person_outline



search

QUE MUSA QUE NADA!

Os antigos invocavam as Musas,
Nós invocamo-nos a nós mesmos.
Não sei se as musas apareciam -
Seria sem dúvida conforme o invocado e a invocação -
Mas sei que nós não aparecemos.
Quantas vezes me tenho debruçado
Sobre o poço que me suponho
E balido "ah" para ouvir um eco,
E não tenho ouvido mais que o visto -
O vago alvor escuro com que a água resplandece
Lá na inutilidade do fundo...
Nenhum eco para mim...
Só vagamente uma cara,
Que deve ser a minha, por não poder ser de outro.
É uma coisa quase invisível,
Exceto como luminosamente vejo
Lá no fundo...
No silêncio e na luz falsa do fundo...

Que Musa!...

Saúdo-te, Álvaro de Campos, pela nitidez do teu pensar!

Estamos sozinhos. Por mais que busquemos companhia, por mais que supliquemos proteção, por mais que desejemos a interferência de musas, deuses, anjos, estrelas, Deus... ou o que quer que seja... para nos realizarmos e realizar nossa obra imaginária, estamos sozinhos.

Nada vem em nosso auxílio, e isso, embora nos aborreça, é-nos perfeitamente explicável - óbvio, até. Ninguém aparece porque não há ninguém para aparecer. Porque estamos sós, no que fazemos. Porque o que fazemos, se quisermos fazer algo, é somente nosso, por isso deve vir inteiramente de nós.

Esse negócio de pedir inspiração a elementos ou instituições além ou aquém de nós mesmos, apenas demonstra a falta da confiança plena em nosso poder de criação, denuncia o medo que temos de fracassar, ao nos debruçarmos sobre o que pretendemos. Sentimo-nos incapazes de fazer, por nossa própria conta, grandes coisas. E gememos a interferência alheia. Quão isso é tolo!

Sejam as musas que os antigos invocavam ou nós mesmos, que tentamos acordar, balindo para dentro do poço que somos, não obtemos resposta alguma. Porque não há resposta alguma a se obter. Porque essa história de buscar inspiração nesse elemento meio mágico, fora de nossa racionalidade, é grossa bobagem.

Se olho para dentro de mim, em busca de algum não-eu que possa me valer, decepciono-me com a constatação - óbvia, repito - de que não há ninguém além de mim mesmo. É minha cara que vejo refletida, no fundo do poço. O poço me diz, enfaticamente, que estou só, que não há companhia no que faço. A razão me prova que, mesmo cercado de gente por todos os lados, embora supostamente assistido por divindades ou figuras metafísicas imaginárias, estou sozinho diante de mim, diante do poço que sou, quando desejo fazer algo. De mim e ninguém mais.

Isso pode, em algum momento, assustar. Tanto que procuro me enganar, buscando alguém para me quebrar essa solidão. Mas sei, se pensar serenamente, que não há ninguém, simplesmente não há ninguém que me venha auxiliar, na difícil tarefa de produzir, expressar, construir, materializar meus pensamentos e/ou sentimentos através do que escrevo e/ou falo.

Estou só e não resisto: muito tenho que viver. Sozinho, porque sem outra opção; e porque termina sendo necessário e bom.

Pin It
Atualizado em: Seg 1 Set 2008

Comentários  

#10 edsontavares 25-10-2009 19:02
Querida... mil perdões pelo longo silêncio; ventos outros me levaram por outros ares e somente agora me trouxeram de volta por aqui, espero que a tempo de agradecer a gentileza do comentário e me penitenciar pela longa ausência.
Concordo plenamente com vc: não precisamos ter alguém para ser alguém; e mais: ter alguém, sem ser alguém antes, não é muito saudável...
Beijo.
#9 edsontavares 25-10-2009 18:58
Estive afastado por um longo tempo deste templo literário... Mais de um ano que não entrava aqui. Agora, de volta, vi seus comentários. Primeiro, me penitencio diante da indelicadeza de deixá-lo falando sozinho; depois, agradeço pelas palavras elogiosas; terceiro, dizer que concordo com o que vc afirma sobre inspiração e solidão, mas há momentos em que não pensamos ou escrevemos muito racionalmente - este foi um deles.
E finalmente, dizer que estou voltando ao site, e, se me for concedida a benesse do perdão pelo afastamento, e se vc ainda estiver por aqui, coloco-me à inteira disposição para conversarmos e trocar idéias.
Grande abraço
#8 BarbieBull® 22-12-2008 22:55
O ser vem antes do ter, assim torna-se desnecessário para ser quem somos ter algo ou alguém, a solidão é excelente quando necessitamos ser mais de nós mesmos, encontrar em nós as respostas, o caminho, os questionamentos e a perdição...Dizem que existe alguém capaz de mudar meu próprio contexto, oras quero que surja, oras quero que não exista.Deve estar relacionado com o fluir melhor estando apaixonada, e tamanho egoísmo na atualidade ainda não permite demonstrar ou compartilhar minha intuição e intensidade ao acaso.
+5 #7 BarbieBull® 22-12-2008 22:55
O ser vem antes do ter, assim torna-se desnecessário para ser quem somos ter algo ou alguém, a solidão é excelente quando necessitamos ser mais de nós mesmos, encontrar em nós as respostas, o caminho, os questionamentos e a perdição...Dizem que existe alguém capaz de mudar meu próprio contexto, oras quero que surja, oras quero que não exista.Deve estar relacionado com o fluir melhor estando apaixonada, e tamanho egoísmo na atualidade ainda não permite demonstrar ou compartilhar minha intuição e intensidade ao acaso.
#6 cleyton 05-12-2008 18:33
Ow cara! Tu não vai mais escrever nada não?
Eu quase desisti, mas manilkara e outros amigos me convenceram a ficar. Agora, vou pedir p ela te convencer a escrever também! :-x
#5 cleyton 05-12-2008 18:33
Ow cara! Tu não vai mais escrever nada não?
Eu quase desisti, mas manilkara e outros amigos me convenceram a ficar. Agora, vou pedir p ela te convencer a escrever também! :-x
#4 cleyton 24-10-2008 18:52
Véi, outra coisa! Não é bom estar só sempre! A solidão é demasiada importante para reflexão, mas tem momentos que estar sozinho não é tão bom assim! E se a gente olhar para o fundo do poço e encontrar uma cara amistosa que não seja a nossa, pode valer a pena
#3 cleyton 24-10-2008 18:52
Véi, outra coisa! Não é bom estar só sempre! A solidão é demasiada importante para reflexão, mas tem momentos que estar sozinho não é tão bom assim! E se a gente olhar para o fundo do poço e encontrar uma cara amistosa que não seja a nossa, pode valer a pena
#2 cleyton 24-10-2008 18:36
Cara,

Tu é muito bom! Escreve bem demais! Só não concordo no caso de não se ter uma inspiração poética vinda de outra pessoa. Acho que isso é imprescindível, independente de ser a musa (homem, mulher, animal, objeto, etc...) Mas Valeu!
#1 cleyton 24-10-2008 18:36
Cara,

Tu é muito bom! Escreve bem demais! Só não concordo no caso de não se ter uma inspiração poética vinda de outra pessoa. Acho que isso é imprescindível, independente de ser a musa (homem, mulher, animal, objeto, etc...) Mas Valeu!

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222