person_outline



search

Linear

Sem que percebesse, havia sido seguido. Desde a praça central, onde uma estátua parecera lhe olhar estranho, até sua casa no subúrbio daquela cidade.
Mancava de uma das pernas devido a um acidente ocorrido na primeira infância, fato que tornava longo o trajeto de alguns metros e fazia dele, presa fácil a qualquer que fosse o ataque. Viam-no como um sujeito simples, de presença quase imperceptível, cujo vestuário era composto por um terno herdado e uma camisa amarelada, sem gravata.
Acordava invariavelmente às 7:00 horas. 7:10 abria os olhos e às 07:30 estava pronto para o dia de trabalho; era funcionário de um banco, feito pelo tempo e história, especialista em hipotecas. Financiava  os sonhos e presenciava o desmoronamento das ilusões alheias.
Voltava para casa, sempre por volta das 19:00 horas. 22:30 fechava os olhos, 23:05 pegava no sono. Era um homem um tanto metódico.
Naquela noite, realmente não notara o desconhecido que o seguia, tampouco chegara a captar o som próximo de passos que não eram seus. Nunca foi atento a detalhes.
Então, antes de pisar na calçada em frente à casa, foi morto por 3 pares de golpes de um velho machado.
Permaneceu  alguns minutos estendido junto ao meio fio com a rústica ferramenta cravada entre as vértebras. Não clamou por ajuda, era acima de tudo, um homem discreto.
Paulo morreu às 19:47, às 20:01 teve seus olhos definitivamente fechados.
Anônimo e cansado, pela primeira vez, Paulo quebrou sua rotina.

Pin It
Atualizado em: Ter 20 Mar 2012

Comentários  

#2 PauloJose 03-05-2012 07:48
CRÔNICA COMOVENTE,PASSOU BEM PARA O LEITOR PARABÉNS.
#1 PauloJose 01-04-2012 03:08
UMA BELA CRÔNICA, PARABÉNS.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222