person_outline



search

Amor Em Declínio

Um Amor Em Declínio

Cena 01

Em uma madrugada de sexta-feira, Rhams saindo para trabalhar e ao abrindo o portão da sua residência se depara com uma situação triste, e aí, Rhams volta para casa e acorda seu marido desesperada, que estava dormindo.
Rhams: Amor! Amor, acorda! Rápido! ( Desesperada, começa a balança-lo na cama)
Tristonh: Que foi, amor? Volte a dormir, riqueza! ( Acorda assustado)
Rhams: Você não sabe quem eu acabei de encontrar na rua, toda machucada ... ( Assustada, com a mão em seu peito)
Tristonh: Amor, quando amanhecer você conta! Volte a dormir! ( Com sono)
Rhams: Não, a nossa filha precisa de nós!( Ansiosa)
Tristonh: Não se preocupe, ela está dormindo no quarto dela!( Tranquilo)
Rhams: Tem certeza disso? ( Aflita)
Tristonh: Claro que tenho! Quando cheguei, fui lá no quarto dela e vi ela dormindo! ( Tranquilo)
Rhams: Se você está com tanta certeza de que ela está dormindo vá ao quarto dela e veja, aproveite e tire suas conclusões. Nunca pensei que você ia duvidar das minhas palavras ... ( Nervosa)
Tristonh: Calma amor, eu não estou duvidando de você. Eu vou lá com você! ( Tentando acalma-la)
Rhams: Levanta logo, então! ( Estressada)
Tristonh: Já estou indo! ( Nervoso ( Tinha que tirar o meu sonho logo agora!- Pensamento))
Rhams: Ah meu Deus ... não pode ser! ( Apreensivo)
Tristonh: O quê? ( Curioso)
Rhams: Olha a situação dela ... toda suja e machucada! ( Com dó)
Tristonh: Vamos levar ela para casa. Ajuda aqui, por favor! ( Apreensivo)
Rhams: Não, deixa ela aí, está muito ferida. É melhor ligarmos para o resgate? (Apreensivo)
Tristonh: Deixa que eu ligo. Fica aí com ele! ( Com medo)
Rhams: Tá bom! ( Com dó)
Tristonh: Alô! É do resgate? ( Apreensivo)
Flomena: É sim! Em que posso ajudar? ( Relaxada)
Tristonh: Ocorreu um acidente com minha filha na rua e ele está todo machucado, preciso que venha até aqui! ( Apreensivo)
Flomena: Onde foi o local do ocorrido? ( Com pressa)
Tristonh: Na rua das Perobas, sou pai da vítima! ( Apreensivo)
Flomema: A unidade já está à caminho! ( Mais calma)
Tristonh: Muito obrigado! Estamos esperando! ( Se acalmando)
Sophia: Onde estou? Quem são vocês ... Me deixam em paz! ( Confusa- machucada)
Rhams: Calma filha! É a mãe! Ninguém vai te fazer mal! ( Tentando acalma- Assustada)
Sophia: Me solta, preciso ir embora! ( Indefesa)
Rhams: Não, não vai filha! Fique aqui com a mamãe! ( Tentando acalma-la)
Sophia: Não te conheço, solte-me! ( Apreensiva)
Tristonh: Amor, eles chegaram! ( Aliviado)
Rhams: Que bom. Meu Deus ajude a minha filha! ( Aliviada)
Flomena: A senhora sabe o que aconteceu? ( Com dúvida)
Rhams: Não! Eu só vi ela nessa situação quando eu sai para trabalhar! ( Afirmava olhando para ela)
Flomena: A senhora sabe me dizer se ela tem inimigos? ( Com dúvida)
Rhams: Ela tinha uns amigos que não gostava dela! ( Afirma, com certeza)
Flomena: A senhora sabe me dizer se ela tem algum vício? ( Com dúvida)
Rhams: Sim. Crack! ( Afirma, com certeza)
Flomena: Só Crack? ( Com dúvida)
Rhams: Sim! ( Afirma, com certeza)
Mendoça: Tudo pronto! ( Afirma, determinado)
Flomena: Os dois vão acompanhar? ( Com dúvida e pouco receoso, com medo de não ser inconveniente)
Rhams: Amor deixa eu vou! ( Afirma, determinada)
Tristonh: Tá bom, razão! Pode deixar que cuido de tudo aqui e se precisar de algo pode pedir que eu levo! ( Tranquilizando)
Rhams: Qualquer novidade eu ligo aqui! ( afirma determinada)
Tristonh: Tá bom! ( Calmo)
Chegando no hospital.
Flomena: Enquanto eu vou levando o paciente para a sala de cirurgia, chame o médico e fale que é emergência! ( Agitado)
Medonça: Tá bom! ( Agitado)
Waldomirolock: Opa, amigo! Tudo bom? ( Tranquilo)
Medonça: Tudo ótimo! Tem um paciente te esperando na sala de emergência que acabou de chegar no hospital! ( Com pressa)
Waldomirolock: Vamos lá! ( Agitado)
Quando chegaram no corredor que dá acesso a cirurgia, Rhams vê eles chegando e aí, ela já pergunta:
Rhams: Senhor ela vai ficar bem? Ela é tudo para mim e meu marido! ( Com medo)
Waldomirolock: Nós, médicos, faremos o possível e tudo que houver em nosso alcance para ajuda-los e tenha fé porque nada é possível contra a vontade do cara lá de cima, a morada da perfeição e ele não vai permitir que sua perfeição se estrague, OK? ( Sendo positivo, para elevar a autoestima da Rhams)
Rhams: OK! ( Tranquila)
Waldomirolock: A senhora é o que dela? ( Com dúvida)
Rhams: Mãe! ( Afirmando)
Waldomirolock: O senhora pode me acompanhar, enquanto que a equipe vai preparando a sala de cirurgia? ( Com dúvida)
Rhams: Aí meu Deus, proteja a minha filha não permita que nada aconteça com ela e tire a sua alegria de viver e de sorrir por favor, faça de tudo e proteja o quanto puder essa alma tão dócil, que satisfaz toda a nossa alegria! ( Afirma)
Waldomirolock: Pode ficar tranquila, confie em nossa equipe porque vai dar tudo certo. Te dou a minha palavra em nome de todo esse corpo médico desse hospital! ( Tranquilizando)
Rhams: Faça o possível, por favor, entrego a vida da minha preciosidade em suas mãos! ( Solicitando)
Waldomirolock: A sua filha tem algum tipo de alergia, algum remédio ou à algum alimento? ( Dúvida)
Rhams: Tem não senhor! ( Afirma)
Waldomirolock: Tudo bem! A senhora poderia esperar na recepção do hospital? ( Com dúvida)
Rhams: Posso sim! ( Afirma)
Waldomirolock: Obrigado! ( Agradecendo)
Rhams: Só não esqueça de avisar! ( Avisa)
Waldomirolock: Pode deixar! ( Avisa)
Duas horas depois:
Waldomirolock: Dona Rhams, a senhora é mãe da paciente Sophia? ( Com dúvida)
Rhams: Sou sim, ela está bem? ( Afirma, depois pergunta)
Waldomirolock: A cirurgia foi bem delicada e ela está respirando por aparelhos, e ... ( Com receio)
Rhams: Fala, doutor! ( Afirma, solicitando)
Waldomirolock: Esperamos, sinceramente, que quando ela acorde ... recupere seus movimentos! (Afirma com esperança)
Rhams: Ela corre risco de ficar paraplégica? ( Aflita)
Waldomirolock: Esperamos que não, fizemos de tudo para que ela não se fosse porque ela perdeu muito sangue, mas corre esse risco, só iremos ter certeza quando ela acordar!
Rhams: Aí meu Deus ... ( De repente o celular toca)
Tristonh: Oi amor, por que está chorando? O que que deu aí?
Rhams: Ela teve que fazer cirurgia e foi meia delicada, ela corre risco de ficar os movimentos do pescoço até o pé!
Tristonh: Ah não! O que vai ser da nossa vida agora?
Rhams: Não sei, espere eu chegar em casa para nós conversarmos, vou pegar umas coisas porque provavelmente a nossa filha vai ter que ficar aqui até voltar andar! ( Negando e solicitando)
Tristonh: Tá bom, amor! ( Concordando)
Rhams: Até daqui a pouco, amor! ( Se despedindo)
Tristonh: Até, minha riqueza! ( Eles desligam o telefone)
Rhams: Amor tenho que te contar uma coisa! ( Apreensiva)
Tristonh: O quê? ( Curiosa)
Rhams: Fui mandada embora do serviço por telefone! ( Afirma)
Tristonh: Nossa que absurdo, amor. Quando você chegar aqui nós conversamos sobre o que faremos agora! ( Preocupado)
Rhams: Tá bom! ( Concordando)
Logo depois:
Amarildo: Olá, tudo bom? Bom dia! Onde a senhora está? Não devia estar aqui trabalhando? ( Curioso)
Rhams: Tudo péssimo e o senhor? Estou no hospital com minha filha! ( Triste)
Amarildo: Era para a senhora estar aqui, porque não ligou? Se não estar aqui daqui dez minutos, já pode se considerar despedida! ( Afirmando)
Rhams: Sinto muito mas eu não posso deixar a minha filha aqui sozinha, ela precisa de mim mais do que nunca e se for assim eu me demito! ( Triste)
Amarildo: Se prefere assim, já pode-se considerar-se despedida! ( Determinada)
Rhams: Tchau! ( Se despedindo)
Amarildo: Não esqueça de passar aqui para acertar a sua conta! ( Lembrando)
Rhams: O senhor pode ter certeza que me verá aí pela última vez! ( Afirma)
Amarildo: Assim espero! ( Com esperança)
Rhams: Pode ter certeza. Preciso ir, tchau! ( Se despedindo)
Amarildo: Tchau! ( Se despedindo)
Rhams: Médico, o senhor sabe o período de tempo que ela vai ficar internada? ( Pergunta preocupada)
Waldomirolock: Não sei, infelizmente, traga roupas para um mês! ( Negando)
Rhams: Tudo bem! Obrigado por tudo, doutor! ( Agradecendo)
Waldomirolock: Imagina, não tem coisa melhor do que salvar vidas e sentir o gosto doce da felicidade junto com todo mundo! ( Negando)
Rhams: Deixa eu ir lá, então! ( Pedindo)
Waldomirolock: Até mais tarde! ( Se despedindo)
Rhams: Até! ( Se despedindo)
No caminho ...
Lockivisk: Pode me conceder uma carona?
Rhams: Quem é você, nem te conheço?
Lockivisc: Jura?
Rhams: Juro!
Lockivisc: Olha direito!
Rhams: Não me lembro!
Lockivisc: Jura mesmo, ah que pecado não lembrar daquelas noites quentes debaixo do edredon ... as faíscas que saia de nós dois com o fogo do nosso amor!
Cena 2
Rhams: Você pode me dar licença, por favor, estou com pressa?
Lockivisc: Não. Espera um minuto, me desculpe a invasão mas escutei um pouco da conversa, você foi mandada embora?
Rhams: Não é da sua conta!
Lockivisc: Claro que é! Você é a mãe da minha filha, fruto desse nosso amor mais quente que o sol e o fogo!
Rhams: Lock?
Lockivisc: Nossa, até que em fim. Pensei que já tinha me dispensado completamente da sua vida, pode me contar o que está acontecendo?
Rhams: Porque voltou, quer fazer da minha vida um inferno, qual é seu desejo, quer me humilhar de novo, me fazer sentir uma medíocre e uma pessoa nojenta? Pelo amor de Deus me deixe em paz pelo amor de Deus! Por que voltou?
Lockivisc: Porque senti muita falta do seu coração sendo acariciado pelo meu, saudade da sua delicadeza e da sua simplicidade!
Rhams: Você não gosta de mim, nunca gostou e nunca gostará porque estou em outro a gente deu super certo e nós ainda temos muito sabor doce para sentir do fruto do nosso amor, não vai ser você que vai destruir tudo!
Lockivisc: Ah não, tem certeza?
Rhams: Tenho!
Lockvisc: Absoluta?
Rhams: Sim!
Lockivisc: Vem comigo!
Rhams: Para onde?
Lockivisc: Quando chegarmos lá, você verá!
Rhams: Aí meu Deus! Não estou gostando nada desse silêncio?
Lockivisc: Acho você vai gostar de lá!
Rhams: Lá, lá onde? Você quer me levar? Me solta, não posso ir!
Lockivisc: Entra nesse carro!
Rhams: Só se me dizer onde vamos! ( Tenta fazer um acordo)
Lockivisc: Entra logo! ( Com pressa)
Rhams: Calma, não me machuque! Socorro! ( Desesperada)
Lockivisc: Entra aí logo, anda! ( Com pressa)
Rhams: Pronto! O que mais quer de mim? Preciso ir embora! ( Com pressa)
Lockivisc: Eu tenho uma solução para todos os seus problemas! ( Afirma)
Rhams: Ah é? Qual? ( Pergunta)
Lockivisc: Tenho sim. Volta para casa comigo, devolva a minha felicidade! ( Com raiva)
Rhams: Não, não vou! Me deixa embora! ( Negando)
Lockivisc: Primeiro você vai primeiro me acompanhar em uma taça de champanhe! ( Ajudando)
Rhams: Tá bom, mas tenho que ser rápida! ( Concorda)
Lockivisc: Então entra aí no carro, por favor! ( Solicitando)
Rhams: Onde vamos? ( Perguntando)
Lockivisc: Vamos em um restaurante, tenho uma coisa para te propor! ( Pedindo)
Rhams: Vamos logo, então! ( Com pressa)
Lockivisc: OK! ( Concorda)
Minutos depois:
Rakel: Posso ajudar? ( Pergunta)
Lockivisc: Veja para nós, duas taças de champanha, por favor! ( Pedi)
Rakel: Claro! Mais alguma coisa? ( Afirma, e pergunta)
Lockivisc: Não. Muito obrigado! Sente-se! ( Faz o pedido)
Rhams: Obrigada! ( Agradece)
Lockivisc: De nada!
Rakel: Aqui está senhor, junto com a conta! ( Conta)
Lockivisc: Obrigado! Bom, vamos direto ao ponto, você tem duas opções para escolher. Você fala para o seu marido que aquela menina é minha filha e volta para mim, senão você sofrerá as consequências! ( Ameaçando)
Rakel: E que consequências são essas? Eu não te amo mais! ( Com coragem, nega)
Lockivisc: Vou lhe dar um emprego, mas não é qualquer um não, venha trabalhar na minha casa de shows! ( Com pena)
Rhams: O que vou fazer lá? ( Pergunta)
Lockivisc: Quero te ver na cama junto com os clientes em troca disso lhe dou uma grande quantidade de dinheiro para você pagar o médico para nossa filha, senão vou ter que abrir o jogo pro seu marido e aposto que ele não gostará nada disso, ou vai ... ( disposto)
Rhams: Tá bom, se for pela minha filha topo tudo! ( Feliz)
Lockivisc: Ótimo! ( Feliz)
Rhams: Aonde é essa casa de shows? ( Curioso)
Lockivisc: Fica na Avenida Principal, é uma casa de esquina! ( Afirma)
Rhams: Que horas? ( Curiosa)
Lockivisc: 19 horas! ( Confirma)
Rhams: Tá bom! Estarei lá. Pode contar com minha presença! ( Confirma)
Lockivisc: OK! Lembra sempre das consequências antes de pensar em me abandonar! ( Afirma)
Rhams: Tá bom. Agora preciso ir, até mais! ( Afirma)
Lockivisc: Não, espera! Eu te levo! ( Determinado)
Rhams: Não preciso de carona! ( Afirma)
Lockivisc: Então eu vou contar para àquele, seu marido que ele sempre foi traído! ( Ameaça)
Rhams: Tá bom. Eu vou! ( Determinada)
Lockivisc: Então chame o garçom para eu pagar e deixar um cachê para ele! ( Solicitando)
Rhams: Tá bom! ( Concorda)
Remiltonw: Posso ajudar, senhora? ( Curioso)
Rhams: Quero fazer o pagamento! ( Afirma)
Remiltonw: Em qual mesa está sentada? ( Pergunta curioso)
Rhams: Logo ali! ( Indicando)
Remiltonw: OK! ( Concorda)
Rhams: Pronto! ( Voltou a mesa)
Remiltonw: Tá bom! ( Concorda)
De repente, o celular de Rhams toca.
Tristonh: Aonde você está, amor? Caramba que demora para chegar em casa. Você esqueceu que precisa estar lá no hospital quando nossa filha acordar? ( Curiosa)
Rhams: Já estou indo, amor! ( Se despedindo)
Tristonh: Tá bom! ( Aceitando)
Rhams: Tchau, amor! ( Se despedindo)
Tristonh: Até mais! ( Se despedindo)
Rhams: Viu o que você me fez, seu canastrão? ( Com raiva)
Lockivisc: Canastrão que você ama de paixão! ( Afirma com certeza)
Rhams: Dá onde tirou isso? Amei, mas não amo mais! ( inconformada)
Lockivisc: Admita! ( Tentando convence-la)
Rhams: Me deixa em paz, não me perturbe! Até mais! ( Determinada)
Lockivisc: Você ainda voltará a me amar? ( Com esperança)
Rhams: Só se for no dia do são nunca! ( Afirma com nojo)
Minutos depois. No telefone:
Tristonh: Amor? ( Curioso)
Rhams: Oi razão do meu viver, tudo bem? ( Curiosa)
Tristonh: Agora sim e você? Onde você estava e com quem estava? ( Preocupado)
Rhams: Ãh, como assim? Você agora se deu para ficar ciumento? ( Surpreso)
Tristonh: Não, não é ciúmes, é cuidado. Amo você! ( Afirma com certeza)
Rhams: Que lindo. Amor tenho uma coisa muito boa para você? ( Empolgada)
Tristonh: Ah conta logo, então querida! ( Curioso)
Rhams: Arrumei um emprego? ( Feliz e ao mesmo tempo surpreso)
Tristonh: Como? De quê? ( Surpreso)
Rhams: Como cozinheira em um restaurante, irei trabalhar de noite! ( Mentiu, tentando esconder)
Tristonh: Aonde? ( Curioso)
Rhams: Na avenida principal! ( Responde)
Tristonh: Tá bom. Você não tem que voltar para o hospital? ( Curioso)
Rhams: Sim, mas ainda tenho que pegar uma roupa para nossa filha, ela ficará internada! ( Afirma)
Tristonh: Já imaginava. As coisas dela já está pronta! ( Decepcionado)
Rhams: Aí não sei o que seria da minha vida sem você, muito obrigado! Te amo! ( Afirma com um sorriso)
Tristonh: Também te amo, princesa! ( Afirma, feliz)
Rhams: Aí meu Deus, olha a hora! Deixe-me ir! ( Com pressa, atrasada)
Tristonh: Tá bom!
Rhams: Até mais tarde!
Tristonh: Até mais tarde, minha rainha!
Rhams: Você não quer me levar, não? ( Pergunta decepcionada)
Tristonh: Opa claro, porque não levaria? ( Curioso)
Rhams: Porque você me ama! ( Afirma)
Tristonh: Ah convencida!
Rhams: Vamos logo! ( Com pressa)
Tristonh: Não está esquecendo de nada? ( Pergunta)
Rhams: Não! ( Nega)
Tristonh: Vamos logo, então! ( Empolgado)

Cena 03
Chegando lá:
Sophia: Vocês ... ( Fraca)
Rhams: É a mamãe, meu amor! ( Emocionada)
Tristonh: Isso é normal, doutor? ( Preocupado)
Waldomirolock: Demora um pouco, mas fiquem tranquilos. Ela vai ficar bem, pode confiar!
Rhams: Estamos confiando, né amor? ( Confiante)
Tristonh: Sim, nós temos confiança em você e em sua equipe e nós somos muito grato a vocês! A nossa preocupação agora, é para consegui pagar, a minha esposa foi mandada embora e só o meu trabalho é o suficiente para garantir o sustento e o bem-estar da minha família. Amor nós vamos ter que voltar para a roça, até que conseguimos nos reabilitarmos!
Rhams: Calma amor, vai dar tudo certo, você vai ver. Estaremos juntos independente de qualquer coisa, meu Principe! ( Tentando acalma-lo)
Tristonh: Obrigado por esses presentes divinos, meu Deus! ( Emocionado)
Waldomirolock: O que vocês trouxeram? ( Pergunta curioso)
Rhams: Algumas peças de roupas! ( Responde)
Waldomirolock: Vocês querem falar com ela? ( Pergunta apontando para a paciente na cama)
Tristonh: Sim, querer fazer com que ela pense que ela não está sozinha nessa e que nós estamos aqui para dar-lhe bastante força! ( Afirmando determinando)
Rhams: Filha quero que saiba que você nunca estará sozinha porque estamos juntos para enfrentar qualquer coisa! ( Afirma determinada)
Waldomirolock: Só peço a vocês que sejam rápidos porque ela fará uns exames agora e ela não estar muito agitada emocionalmente! ( Consciente do que fala)
Tristonh: Tá bom. As roupas dela está aí! ( Afirma apontando para a roupa em uma mala)
Waldomirolock: Tá bom! ( Afirma)
1 mês depois eles voltam ao hospital para vê-la e ...
Rhams: Oi, tudo bem? Eu vim ver nossa filha? ( Afirma)
GloriaMilla: Internada aqui, qual é o nome dela? ( Afirma e Pergunta)
Rhams: Sim, o nome dela é Sophia Clementino Lopez! ( Afirma com saudades)
GloriaMilla: Ela já foi para casa! ( Afirma)
Rhams: Ãh, como assim? Não estou acreditando que vocês irresponsáveis deixaram a minha filha sair sem mais e menos! Como pode uma coisa dessas? ( Preocupada)
GloriaMilla: Aqui no sistema está como se ela já está de alta! ( Calma e clara)
Rhams: Quem deu alta para ela? Quem veio busca-la? Vocês ligaram para quem, seus irresponsáveis? Onde está, o cirurgião Waldomirolock? Exijo uma explicação convincente, se não deixarei o hospital com uma divida enorme que nem ele vai poder pagar, só se ocorrer um milagre, coisa que o hospital não faz, podem nos dar todo dinheiro do mundo mas isso não vai tirar o vazio do buraco que vocês deixaram em nossos corações. Nos vemos no julgamento da sua e todos aqui dentro, espero que isso sirva de lição, não porque somos pobres que não temos que ter as mesmas regalias que as pessoas ricas que pagam para ser atendidos aqui. Nada e nem ninguém vai substituir a minha filha que pode ter o defeito que tiver que, nos como pais dela, nunca vamos abandonar ... maltratar ... ou tratar com indifereça. Vocês com falta de profissionalismo feriram uma família inteira! ( Inconformada)
De repente, o celular de Rhams toca:
Rhams: Quem é? ( Curiosa)
Soplia: Mãe ... Você está sozinha? ( Insegura)
Rhams: Filha onde você, meu amor? ( Preocupada)
Lockivisc: Oi amor, tudo bem? ( Sendo síndico)
Rhams: O que você quer de mim? ( Pergunta com medo)
Lockivisc: Quero você de volta, quero seu amor para blindar meu coração de qualquer inveja e o sabor doce do nosso amor! ( Obcecado pelo amor doentio que usufrui do seu coração)
Rhams: Que amor? Não sinto mais nada por você! O que você fez com a minha filha? ( Nervosa)
Lockivisc: Nossa filha! ( Corrigindo-a)
Rhams: Eu quero a minha filha! Onde você está com ela? Se não me trazer ela de volta eu vou te denunciar! ( Determinada)
Lockivisc: Então denuncie! Só vou entrega-la quando você voltar para mim! ( Com coragem)
Rhams: Aonde você está? Eu vou te encontrar, é só falar... ( Com medo)
Lockivisc: Não, melhor não. É melhor eu ir te buscar! ( Determinado)
Rhams: Não precisa. Muito obrigado! ( Desligou o telefone, desanimada)
Voltando para casa, ela liga para o seu marido.
Rhams: Amor ... ( Triste) Voltando para casa de ônibus)
Tristonh: Oi, tudo bem? Aonde você está, amor?
Rhams: Amor, você não sabe o que aconteceu! ( Triste e aflita)
Tristonh: O que aconteceu, é alguma coisa com a nossa filha? fala logo, esta me deixando aflito! ( Aflito e preocupado, em sua casa)
Rhams: Ah nada não, Tonh! ( Tentando esconder o que havia acontecido, com calma, pelo telefone)
Tristonh: Tem certeza? Você me parece preocupada! ( Tentando fazer com que ela fale o ocorrido pelo telefone)
Rhams: A nossa filha sumiu do hospital! ( Chorando, triste)
Tristonh: O que, como assim? ( Preocupado)
Rhams: A nossa filha sumiu! ( Triste e chorando)
Tristonh: Mas como, e como o doutor se posicionou diante da situação desagradável? Já fez a queixa na delegacia? ( Desesperado)
Rhams: Não, ainda não, temos que esperar 24 horas de desaparecimento. Me espera chegar que nós terminamos de conversar, já estou chegando! ( Um pouco nervosa)
Tristonh: Tá bom. Chega logo! ( Apreensivo)
Rhams: Estou perto! ( Normal)
Tristonh: Tá bom! Venha porque se deparará com uma surpresa! ( Ar de suspense e mistério)
Rhams: Ai meu pai, o que você está aprontando? ( Com curiosidade)
Tristonh: Não sei quando você chegar, vai ver! ( Encorajando)
Rhams: Tá bom! ( Desliga o telefone) Motorista, você pode por favor, poderia parar no próximo? ( Aliviada)
Amiltonasras: Posso sim! Pronto!
Rhams: Obrigada! ( Aliviada)
Amiltonasras: De nada! ( Tranquilo, mas cansado. Parou com o ônibus no ponto em frente a casa da Rhams, pura conhecidencia)
Rhams: Amor, cheguei! Onde você está? ( Procurando-o pela sala da sua casa)
Tristonh: Oi querida, estou aqui na cozinha! Está com fome? ( Esperando-a na cozinha)
Rhams: Sim, muita fome! ( Aspira, cansada)
Tristonh: Então venha comer. Hoje temos Macarrão ao molho! ( Chamando-a para ir até a cozinha para ver o que fez para ela, que foi a comida)
Rhams: Que delícia! Vou trabalhar e vou deixar o meu celular aqui e fica atento se tocar porque vou trabalhar, hoje é meu primeiro dia e não posso faltar, deixaria uma falta de profissionalismo! ( Entusiasmada com o novo serviço)
Tristonh: Concordo, amor! ( Concordando com sua esposa)
Rhams: Eu vou só comer, porque estou atrasada! ( Afirma entusiasmada com o novo serviço mas ao mesmo tempo preocupada com a filha)
Tristonh: Já está no prato, a comida! ( Afirma)
Rhams: Obrigado, amor! ( Agradece, triste)
Tristonh: De nada!
Logo depois de comer, Rhams toma seu banho e sai ao trabalho. Ao chegar ao trabalho, vai até o escritório e pergunta ao Lockivisc dá sua filha.
Rhams: O que fez com a minha filha? Onde ela está? ( Nervosa)
Lockivisc: Nossa filha quis dizer né? Você não chega assim na casa dos outros né? Me cumprimenta pelo menos. Vamos deixar uma boa impressão para a nossa filha! ( Sendo cínico)
Rhams: Ela não merece um pai como você, sem coração, compaixão e sem o simples afeto pela filha! ( Triste)
Lockivisc: Como não? Ela está com a gente! ( Afirma)
Rhams: Onde ela está? ( Com saudades)
Lockivisc: Dentro do quarto! ( Afirma, com certeza)
Rhams: Fazendo? ( Suspeitando de algo que ele tenha feito com ela)
Lockivisc: Dormindo, mas a minha vontade era faze-la trabalhar! ( Afirma, com certeza)
Rhams: Como você pode dizer isso? Você não está pensando em colocá-la para trabalhar aqui, né ainda mais como ela está? ( Pergunta desconfiando)
Lockivisck: Direitos iguais para todos porque depois que nós morrermos, o que vai ser da vida dela se depender somente de nós dois, já tem que começar cedo para ganhar experiência e ... ( Bravo)
Rhams: Como você quer que ela trabalhe na situação que ela está? ( Raiva)
Lockivisck: Ela está assim por sua causa! ( Bravo)
Rhams: O quê? Não acredito que eu ouvi isso! Deixa eu ir trabalhar que eu ganho mais! ( Inconformado)
Lockivisck: Aonde você pensa que vai? ( Bravo)

Cena 4
Rhams: Voltar para onde eu não deveria sair, e vou levar a minha filha comigo! ( Predestinada)
Lockivisck: É o que vamos ver! ( Gozando com sua cara)
Rhams: Você não me força ficar trancafiada aqui, muito menos minha filha que não merece o pai que tem! ( Diz com coragem)
Lockivisck: O quê? Repeti por favor! ( Inconformado)
Rhams: Não se atreva a me bater, antes de tocar em mim pense mil vezes. Você ainda vai se dar mal se continuar com isso, por que não deixa eu e minha filha ir embora? ( Brava)
Lockivisc: Não, a minha filha não vai. Ela fica comigo! ( Colocando autoridade)
Rhams: Só por cima do meu cadáver, isso é o que vamos ver! Se não me liberarmos eu vou fazer o terror, vou fazer você se arrepender amargamente! Você pode me emprestar seu telefone? ( Declarando guerra)
Lockivisck: Claro que não, pirou? ( Não acreditando)
Rhams: Se não me emprestar eu pego o telefone da minha filha! ( Ameaça)
Lockivisck: Pega! ( Encarando-a)
Rhams: Meu Deus, não acredito! ( Inconformado com que diz)
Lockivisck: O quê? ( Curioso)
Rhams: Olha aqui! ( Pediu)
Lockivisck: Meu pai ...
Rhams: Vou acordar ela agora e pedir uma explicação. Isso é um golpe contra as regras divinas do ser humano!
Sophia: Mãe? Onde você está?
Rhams: Filha onde você está? Fala para a mãe!
Sophia: Me tira daqui, mãe! Me leva embora com você daqui! ( No quarto, gritou)
Rhams: Filha já estou indo! Aonde você colocou a minha filha, solta ela, agora, estou mandando. Para de ser falso, para de ser tão cruel, para de fazer mal a ela, você não gosta da sua filha, não quer ter ela para sempre ao seu lado? Você ainda não percebeu que você fazendo isso está fazendo muito mal para sua própria filha? Desse jeito você vai acabar magoando-a e esgotando com as suas esperanças de se dar bem com ela, você mesmo vai estar cavando a sua cova para poder, pelo menos enterrar o que esse declínio de amor, falsidade da sua felicidade que na verdade não existe e nunca existiu, então pare com isso e...
Lockivisck: Terminou?
Rhams: Sim!
Lockivisck: Ufa, ninguém merece ficar ouvindo essa voz de cobra com tanto veneno, ela é minha filha e ela vai ter que gostar de mim do jeito que sou e vai vir morar comigo, já pensou nós três juntos, novamente?
Rhams: Já mais! Nem se você fosse o último homem dessa terra, iria preferir morrer sozinha e criar a minha filha dignamente sem seu alcança para que não polua mais a mente da minha menina linda!
Lockivisck: Isso é o que você diz agora, quero ver daqui um tempo ...
Rhams: Licença, deixa eu ir ver a minha Sophia! ( Nervosa)
Lockivisck: Não!
De repente, alguém bate na porta:
Rhams: Tem alguém batendo na porta!
Lockivisck: Vai atender, o que faz aí parada? Anda! Se não quer voltar para mim tem que ser pelo menos minha empregada!
Rhams: Não tenho obrigação nenhuma!
Lockivisck: Como não, quer ser mandada embora? Vai logo se não for, você nunca vai sair daqui, vai viver para sempre comigo e com sua filha!
Rhams: Quem é? ( Pensamento- Folgado! Meu Deus o que fiz para merecer? Tenha piedade de mim!)
Di Capril: Esse não é o escritório do senhor Lockivisck?
Rhams: É sim! Entra! ( Abre a porta do escritório)
Di Capril: Obrigado!
Lockivisck: Veio busca-la?
Di Capril: Claro!
Rhams: Quem é esse?
Lockvisck: Seja bem-vindo na família! Esse é o namorado da nossa filha!
Rhams: Como? Acho que não escutei direito!
Di Capril: Prazer em te conhecer, moça!
Lockivisck me apresentou a filha de vocês, ela é muito bonita, parabéns!
Rhams: Acho que precisamos ter uma conversa né?
Di Capril: Bom, eu acho que está na minha hora!
Rhams: Não está não. Fique aí, sente-se!
Di Cabral: Não, vou-me embora. Que roubada é essa que você me meteu, senhor Lockivisck!
Lockivisck: Se acalme, rapaz!
Rhams: E você, como pode decidir a vida da nossa filha assim e com que direito?
Lockivisck: Mas sou pai dela, também e assim como você tenho direito de mandar e desmandar nela!
Rhams: Mas não é assim que vai conseguir conquistar o amor da sua filha. Desse jeito você só está complicando ainda mais a sua situação! Você quer ajuda para ajuda?
Lockivisck: Fala para sua filha que eu sou o pai dela e mereço um pouco do seu carinho e do seu amor, e que faço de tudo para ter o amor dela!
Rhams: Eu vou falar com ela, pode deixar!
Lockivisck: Assim espero. Vamos lá falar com ela!
Rhams: Já demoramos para ir lá e acabarmos com isso logo!
Lockivisck: Entre!
Rhams: Obrigado!
Lockivisck: Olha quem chegou!
Rhams: Filha, é a mamãe!
Sophia: Ma, ma ... Mãe! ( Elas se abraçam)
Rhams: Oi filha, você está bem? ( Emocionada) Nós vamos embora daqui e ... eu vou te levar para casa, meu amor. Iremos voltar juntas!
Lockivisck: Você não vai falar para ela, não?
Rhams: Sobre?
Lockivisck: Malandra!
Rhams: E se eu não dizer o que vai fazer?
Lockivisck: Não brinca comigo, porque você pode pagar caro por essa petulância de me encarar com seu escudo de coragem que não te esconde!
Rhams: Você não é homem o bastante para manter sua filha prisioneira aqui, então porque não toma atitude de solta-la com a mesma coragem que te levou a prender ela porque isso sim seria uma atitude de homem, isso que é ser homem de verdade com H maiúsculo e sem exceções, por que você não virá um desses homens?
Lockivisck: Porque estou sem estímulos para viver!
Rhams: E o que é esse estímulo que te faz viver?
Lockivisck: Esse estímulo se resumo em apenas uma palavra, que é o amor!
Rhams: Esse é um amor que não posso, não admito e não quero que o meu coração clamado pela pureza da alma da nossa filha que não permite que o meu coração se entregue assim para cair e se machucar de uma tal forma tenebrosa que nada e ninguém pode fazer algo para melhorar ou cicatrizar porque uma mancha não é que nem uma que se faz em uma peça de roupa que sai tão rápido, essa até muitas vezes não sai mas muitas cicatriza ao poucos, bem devagar nos fazendo sentir a dor e a angústia de tanto desprezo ...
Lockivisck: Prometo que não faço mais nada ... Mas volta para mim trazendo a minha alegria e irradiando a felicidade suprema que coordena meu coração!

Cena 5
Rhams: Não quero, e minha filha não merece um pai como você que não está nem aí para ela ...
Lockivisck: Mas quem disse que não estou nem aí para ela?
Rhams: Exatamente, você não disse que se interessa pelo bem estar dela e só falou em você nesse amor não correspondido que você diz de um modo muito dramático ... Como você pode me afirmar que esse amor é a sua felicidade se a felicidade de seu outro amor é um fruto de um amor que EXISTIA a uns anos atrás que hoje NÃO existe mais por uma das parte, que é a minha, que você fez questão de me trair pelas costas, me abandonando junto com sua filha ainda estava para nascer, por que você fez tudo isso? E por que ainda consegue encontrar coragem para dizer que me ama? Vamos embora, filha! Ah, quase ia me esquecendo, como conseguiu tirar ela da cama, lá no hospital?
Lockivisck sem saber o que falar, fica calado:
Rhams: Não tem problema, eu descubro! Você tem noção do que te espera, andou mexendo com a pessoa errada!
De repente, o celular da Rhams toca. ( Som de suspense)
Lockivisck: Hum vamos ver, é o marido. Já imaginou se ele soubesse de tudo ... ( Solta uma risada diabólica)
Rhams: Não diz nada, faço tudo que quiser!
Lockivisck: Que garantia me dá para conquistar a minha confiança?
Rhams: Pode confiar!
Lockivisck: Está bem. Atende logo isso!
Rhams: Amor?
Tristonh: Onde você está, meu amor? ( De repente, caí a linha do telefone)
Lockivisck: Ficou louca, sonsa? O que está pensando em fazer?
Sophia: Deixa a Minha mãe em paz e você nunca vai ser meu pai!
Lockivisck: Ah, resolveu falar. Que milagre!
Sophia: Ah, não enche! Mãe fala a verdade. Ele é meu pai biológico?
Rhams: Infelizmente sim, filha!
Lockivisck: De quem é aquele carro que parou aí na frente? ( Se virou e foi até a porta e avista um carro normal de passeio que te fez pensar que não seria nada, mas quando virou para retornar ao escritório, ouviu a sirene da polícia)
Policial: Parado aí. O senhor poderia me conceder uma informação?
Lockivisck: Olá, claro!
E aí de repente...
Rhams: Socorro, socorro ... socorro ...
Policial: Tem alguém aí com você, caro rapaz?
Lockivisck: Não tem, não!
Policial: Tem certeza, rapaz?
Lockivisck: Tenho sim, senhor!
Policial: Você não se importaria de nós darmos uma olhada no local, né?
Lockivisck: Claro que não. Pode olhar!
Policial: Obrigado!
Aí um dos dois policiais começa a andar na frente. Lockivisck nervoso pega um bloco e quando ele levantou para golpear a cabeça do policial, o companheiro dele que ia ser golpeado, pega sua arma e aponta ao que ia agredir ele, dizendo.
Policial: Cuidado, amigo! Abaixe esse bloco, não dificulte mais as coisa!
Lockivisck: Não vai ser você quem vai me impedir!
Policial: Por quê? O que pretende fazer?
Lockivisck: Quer mesmo saber?
Policial: Já fique sabendo que você só está dificultando mais as coisas!
Rhams: Por que você é assim? Você não quer que sua filha goste de você?
Lockivisck: Porque você me obriga ser assim! O que está fazendo aqui? Eu não mandei ficar lá dentro e calada?
Rhams: Eu só vem ver o que estava acontecendo porque ninguém merece ficar aprisionada lá dentro!
Lockivisck: Mas você mal chegou!
Policial: Quem é essa moça?
Rhams: Pode deixar que eu me apresento! Eu e minha filha estamos que nem duas bandidas aprisionadas aqui ... Em pensar que eu cheguei a ter filho com esse rapaz infeliz e cruel!
Policial: Era a senhora que estava pedindo socorro?
Rhams: Eu não, mas era a minha filha. Ela é necessitada de alguns cuidados médicos e ele, que sem coração pegou a minha filha do hospital sem a minha permissão e trouxe aqui!
Policial: Como a senhora se chama?
Lockivisck: Cala a boca!
Policial: Deixa ela falar!
Rhams: Meu nome é Rhakiri!
Policial: Rhakiri Machado Souza?
Rhams: Isso mesmo!
Quando o policial desviou a sua atenção para continuar o procedimento do seu trabalho, Lockivisck, como sempre com atrevimento atingiu com o bloco que estava na mão o parceiro do outro policial que estava na frente.
Policial: Onde está a sua filha?
Rhams: No escritório dele, lá nos fundos!
Policial: Vocês podem me acompanhar?
Rhams: Claro!
Quando o outro policial viu, correu até ele, que tentou fugir e prendeu-o.
Policial: Opa por que você fez isso?
Não respondeu. Ficou calado:
Policial: Mas primeiro me ajuda aqui com ele, por favor!
Rhams: Sim!
Dançarina: Moço deixa que eu ajudo ela a coloca-lo no carro!
Policial: Sim, Obrigado. Vou falar com o delegado, só um momento! ( Nextel)
Delegado: Opa amigo, aconteceu alguma coisa?
Policial: Chefe achamos a moça!
Delegado: Que maravilha! Que bom. Elas estão bem?
Policial: Sim. Mas o meu parceiro de trabalho, não!
Delegado: O que aconteceu com ele?
Policial: O meu parceiro de trabalho foi atingido por um bloco e está desacordado. Vou chamar o resgate!
Delegado: Faça o que achar melhor!
Policial: Tudo bem!
Dançarina: Pronto!
Rhams: Deseja mais alguma coisa, policial?
Policial: Só um momento, meninas. Vou deixar o sem vergonha na delegacia e vou leva-lo para um hospital!
Delegado: Não, não se preocupe, vou mandar mais viatura aí e você leva ele para o hospital. Salve o nosso campeão!
Policial: Pode deixar, senhor!
Delegado: Pegue os documentos de todas as pessoas aí presentes e vê se não à alguma irregularidade!
Policial: Pode deixar! Onde você coloca os documentos?
Lockivisck: Logo ali. A chave para abrir o cofre está em cima da mesa!
Policial: Obrigado! ( Ele até a mesa e pega a chave lá em cima, e vai até o cofre que está atrás de um quadro com o retrato de Hitler)
Lockivisck: Achou aí?
Policial: Onde está a licenciatura desse local? Não se encontra aqui!
Quando Lockivisck ia dizer, uma das dançarinas interrompe para jogar tudo no ventilador e dizer.
Dançarina: Estamos aqui contra a nossa vontade própria!
Policial: Como assim? Como você me explica isso?
Lockivisck: Essa garota está ficando louca. Não ligue!
Policial: Continue, garota? Você poderia acompanhar o meu colega na delegacia e contar tudo para ele?
Dançarina: Claro, vou adorar acabar com esse rapaz!
De repente o carro da polícia começa a se aproximar e a sirene da viatura começa a soar nos ouvidos.
Policial: Nossa até que enfim!
O carro encosta na calçada e o policial desce do carro, e começa a se encaminhar para dentro até o colega do trabalho, e diz:
Crôdoaldo: Opa, tudo bom? Onde está o sujeito?
Policial: Tudo nos conformes. Deixa-me ir preciso ir em um hospital logo!
Crôdoaldo: Vai lá, tchau!
Policial: Até mais! ( Saiu com carro em busca de um hospital mais próximo)
Crôdoaldo: Madame, a senhora vai também?
Dançarina: Vou sim, tenho muita coisa sobre nosso trabalho para contar!
Parceiro: Então entre no carro!
Dançarina: Obrigado!
Crôdoaldo: A senhora também!
Rhams: Me ajuda aqui com minha filha. Ela é especial!
Parceiro: Vamos lá! Ela está onde?
Rhams: Ali naquela sala! Filha vamos conseguir ir embora!
Sophia: Viva! Até que em fim colocamos um ponto final nesse pesadelo!
Rhams: Vamos voltar para casa. Graças a Deus!
Sophia: Mãe se eu te perguntar uma coisa, você não vai ficar brava ... né?
Rhams: Depende. Sobre o que é?
Sophia: Confesso, fiquei mexida com que esse rapaz me disse. Isso é verdade, ele é meu pai?
Rhams: É sim, infelizmente!
Sophia: Mas por que mereço um pai tão cruel? Meu pai sabe? Por que ele me abandonou?
Rhams: Calma, filha. Uma coisa de cada vez!
Sophia: Tá bom!
Rhams:Hà muitos anos atrás eu estudava medicina na USP e lá, conheci esse rapaz, que se aparentava ser boa-gente, aí nós chegamos até a casar, fiquei gravida de você e quando eu disse que a cegonha tinha plantado em meu útero uma semente, que ia crescer e seguir todos os mandamentos de Deus. Mas aí quando eu ia contar eu fique meia receosa porque ele me batia, não gente e eu não era amor da vida dele mas aí, tomei coragem e contei tudo para ele, só que ele já estava descontrolado e muito nervoso aí ele foi lá, e começou a bater, e bater com toda a sua força. Depois que comecei a sangrar muito ele parou e fugiu, como eu estava muito nervosa e abalada não consegui pedir socorro, mas um homem apareceu e me viu vegetando em um monte de sangue para todo lado e estava cheio de hematomas na barriga porque ele na verdade, queria que eu te tirasse mas eu não queria e aí esse homem me levou para o hospital e aí, já fui examinada pelos médicos e me disseram que não havia te machucado, aí foi quando fiquei mais tranquila. Esse homem que me ajudou é o seu pai que está em casa preocupado, pai é quem é homem de fazer, cuidar e zelar pelo seu filho e não é aquele faz e tenta matar!
Sophia: E qual era o propósito desse, cara?
Rhams: Fazer com que você gostasse dele!
Sophia: Eu podia até gostar dele mas ele fez isso, agora ele pode ter certeza que não terá meu amor e nem minha admiração e que ganhou uma inimiga mortal porque isso não se faz com um filho!

Pin It
Atualizado em: Dom 13 Abr 2014

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222