person_outline



search

Poeta tísico

Sou o astro que brilha pálido

Poeta tísico,

Que regurgita sangue e palavras

A leve sombra do desgosto.


Brindo e celebro ao pranto,

A transpiração doentia que

molha a tez,

Ao congestionamento do peito

Travado por pus e fluídos fétidos.


Meu delírio

Minha lucidez

Foi-se embora

Morreu no languido esforço

em tossir.

Pin It
Atualizado em: Dom 7 Abr 2013

Comentários  

#1 Mitya2 14-04-2013 13:32
Muito triste a sua poesia, a doença consome o corpo e a alma!
Abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222