista feita ao escritor Valdeck Almeida de Jesus

alt
Foto cedida por Valdeck Almeida de Jesus
Projeto "Visibilidade para o novo autor" :

1 - Como você definiria o escritor e a pessoa Valdeck Almeida de Jesus?

A pessoa e o escritor são praticamente iguais. Meus escritos são o reflexo de meu caráter, de minha ideologia, de minha vivência. Seria difícil ou impossível separar um do outro. Escrevo desde os 12 anos de idade e hoje, aos 42, continuo rabiscando como um iniciante. Acredito que a vida e a literatura se renovam a cada dia, com o nascer do sol. Nunca se está no 'ponto final ou ideal'. Sou muito crítico nas minhas escritas e no meu labutar diário. Estou em busca de fazer melhor, de viver melhor, de evoluir, sempre, nas minhas relações e na minha arte. Não o faço de forma compulsiva, entretanto. Sei que sempre há espaço para melhorar e persigo a perfeição a cada passo. Não vivo apenas para o planeta Terra. Vivo, principalmente, para a eternidade. Por isso, meus atos, minhas reações, meu dia a dia são guiados rumo ao infinito, olhando ao horizonte, tentando construir uma trajetória que me permita crescer, sempre, sem passar por cima de ninguém, sem pisar nem humilhar quem quer que seja. Este é o escritor e este é o cidadão Valdeck.

2 - Onde nasceu e qual sua relação com o lugar em que mora?

Nasci numa cidade conhecida como "Cidade Sol": Jequié, interior da Bahia. Como todo bom baiano, gosto de coisas da terra como banho de rio, bater papo com vizinhos, festa de largo, forró etc. Sou de uma família católica e fui levado ao catecismo, primeira comunhão, grupo de jovens, essas coisas. Devido às condições precárias de minha família, íamos sempre para o Centro Espírita Bezerra de Menezes, também, em busca de conforto espiritual e, principalmente, de cestas básicas. A relação católico-espírita perdura até hoje. Acredito que o meu Deus está em todos os lugares. Minha relação com Jequié é umbilical. Ali tenho primos, irmãos, sobrinhos, amigos, colegas de trabalho e de escola, alguns da faculdade de Letras que iniciei na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), companheiros de militância (PCdoB) e da luta estudantil, velhos amigos. Não dá para esquecer a terra onde a gente nasceu e cresceu a maior parte da vida. Saí de Jequié aos 27 anos de idade, moro em Salvador desde então, mas volto à terrinha sempre que posso. Nos primeiros anos, eu viajava 360km, de ônibus, toda semana, para visitar meus parentes, minha mãe, meus amigos. Em 1998 comprei um carro e a peregrinação continuou. Depois da morte de minha mãe, em 2000, retomei os estudos e passei a visitar a cidade a cada 15 dias, um mês. Mas nunca fico muito tempo sem voltar à terra natal, pois ali eu recarrego minhas baterias, descanso do estresse de Salvador, como uma boa feijoada na feira livre, tomo caldo de cana, caminho pelas ruas, reclamo do sol escaldante, vejo mato, respiro um ar puro etc.
3 - Que obras já publicou? Há alguma que considere um marco em sua carreira literária?

Minhas principais publicações são "Memorial do Inferno. A Saga da Família Almeida no Jardim do Éden". São Paulo, Giz Editorial, 2008 (2ª edição), "Heartache Poems. A Brazilian Gay Man Coming Out from the Closet". Nova York, iUniverse, 2004 (poesias), "Feitiço Contra o Feiticeiro'. São Paulo, Scortecci, 2005 (poesias), "30 Anos de Poesia'. Rio, Câmara Brasileira do Jovem Escritor, 2008 (poesia) e "Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia". Rio, Câmara Brasileira do Jovem Escritor, 2008 (prosa poética, crônica e poesia).
A principal obra é "Memorial do Inferno", romance que narra a saga de uma família que sobreviveu aos horrores da fome, da miséria absoluta, da falta de governo desse país. Imagine o que uma mãe paralítica e analfabeta, com um marido semi-louco, pode fazer para sustentar oito filhos famintos, sem ter uma casa própria, água encanada, gás, mantimentos em geral. A fome urrava todos os dias em minha casa, minha mãe enganava aos meus irmãos e a mim, dizendo "Jeus vai trazer comida amanhã". Eu nunca me conformei com aquela desgraça que se abatia sobre nossa casa. Eu nao compreendia, no entanto, que o destino da gente pode ser modificado com muita persistência, muita luta, muito sacrifício. Mas eu não via alternativas, já que a família estava no limite da dor, do sofrimento. Hoje eu compreendo o lado espiritual, sei que muito daquilo foi necessário, aquela dor já não me dói mais, eu escrevo e comento sobre o assunto como algo distante no passado. No momento da dificuldade, porém, foi muito duro para mim e para meus irmãos a gente ver os vizinhos com luz elétrica, com café e pão na mesa, televisão, roupa nova, brinquedos, enquanto a gente mendigava pelas ruas, catava carrinhos e bonecas nos lixões da cidade, comia restos de comida, carne podre, pegava camarões no Rio Jequiezinho – conhecido como 'esgoto do hospital -, bem como dormir várias noites com fome, sobre tábuas, sem cobertor... Era muito duro ver o natal chegar a cada ano, com promessas de que o Ano Novo seria diferente, e enfrentar 365 dias de fome, piolhos na cabeça, percevejos nos sugando o resto de sangue que tínhamos, empurrar minha mãe ladeira acima e ladeira abaixo numa cadeira de rodas, ver os irmãos cheios de perebas purulentas e não ter como ir a um médico, enfim... Foi uma dureza! Esta história macabra é contada com requintes de detalhes escabrosos neste livro, que traz, também, lições de sobrevivência, de cidadania, de fé e de perseverança. Este foi o meu primeiro livro, publicado aos 39 anos de idade. A contracapa foi escrita por Lázaro Ramos, tem parte da renda doada às Obras Sociais Irmã Dulce e é um sucesso de vendas.

4 - Como se dá o processo de criação das suas obras (quando começou eporque começou a escrever)?

Minha mãe foi alfabetizada por mim. E tudo o que ela queria era ver seus filhos na escola. Era o principal sonho dela. Comecei a escrever quando aprendi a ler. Eu lia de tudo, de bula de remédio a rótulos de enlatados (quando eu os encontrava, no lixo). Meus primeiros escritos foram poesias. Conheci a linguagem poética através de uns livretos que comprei no colégio e também dos cordéis. Antes disso, porém, eu ouvia as estórias que meu pai e minha mãe contavam. Eram passagens bonitas, falavam de heróis, de saci pererê, mula sem cabeça, estas coisas fantásticas. Aí surgiu o meu gosto pela leitura e, depois, pela escrita. Publiquei, em 2008, um livro comemorativo dos meus 30 anos de poesia. É um livrinho pequeno, com apenas 30 poemas, um a cada ano de minha vida literária (risos). Pretendo chegar aos 100 anos escrevendo, lendo, espalhando literatura mundo afora.

5 - Indicaria algum autor (o seu preferido) ao que agora lê essa entrevista?

Jean Wyllys é um dos escritores que adoro. Ele é preciso, direto, sem rodeios, fala da realidade, das experiências de vida através dos seus contos, relata fatos, tem uma linguagem objetiva. Devorei os livros "Aflitos" e "Ainda Lembro" e acompanho sempre o blog dele na internet, onde 'roubo' textos maravilhosos. Jean é um gênio da literatura. Estou ansioso pelo próximo livro dele. Outro escritor que me fascina é Augusto dos Anjos, com seus poemas viscerais, a vida cotidiana, os atos mais banais e corriqueiros transformados em arte, imortalizados em literatura. A último livro que li foi "Cem Anos de Solidão", de Gabriel García Marquez, pelo qual fiquei encantado. Estou lendo "Ensaio Sobre a Cegueira", de José Saramago.
6 - Você idealizou um belíssimo projeto de inclusão de poetas nas vias literárias? Poderia falar sobre ele?

O Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, foi criado em 2005, o qual premia escritores do mundo inteiro com a publicação em livro dos poemas selecionados. Meu projeto inicial era selecionar somente escritores baianos, mas a dificuldade de chegar até eles, devido à falta de jornais, revistas e sites direcionados a este universo, eu abri inscrições no ano de 2006 para poetas do mundo todo. O prêmio tem sido sucesso a cada ano. Na primeira edição, eu praticamente obriguei alguns conhecidos a se inscreverem. Em 2008 eu sofri muito na hora de escolher quem ficava, pois recebi trabalhos espetaculares de gente dos mais longíquos recantos do país e de países do mundo inteiro. Uma comissão seleciona junto comigo, e a dificuldade é tamanha, pois os custos de edição dificultam a publicação de um livro maior, talvez até em mais de um volume. Nunca consegui patrocínio de governo, de empresas privadas, nada. Tudo é pago com o salário do meu trabalho. Eu ficaria muito feliz se conseguisse uma parceria para preparar projetos, inscrevê-los nos programas de financiamento estatal, executar e prestar contas, pois esta parte burocrática me arrepia só de pensar. É muito formulário, muita informação, a pessoa precisa estar inteiramente dedicada ao trabalho, pois qualquer deslize você pode ser processado por mal uso da verba pública, estas coisas. Morro de medo disso e, talvez por isso, nunca procurei estes ´prgãos para financiarem meu projeto. O prêmio é divulgado no site do Ministério da Cultura, através do Plano Nacional do Livro e Leitura PNLL, e já lançou centenas de novos autores.
O que me gratifica de tanto trabalho é receber e-mails, cartas, mensagens emocionadas, de pessoas que realizaram o sonho de publicar um poema, de ver seus trabalhos reconhecidos, num livro de boa qualidade, distribuído pelo mundo todo. É muito emocionante você causar alegria, felicidade, amor. Este é o prêmio maior que recebo.

7 - Qual é a grande mensagem, aquela que persiste nas obras do escritor Valdeck A. de Jesus?

A grande mensagem é a persistência, é fazer cada um acreditar no seu potencial. Sou da opinião que podemos mudar o mundo, se olharmos com atenção ao nosso redor, tivermos visão crítica e colocarmos a mão na massa. Não espero que façam por mim. Eu sou daqueles que vai à luta e incentivo a quantos estiverem próximos a mim.

8 - Como vê a atuação dos escritores no âmbito virtual?

Acompanho muitos blogs, sites de literatura e percebo que a população está escrevendo muito, lendo muito. Acho positiva a divulgação de obras literárias na rede mundial de computadores, pois o acesso se amplia, a arte é democratizada, fica ao alcance de quem quiser.

9 - A internet é um lugar propício para o desenvolvimento de bons escritores?

Claro que sim. Veja o exemplo da Bienal do Livro de São Paulo, com o "Livro de Todos", escrito por 173 escritores, inclusive eu. Escrever bem é resultado de exercício. Incentivos como o citado, dentre tantas outras belas iniciativas são sempre bem vidas, e a internet abre espaço para bons e para maus escritores. Com o exercício, com a crítica, os bons se tornam excelentes e os maus vão melhorando (risos). A internet funciona como um Ibope: se você escreve bem, se divulga bem o seu trabalho, facilmente você consegue gente que gosta de bons textos e o ego do escritor vai aumentando, juntamente com as visitas ao site ou blog. É uma via de mão dupla, pois o leitor também exige diretamente de quem escreve, fala com o seu escritor, sem intermediários. É uma ferramenta ainda pouco utilizada por grandes nomes da literatura, mas é uma arma poderosa se bem utilizada.

10 - O que acha do projeto "Nova Coletânea"?

Acredito que projetos como a "Nova Coletânea" são oportunidades de ouro para poetas de todos os quilates. Um livro que vai de mão em mão, que entra nas casas, repousam embaixo dos travesseiros, caminham de ônibus, de metrô, de avião, nas mãos de poetas de várias partes do Brasil. Este 'caminhar', levando e trazendo informações, conhecimentos, oxigena a literatura. Muito importante participar e divulgar trabalhos como este.

11 - Que mensagem deixaria ao novo autor?

Ler muito, ler de tudo, da Bíblia ao jornalzinho do colégio, criticar, participar de debates, assistir a entrevistas com pessoas inteligentes, selecionar informações, não desistir nunca, fazer cursos relacionados com sua arte, investir na carreira. Viver de arte é difícil, mas o conforto espiritual é incomensurável. Não há dinheiro que pague um elogio, uma crítica construtiva escrita por um leitor de nossos textos. Desistir, jamais!

12 - Quais são os seus planos para o futuro?

Meu futuro é hoje. E meu futuro é escrever, publicar, divulgar, ler, participar de feiras do livro, bienais do livro, saraus, recitais...

13 - Como o leitor poderá contatá-lo?

Através do meu site
Pin It
Atualizado em: Dom 19 Jul 2009

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222