person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

Amor paterno

De cabeça encostada à janela, Clara acompanhava de longe a despedida do pai. Ela bem que brigava com os próprios olhos, para que a suas despedidas pudessem ser da melhor forma nítida.  Porém, os variados pingos rebeldes da chuva daquela manhã, arrancavam-lhe aquele prazer. Era uma visão frágil. Mas era a única oportunidade da qual Clara tinha pra ver o pai. Enfim, sabe lá Deus a próxima oportunidade da qual aquela cena viesse acontecer! Seu pai, já fora do quintal, próximo ao veículo que o arrancaria de vez da sua vista, aos beijos dara a última despedida. Clara o contribuía também. Entre as lácrimas cachoeiradas ao frágil rosto, acompanhadas de soluços na vontade de que aquela cena não viesse acontecer. Teu sonho era que ela, mamãe e papai aproveitassem daqueles momentos, juntinhos, numa mesma cama, aquentados pelas cobertas, enquanto seu pai de vícios aos seus cabelos cariciava-a fazendo cachinhos. 
Sonho em que deixou de criar a hipótese da realidade. Pois, ele despedia-se de vez, sem ao menos ampará-la por aquele triste momento.
Sua mãe era a única que de retorno pra casa procurava-lhe amparar. Mas, Clara não a concedia. Afinal, era sua mãe a culpada pela a maior parte de seu sofrimento. Pois, quando seu pai saia para o trabalho, sem ter o menos o dia certo para retornar, a mãe, de uma forma audaciosa sobre o silêncio, sem saber ao mesmo se Clara desejaria trocar de pai, um outro homem levara para casa, liberando-o nas mesmas atividades do pai.
Clara, amava o pai. Um amor tão grande, que mesmo à mãe sobre a falta de diálogos entre elas, realizando aquela troca, Clara jamais ousaria em fazer o mesmo, substituindo o pai por aquele homem.
O tempo passou. O sonho de menina de Clara nunca mais aconteceu. A mãe sobre o silêncio conseguiu a troca. Menos o consentimento do coração de Clara em relação ao pai. Clara, só voltou a ver o pai dezoito anos mais tarde, na entrada de uma igreja, enquanto a vários metros da sua frente um novo cara aguardava-lhe com a certeza de retribuí-la naquilo em que seus sonhos de crianças, por questão de vida adulta, o pai não pudera continuar. Bem, mais agora seria um pouco diferente... afinal, o tal rapaz, adiante, daria-lhe muito mais do que aquilo.
Pin It
Atualizado em: Sex 10 Ago 2018

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222