person_outline



search

Poemas

Nossas Lembranças Nossas lembranças de amor, carinho, afeto, dos choque que ocorriam sempre aos nossos apertados abraços, dos choque de demonstração de nosso amor em nossos beijos molhados e doces como o sabor de um chocolate que derrete nossa boca de uma tal forma [...] Que era para fazer desses solenes e agradáveis momentos eternizados pela força comunal de uma paixão transparente e quente como o fogo que me incendeia e o calor do sol. 212) Em Cima Do Sol Em cima do sol preservo na imensidão do céu, no horizonte das nuvens que ao lado do sol está, [...] Em cima do sol te glorifico com o meu amor, com o solene e ao mesmo tempo ardente fogo da nossa paixão que resguarda seu puro coração que me completa, da tão ingênua e falsa ilusão que nos prende na tão inconveniente escuridão provocada pela depressão que provocou minha alma até cair em prantos da areia movediça de uma tão insana solidão que causou em meu coração a repulsão de cair nas garras do descontrole de uma poluição. 213) A Impunidade A impunidade do seu solene e puro coração que me envenena com uma paixão de fantasia e uma ilusão verdadeira, até hoje, até agora e até esse segundo sofro com a impunidade de amar sem ser amado, ser tocado pela sua mão suave e leve que agora agora sinto o seu peso, sinto a sua tamanha calúnia para com meu coração que sofre até agora com a paixão que super fantasiosa faz em mim o fogo de uma paixão que se apaga ao cumprimento do seu ato de pudor, sem sentir a dor que para mim é como sentir algo que falta em mim que é a metade do meu tão entristecido coração. 214) Vou Deixar Vou deixar de te amar, de cuidar de seu tão solene coração, de sua alma tão escassa de pureza, [...] Vou deixar de ser seu escravo de prazer, deixarei de ser seu tão mordomo que servi seu coração com o meu tão ardente paixão que é a lava do fogo que em meu coração transborda de emoção pelo vulcão que adormecido, acorda e transborda a solene e tão puro amor que renasce das cinzas, que acorda para vir ao mundo superior que com você, esperei, aguardei para viver ao seu lado à caminho de um horizonte e à caminho da eternidade que sem limite de idade chega ao tão inesperado fim. 215) À Espera À espera de um amor verdadeiro, de uma paixão verdadeira e ardente como a luz dos raios solares, um abraço apertado, um beijo doce de sua alma em minhas feridas, em minhas manchas que aos poucos e com seu sagrado e tão benevolente amor que é desservido pelo tão doce beijo que remete à minha tão solene alma um calor que acorda o vulcão de uma paixão. 216) Ainda Ainda amo ela como ninguém mais e como ninguém mais, ainda não à vejo mais como um problema de paixão, como um problema de ilusão que sem fim parecia me exterminar, me eliminar da sua tão cruel vida [...] Ainda esse amor que por você eu tenho, que por seu coração eu tenho, que por sua alma eu tenho, ou pelo menos eu tinha, porque agora o que resta ter de ti é a profunda tristeza que em mim remete há uma ilusão que nas profundezas de uma solidão que me apresenta à uma tão sarcástica depressão. 217) A Depressão A depressão que causada pela ilusão, me entristece remetendo-me há uma solidão que sem o calor da remetente paixão que meu tão solene e puro coração investe todas as fichas [...] A depressão que assume o controle do navio enlouquecido da minha vida, do meu coração de minha alma que com sua tão falsa paixão, a ilusão que me envenena e me afunda à um mar de escuridão e que me enterra no caixão de escuridão. 218) Vamos Fugir Vamos fugir à caminho das estrelas que brilham no céu, à caminho de uma tal emoção que só o coração estraçalha, mata e massacra uma tal ilusão que envenenava a minha solene e pura paixão que sem seu coração que à parte que em meu estava em falta, vamos à caminho de um fogo para que meu coração se incendeia pelo fogo da paixão que escraviza a nossa solidão e que na escuridão terrena chega a arrepiar minha alma. 219) Entre as Pontuações Entre reticências é a única forma encontrada pelo meu coração para descrever para você a tamanha noção da imensidão de um amor que aos poucos [...] Dentro de mim foi tomando conta, aos poucos, na contagem do tempo de espera pelo meu tão corajoso que sangrou pelas efetivadas queimaduras de um amor que nesse tempo com sua repulsão foi crescendo em mim de uma forma inacreditável que não era mais viável esse amor que tanto me castigava com seu calor que em meu coração destrói-me [...] 220) Minhas Razões Vou embora, te deixarei para ver o nascer do sol sozinha com seu ego, te abandonarei na solidão com seu ego e levarei comigo o fruto do nosso amor que não sei como distinguir, o fruto do calor da nossa paixão que não sei o lado que ela fala mais alto por causa do seu tão infeliz julgamento, seu tão sarcástica sorriso como a de um palhaço ou de um psicopata, nosso amor era para ser algo tão gostoso de viver mas a sua tão deprimente sede de todo custo enriquecer a ponto de castigar e provocar ferimentos tão doloridos no coração de pessoas que verdadeiramente te ama ou que pelo menos te adorava e te admirava do jeito doce que você tanto mostrava, mas que agora [...] Você jogou no lixo e por essas e outras razões lhe abandonarei por mais que seja difícil.
Pin It
Atualizado em: Qui 2 Out 2014

Comentários  

#1 PauloJose 04-10-2014 13:08
muito inspirado!!!
estrelei.
abraços.

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222