person_outline



search

Desta Para Outra

´Comédia que aborda uma possível tentativa de suicídio de Aderbal, recebendo um possível incentivo de Laura.

Metateatro escrito para 1 ator e 1 atriz

Duração aproximada: 20 minutos

Cenário único.

 

Cenário: Sala de estar. Aderbal encontra-se defronte uma mesa, tendo diante de si um revólver, um copo com líquido entre outros apetrechos. Laura entra em cena

LAURA - Ora Veja! Ainda estás aí?

ADERBAL - Onde eu haveria de estar?

LAURA - Eu estranho por te ver aí sentado. A esta hora já não era pra estar estirado no chão, com o olhar estatelado e a cara desfigurada.

ADERBAL - Desumana.

LAURA - Desumana, eu? Tenha dó, né, Aderbal? Então eu passo quase duas horas na rua - o que foi tempo suficiente pra o suicídio - e quando retorno, toda esperançosa, dou de cara contigo ainda aí, debruçado na mesa, da mesma forma que te deixei? Ah, sim! Sou eu a desumana ou você o covarde?

ADERBAL - Desumana e desnaturada! Você acha que é fácil alguém se apegar à vida durante 54 anos e se desprender assim tão simplesmente?

LAURA - Prefere que eu me ausente por mais umas 5 horas?

            Aderbal não lhe dá resposta

LAURA - Solidária! É disso que você deve me chamar: solidária e atenciosa! Nesse tempo em que fiquei na rua veja só o que me preocupei em trazer; vá segurando aí: corda trançada e envernizada! É resistente e bastante utilizada em enforcamentos! Estilete: perfeito pra cortar a jugular. Espeto em inox pra churrasco: na falta do punhal achei isso o melhor pra perfurar o coração. Trouxe ainda esse esparadrapo e esse pregador. Basta tapar a boca e o nariz e pronto: morreu!

ADERBAL - Haverá de sentir remorso.

LAURA - Não seja tolo! Você ainda vai morrer dizendo que vai se matar. Pois saiba que o suicídio é uma peculiaridade feminina. Ninguém faz isso com maior elegância. Quem melhor entende a vida melhor saberá dar cabo dela.

ADERBAL - Dispenso filosofia em meu momento derradeiro.

LAURA - Não? Considere a existência de toda humanidade e haverá de concordar que todo esse contingente coube em ventre feminino, percebe? Somente quem gera tanta vida pode se dar ao luxo de desperdiçar algumas.

ADERBAL - Peça para o padre Jerônimo celebrar a missa de sétimo dia, sim?

LAURA - Você é um fraco, Aderbal. Um fraco e um melodramático. Quisesse mesmo se matar bastaria uma colher de veneno e não ficar com essa cara mórbida a olhar pra arma, a olhar pra Bíblia, a olhar pra... ei! O que é isso?

ADERBAL - Não toque! É uma granada!

LAURA - O que!? Uma granada!? Seu tresloucado! Você por acaso tem ciência do andar que a gente mora? Tem? No quarto! No 4º andar de um prédio de oito apartamento por andar, compreende!?

ADERBAL - Eu não desejo me despedir dos vizinhos.

LAURA - O que eu estou dizendo, seu tonto, é que tem não sei quantas famílias morando acima e abaixo deste andar que não têm nada a ver com o seu dramalhão, fui clara? E o Eraldo?

ADERBAL - Que Eraldo?

LAURA - Que Eraldo? A criança do 502 que no sábado completou um aninho e você estava lá se empanturrando na festa dele.

ADERBAL - É Ednardo o nome dele.

LAURA - Eraldo, Ednardo, Evaldo... o diabo que seja! O que importa é se tratar de um pobre inocente totalmente alheio às suas doentias esquisitices.

ADERBAL - Um suicida não tem o mesmo juízo de valor.

LAURA - Não seja cínicol E onde está o seu juízo de valor? Nesta carta patética aí no seu bolso?

Laura pega a carta

ADERBAL - Dê-me isto aqui. Só deve ser lida após a minha morte.

LAURA - Não diga!? Toma aqui o estilete.

Laura lê trechos da carta num tom de debochado melodrama.

LAURA - “... assim sendo, é neste derradeiro momento que tardiamente venho reconhecer a preciosa pérola da juventude que se esvaiu entre os meus dedos...” Santo Deus! Tenha a bondade! (vira a página) “...por isso – vida mal traçada – mergulharei, sem melindres, no perturbador abismo do enigma humano...” Francamente! Melhor ler isso que ser cega (vira a página) “... e a você, desavisado leitor, saiba que tens em mãos a memória de um forasteiro errante que já não mais lhe poderá confessar segredos dessas entrelinhas...”Pelo amor de Deus, Aderbal! Será que não dá pra morrer de uma maneira menos cafona?

ADERBAL - Sua incompreensão não me surpreende.

LAURA - (conta as páginas) Veja só: uma, duas, três... seis, sete... Sete ou oito páginas , sei lá! Antes d’eu sair você disse que escreveria apenas um bilhete de despedida e veja bem o tamanho disso! Não seja ridículo, Aderbal! O que você pensa? Que isso aqui vai virar um documento literário pros anais da literatura universal, é isso? Ou imaginou o que? Que eu regressasse com uma equipe do corpo de bombeiros pra dissuadi-lo do suicídio e, quem sabe, divulgasse essa jóia literária pro mundo? Desista, Aderbal! Você não é suicida e nem vivente. O que te diferencia dos suicidas é o simples fato de ainda estar vivo, ainda que uma vida medíocre. Agora vê se morra de uma vez porque estou sem jornal velho e preciso dessa carta pra enxugar a urina do cachorro!

ADERBAL - Deixe-me só. Receba esse pedido como meu último desejo.

LAURA - Não há de quê! Volto là pela noitinha pra ler a décima quinta página de uma carta antológica, está bem? Ah, dê-me aqui esse revólver (manuseia) Pronto! Das seis munições, deixei apenas a que está na agulha. Espero que ao menos por uma vez você dê um tiro certeiro na vida. Até a próxima!

Laura sai e bate a porta. Neste instante ouve-se o som de um estampido. Cai a luz

 

            Em seguida, volta a luz. A atriz retorna à cena.

ATRIZ – E então? O que achou?

ATOR – Legal, acho que está fluindo, mas não sei se as personagens estão bem definidas.

ATRIZ – Você está mesmo cismado com isso!. Se está fluindo é porque está bom, não?

ATOR – Não sei... Esse jeitão do Aderbal ficar só ali sentado defronte à mesa tá me incomodando um pouco.

ATRIZ – Mas ele é mórbido...acho que tem que ser assim mesmo!. Se ele reagir muito perde a coerência, não concorda? É por isso que a Laura arranca a carta do bolso dele e ele mal reage?

ATOR – Sim... mas ele queria mais é que ela pegasse mesmo. E eu não acredito muito nessa morbidez dele, não. Talvez meio cínico, meio debochado, sei lá...

ATRIZ – Vamos deixar as coisas como estão, vamos? Até porque só temos 3 dias pela frente. Se a gente mexer muito agora, já viu, né!?

ATOR – Dizem que os jurados são meio linha dura com a estrutura do texto.

ATRIZ – Eu anotei tudo o que a banca exigiu, vamos ver (pega uma agenda na bolsa). Olha aqui! Primeiro item: “Trama com começo, meio e fim”, temos?

ATOR – Temos... parece que sim... Bem, temos o final... o meio...

ATRIZ – O começo é justamente a Laura entrando em cena, não é isso?

ATOR – É...? Não, acho que na verdade é antes dela entrar... quero dizer; é a cena que não é mostrada, quando ela vai na rua pra dar tempo dele se matar.

ATRIZ – Ah, sim, perfeito! Pronto, então temos os três! “Conflito”!

ATOR – Conflito? Temos! Conflito seria esse choque dele querer morrer e ela...

ATRIZ – Mas ela quer que ele morra! Cadê o choque?

ATOR – Tem razão... mas na verdade ele não quer morrer, não acha? Não vê que o bilhete dele virou carta pra ele ir ganhando tempo e não se matar? E também nem sei se ela quer mesmo que ele morra ou só fica desafiando porque sabe que ele é fraco...

ATRIZ – Ai caramba! Já comecei a ficar grilada! “Ação dramática”!

ATOR – Ação dramática pode ser essa expectativa do morre-não-morre, né. Aliás, a expectativa do suicídio.

ATRIZ – Tomara! Aí fica legal porque tem um paradoxo: a própria morbidez seria a ação. Virgem Maria! Queira Deus! “Relação entre as personagens”!

ATOR – Isso é uma das coisas que eu acho que precisamos mudar no texto. Não está definido se eles são um casal, se são irmãos, se amigos...

ATRIZ – Ah, Não! Acho que isso não importa! O legal é expor justamente o momento mais denso, mais nevrálgico da relação dos dois, não acha? Se explicar demais perde o dinamismo. Já imaginou dar uma de Shakespeare explicando oito vezes uma única frase? Nunca! Vamos lá: “Transformação das personagens”.

ATOR – Bem... ele se mata mesmo ou não? Se ele se matar é haverá a transformação dele e da Laura também, mas se não...

ATRIZ – Sem comentário! O final está perfeito! Deixa o público decidir. A dúvida é mais saborosa que a certeza. E por último: “Virada na história”.

ATOR – Virada? Como assim?

ATRIZ – Parece que é quando acontece uma ou mais situação em que a história tome um novo rumo.

ATOR – Virada? Ih, caramba, isso nós não temos! A não ser que ele tenha mesmo se matado, mas aí a história já acaba...!

ATRIZ – Complicadinho isso...Deus meu, será que a gente passa? Fora isso é cenário, figurino, sonoplastia, objetos de cena... Aliás, eu prometo que gasto uma grana mas compro um espeto em aço inox. Só trouxe esse enferrujado pra fazer a cena.

ATOR – Vê lá! Não podemos perder ponto por causa de bobagens.

ATRIZ - E essa granada, hem? Sempre achei isso meio exagerado. Não seria melhor tirar?

ATOR – De jeito nenhum! Além do mais eu também gastei uma grana pro soldado me arranjar essa aí. E tem que ser exagerado mesmo! Já imaginou alguém pensar em se matar usando uma granada. Esse exagero é cômico.

ATRIZ – Tomara que os jurados entendam assim!

ATOR – Entenderão e haverão de aplaudir. Ainda mais que na seqüência vem a piada do Ednardo.

ATRIZ – Você acha que irão rir mesmo disso?

ATOR – Tenho certeza. Pode escrever! Se ninguém rir a gente se mata de verdade (gargalha). Já imaginou nós dois morrermos de verdade em uma cena de suicídio?

ATRIZ – Oh, que emoção! Será minha realização como atriz! E então? Vamos passar a cena mais uma vez?

ATOR – Ah, não, por hoje acho que já basta, Amanhã a gente começa um pouco mais cedo, ok? Ajude-me só a arrumar essas coisas e vamos embora.

ATRIZ – Nem sei o que fazer de mim se a gente não passar por essa banca.

ATOR – Relaxa, moça. Recolha pra mim esses objetos, apague a luz e vamos embora. Além desta banca existe uma ainda mais rigorosa.Tenho certeza que passaremos desta para outra..

 

            A luz cai em resistência à medida em que eles recolhem os objetos. Segundos após o blecaute, dá-se o estrondo de uma grande explosão.

                                                  FIM


Pin It
Atualizado em: Ter 15 Mar 2011

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222