person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

O banho do beija-flor

– Sua câmera tem Zoom?

– Claro! Qualquer uma tem.

– Ótimo! Então prepara, pois quero fotografar bem de pertinho o momento em que o beija-flor entrar debaixo da água.

– Como? Qual água?

– É que todas as manhãs eu finjo que estou aguando o jardim e ele vem e se esbalda no jato da mangueira.

– Legal! Vou buscar a câmera.

– Corre, pois ele já está perto da jabuticabeira. Huhuu! Vem gracinha refrescar na chuvinha da mamãe.

– Cadê ele?

– Acho que se assustou. Tem que chegar devagarinho. É só esperar que ele volta.

– Tomara! Com esse falta de água e o racionamento iminente, eu me sinto meio desconfortável em ver esse esguicho jorrando, enquanto o colibri não muda de ideia.

– Lá vem você cortar meu barato. Estou aqui feliz, curtindo um momento romântico e você joga uma ducha de água fria.

– Eu não! Quem está desperdiçando água aqui é você!

– Tá bom! Some daqui com essa máquina que eu vou fechar o registro. Vocês homens são umas pedreiras insensíveis!

– Mas meu amor!! O que vão pensar os vizinhos?

– Cinco minutos de água jorrando não secam o Cantareira..... Já a sua  frieza é que me desaponta.

– OK! Abre o registro que eu tiro a foto.

– Agora é tarde. Ele já foi embora e levou junto o meu humor. Dá vontade de pedir divórcio.

– Quer dizer então que São Pedro atrasa a chuva, o governo não administra bem os recursos hídricos, o folgadão do beija-flor fica sem banho e eu quem paga o pato?

– Sem comentários!!!

– Meu bem! Não vamos fazer tempestade com uma mangueira d’água. Dá um sorriso, vai! Olha o passarinho!!!!

– Click!

Moral da história: Aprenda com os políticos; só use a palavra “racionamento” em condições extremas.

Pin It
Atualizado em: Qua 12 Nov 2014

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222