person_outline



search

"A Chuva"

Álef

A chuva está a correr lá fora, através dos telhados, calçadas, valados, fortemente!

Ela ablui de uma forma impetuosa, as ruas, sem deixar rastros de suas pegadas.

Enquanto estou aqui dentro à observa-la, neste quarto vazio e solitário.

Cheio de lembranças e abarrotado de pensamentos.


Bêt

Bom ser-me-ia, estar ao lado de minha amada, à contemplar essa bela vista,

Esta exuberante imagem, que daqui de dentro sozinho estou à fitá-la.

Enquanto a chuva cai, enquanto ela derrama-se em cima de nós.

Eu estou também à derramar, lágrimas incessantes por alguém que se foi...

 

Guimel

...Gotas caem do céu, transbordam como um manancial, à inundar vós outros.

Do meu rosto, pálido, inexpressivo e desfalecido gotas também estão à cair.

Quisera eu agora estar em meio a esta chuva, sim! Esta que está à cair do céu.

Para que lava-se me a alma contristada, escondendo-me a expressão facial.

 

Dalet

Densas nuvens vestem o céu, dando-o um contrastante tom de cinza escurecido.

Um tom que pinta perfeitamente a imagem interior do meu ser agora.

Faltar-me-á, muitas cores interiormente, até que cesse esta sensação,

E chegue um novo dia, ao nascer de um sol brilhante e reluzente!

 

He

Harmonizar essa grandiosíssima e linda chuva, com o meu sentimento perene

É algo descomunalmente impossível! as duas composições são distintas entre si.

Quanto tempo ainda, irei eu estar neste quarto? Neste exílio?

Melhor ser-me-ia lá fora, onde não há prisões e nem grilões.

 

Vav

Visto que é apenas mais uma chuva, é como se não fosse...

...Pois a intensidade que ela está à cair, faz-me percebê-la e senti-la em mim.

Tão perceptível é para mim seu fluir nas frestas deste quarto, assolado pelo tempo.

Sim! o mesmo tempo que o martirizou, a mim o mesmo quer fazer.


Zayin

Zombas e escarneces de mim! A fim de trancafiar-me.

Encarcerando-me em profundos! e ásperos! sentimentos diversos.

Sim! sentimentos indescritíveis, o tempo tem me aprisionado.

Eu sinto que a mesma chuva lá fora é a mesma aqui dentro...


Het

Hermeneuticamente interpretável é a minha solidão e dor.

Ao ler-se as linhas de um verso escrito dentro do meu olhar,

Traspassando a mensagem que está oculta e encarcerada no meu interior.

Eu começo a compreender a tristeza dessa fria e grossa chuva...


Tet

Tateando-a eu posso compreendê-la, assim como tateio os meus sentimentos.

Tocando-a eu consigo senti-la, e encontrar nela algo que também está em mim.

É tangível, o aspecto solitário de cada gota caindo e ao chegar ao chão desfazendo-se...

...Assim é meus sentimentos caindo no chão, logo após mais uma decepção.


Yod

Idiossincrasia peculiar é esta minha, que provém de outrora, alhures de fato,

Sensitiva, de qual forma mostra-me por um método mais expressivo, aquilo

Que estou à observar, assim como essa chuva que não cessa de cair, que não

Para de se derramar e constantemente me faz remoer, sentir, perquirir.


Kaf

Congruente e indivisível, é a aparência que me traz à memória essa chuva.

Ao lembrar-me das minhas sensações, justapostas as várias moléculas dessa chuva

Ainda ontem, eu me achara aqui neste lugar vazio, frio, sem nenhuma formosura.

Todavia é o mesmo quarto, que me serviu de palco, para tantas alegrias.


Lâmed

Lodoso está agora o chão, enlameado está agora o meu cenário,

O mesmo que até anteontem, estava opimo de prazeres, alegrias imaculados.

Eu sinto que lá fora, não difere daqui de dentro, meu recôndito sentimento.

Que está entrementes a essas situação e circunstância, que causa repugnância!


Mem

Musicalidade têm se tornado ao meus ouvidos, essas pequenas gotículas no telhado.

Melodias têm se feito para meu ser íntimo, essas tão pequeniníssimas gotinhas

Que aos poucos vão se desfazendo, como algo desvanecendo no meio de um abismo.

Lindas canções me cantara, para que nunca se me esquecesses de ti para sempre.


Nun

Nostálgica sensação causastes-me, por uma pequena fração de tempo.

Lembra-me ainda uma vez mais, que neste mesmo quarto me prometestes, o que

Jamais pudésseis fazer-me, apercebi-me ainda algo mais intrigante e intrínseco...

A chuva que está à cair, é a mesma que estavas em nossos momentos...


Samekh

Sombrio tornou-se para mim este quarto, repleto de buracos e fungos.

Mas os buracos e fungos, não são os mais incômodos, visto que ainda o são.

Haja vista que mais profundos e rotos são, os buracos e cicatrizes da minha alma.

 Recalcitrando e instando contra mim, forçando-me novamente até eu me exaurir.


Áyin

(...)




Porventura sou eu ou minha insensata alma, quem tem aferido-me sem medidas,

Essas constantes e indizíveis dores, permeando o meu profundo e recôndito ser.

Esta porta ao meu lado, parece que nunca mais abrir-se-á, assim como essa chuva...

Tão intensa e opaca aos meus olhos, desce sem se extirpar.

 

Tsade

Tsé-Tsés infestam este quarto, fétido e este lugar desolado, paredes que me cercam,

Por todos os lados, como um exército invasor acampando-se ao meu redor.

Espero ainda por esta porta se abrindo, trazendo-me boas novas é tudo que preciso.

Alguma coisa que me tire deste leito emaranhado de fél e amarguras!


Qôf

Calamidades são o que me restam, distúrbios em meio a esta chuva serôdia, tardia.

Terrores tem me causado, conquanto eu quisera que esta chuva chegasse antes.

Antes de você partir, deixando-me à sofrer por ti...tentei replicar-te suas desculpas.

Indagando-te com palavras persuasivas, a fim de convencê-la à retroceder a não ir.


Rêsh

Rispidamente tratastes-me! com severidade e amargura de espirito! com um tom,

Pouco brando, abatendo-me com sua falta de sorriso! Eu te peço chuva fale comigo...

Transmita-me alguma palavra, que cure a minha chaga, que cure a minha ferida...

Minhas orelhas retinem quando ouço a tua voz, mesmo que por pouco tempo...


Sin

Sinagoga de Satanás, tem se tornado o seu ímprobo sentimento interior!

Militando contra tudo que se refere ao amor, é como tentar atravessar uma parede.

Similar as grandes muralhas babilônicas instransponíveis, inatacáveis, inamovíveis.

O silêncio neste quarto, ecoa cada vez mais alto na minha mente paulatinamente!


Shin

Chove! Chove! Mais forte! para me acalmar, talvez eu pense mais nesta chuva...

Talvez eu me lembre mais deste momento, acaso seria pior do que o outro?

Trevas tem se apoderado deste solitário quarto fechado!

Mais escuras do que uma noite sem lua, sem vento, sem brilho, sem vida...


Tav

Transubstanciação ocorrerá comigo, quando lá fora na chuva eu consigo me achar.

Pois a chuva, esta mesma que está à cair, é a mesma que unir-nos-á.

Em um só amor, uma só substancia, uma só matéria e para nunca mais se separar.

Indivisíveis como os impares, como os Quarks, os Léptons, os Bósons! Sim! eu e você amada e bela minha...
Pin It
Atualizado em: Qui 27 Abr 2017

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222