person_outline



search
  • Contos
  • Postado em

A caçada

Era noite, uma névoa densa e fria pairava sobre o local. Viam-se apenas alguns relances dos troncos das árvores da floresta, provocados pela luz da lua que conseguia atravessar aquele ambiente amargurante.
Conforme caminhávamos, percebiam-se sons que não se podia compreender. Era como se o ambiente sofresse com aquela energia.  O caminhar era difícil, o solo encharcado, raízes entrelaçavam-se umas nas outras, insetos famintos nos picavam em busca de sobrevivência.
Cada um seguia atento a cada movimento, pois qualquer descuido, representaria o fim para nós. Para sanar o medo que percorria nosso corpo a ponto de nos paralisar, cada homem empunhava sua espada em modo de ataque. Espadas estas que já haviam participado de batalhas e lutas contra diversos inimigos pelas terras de Avlon. Porém, nenhuma nunca havia sido banhada pelo sangue do ser pelo qual nos levava até aquela caçada.
Seguimos por mais um trecho na floresta e de repente percebemos algo movimentando ao nosso redor. Os passos leves se confundiam com o caminhar dos homens que compunham a nossa equipe.
De repente, Jonn ergue a mão e profana um sinal de alerta. Todos pararam e se preparam para o confronto. O estado de tensão tomou conta de todos. Consegui ouvir a respiração ofegante de Frederick ao meu lado. O ar denso entrava em nossos pulmões e causava uma sensação ainda maior de apreensão.
Em pequenos intervalos de tempo, ouvíamos os passos rápidos do ser sobre o solo úmido. Era um movimento inconstante, não conseguíamos saber onde ele estava, para onde ia e o que iria fazer conosco.
Em dado instante, olho para o lado e vejo um vulto atrás de Jonn. O medo me paralisou, não consegui avisá-lo do perigo. Naquele momento, consegui ouvir a gota de sangue de Jonn cair sobre uma poça de água. Minhas pernas estremeceram, meu coração pulsava descontroladamente. Aos poucos, vi a imagem do meu companheiro indo em direção ao chão. Seu coração foi perfurado com um único golpe certeiro.  Sua espada caiu na mesma velocidade que seu corpo, ficando presa sobre uma raiz.
Do mesmo modo que o ser apareceu, o mesmo desapareceu.
Corri e apoiei Jonn em meus braços, mas já era tarde. A luz da lua refletiu sobre seus olhos e percebi sua partida conforme a névoa encobria novamente o lugar.
Pin It
Atualizado em: Qui 25 Jan 2018
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222