person_outline



search

O Jogo da Morte: Véu Negro (continuação do cp 2 até cp 4)

vinte minutos se passaram e as outras duas acordaram,ao ver a amiga toda desfigurada e morta,tentaram gritar,mas era inútil,pois suas línguas estavam na minha taça de champanhe,foi uma sensação incrível  quando eu bebi o liquido banhado com duas línguas nojentas,e melhor ainda foi ver a cara das duas vagabundas ao verem  suas línguas que um dia deram muito prazer pelas ruas da cidade,sendo degustadas por um sádico maluco.
Como não podiam falar,eu mesmo fiz questão de escolher os utensílios que iria usar,para a vadia morena usarei uma furadeira e para loira falsa usarei um serrote,o que vocês acham garotas?,sensações corriam pelo meu corpo ao cortar o corpo de uma e perfurar o corpo da outra,gritos incubados eram sinfonias para os meu ouvidos,e no fim de tudo as três garotas estavam mortas e o véu negro estavam mais satisfeito do que nunca.
E agora era só esperar,logo a gorda maldita estaria morta e queimando nas profundezas do inferno junto com as três prostitutas.
O véu negro se aproximou de mim dizendo que alguém teria que ser culpado pela morte da gorda,então eu disse:
-Que seja qualquer um menos eu.
Atendendo ao meu pedido,levantou suas vestes negras e foi até o hospital onde a mesma estava internada,possuindo uma das enfermeiras e controlando cada passo que a pobre coitada dava,fez com que ela cravasse uma faca no coração da gorda,que sem reação,acabou morrendo,e graças ao véu negro aquela vadia não estava mais no meu caminho.
Pela janela a morte saia e a enfermeira voltando a si,viu a paciente morta na sua frente,suas mão cheias de sangue e a faca caída no chão,sem entender nada,ficou paralisada até que os primeiros policiais chegaram e acabaram levando a “Criminosa” para a cadeia.
Naquele momento eu ria mais alto que uma criança pura prestes a ser consumida pelo horror da humanidade,eu me deliciava com a sena na televisão e ao mesmo tempo eu sentia um pouco de pena da pobre enfermeira que por minha causa,iria passar o resto da vida numa sela suja,enquanto eu o verdadeiro culpado estava livre e acabando com mais vidas ordinárias deste planeta que não me oferecia mais nada a não ser o prazer do sofrimento.
Desliguei a televisão e fui tomar um banho,ao mesmo tempo peguei  um dos meus bisturis e comecei a me cortar,aquilo foi incrível,eu estava me libertando pouco a pouco dos espíritos sofridos de cada um que assassinei.
Naquela noite o véu negro me deu um pouco de descanso,as imagens das três garotas gritando de dor não saiam da minha cabeça,e foi ai que eu percebi que em minhas veias corria um sangue sádico para a coisa,pois sem a ajuda do véu negro,matei três pessoas a sangue frio e não me sentia culpado por isso,só fiz o meu trabalho.
Liguei o radio e estava tocando uma musica que me fez lembrar de minha mãe adotiva,sim fui adotado quando eu tinha apenas cinco anos,nossa que falta minha mãe me faz,não esqueço do seu cheiro,dos almoços de domingo,pena que morreu em cima de uma cama,em um hospital psiquiátrico,deixando-me sua pensão.
Quando eu tinha nove ,meu pai morreu ,minha mãe ficou meses trancada dentro de casa,um certo dia resolvi convida-la para ir ao parque,que ficava do outro lado da cidade,não sei o que houve pois ela aceitou,ao chegar no local,deixei-a sentada em baixo de uma arvore e fui ate o banheiro publico,ao colocar o primeiro pé dentro do ambiente,me deparei com uma cena perturbadora,um morador de rua abusava brutalmente de uma mulher,não me contive,peguei um pedaço de porcelanato de um vaso quebrado,e bati varias vezes na cabeça daquele imundo,restos de seu inútil cérebro se espalharam pelo banheiro,meu rosto ficou todo sujo de sangue,lambi minha boca,aquilo me excitou,e acendeu em mim o que por muito tempo ficou trancafiado em meu ser.
 O banheiro ficou gelado,parecia que o tempo havia parado,senti um gelo em minha espinha, uma tremedeira dentro de meu corpo e suavemente uma voz começou a falar.
-Meu nome e véu negro,estou aqui porque senti que você pode me ajudar.
-te ajudar em que,meu Deus será que estou ficando louco?
-Depois do que você fez hoje e quando tinha nove anos,Deus não existe mais em você,mas eu posso começar a existir.
-como assim?
-podemos fazer um pacto;
- que tipo de pacto?
-toda vez que eu lhe pedir você terá que me dar uma alma,mas não é qualquer alma,e sim uma ruim,aquela que não poderá ser salva por aquele que no inferno não dizemos nem o nome,as mortes terão que ser cruéis.
-mas eu não consigo fazer isso sozinho,o que você viu aqui hoje,foi apenas um momento;
-isto não foi apenas um momento,você tem sangue para a coisa,sinto isso em sua alma,e não é de hoje que estou de olho em você,só esperei a oportunidade certa para lhe fazer essa proposta.
-E o que eu ganho com isso?
-você terá uma vida longa,quando morrer ficara em um lugar diferente,e poderá retornar mais uma vez para este planeta quando houver a oportunidade certa,terá minha ajuda por um tempo até que você consiga realizar todas essas façanhas sozinho,porem se você perder o jogo,este contrato será anulado,o que você me diz?
-mas eu ainda posso ir para o céu,eu acredito nisto;
Ele riu alto
-o céu é para os fracos,você meu caro e muito forte e merece um lugar ao meu lado no reino das trevas.
-como assim perder o jogo?
-pense que a vida é um grande tabuleiro e as pessoas que ira matar são peça inúteis,neste jogo,então se você deixar de me entregar apenas uma alma,quando ela eu solicitar,você será considerado um perdedor e por fim terá que ser eliminado.
 Recusei o contrato;
Tudo ficou meio quieto,comecei a sentir varias dores em meu corpo,algo estranho estava acontecendo,sem eu perceber ele tomou conta de meu corpo,quebrou o espelho do banheiro e com um dos pedaços ,começou a cortar a garganta da mulher,eu sentia suas veias parando de pulsar,confesso que aquela foi uma sensação incrível.
Parado ao meu lado ele disse:
-viu,não foi difícil,com o tempo você se acostumaria.
Olho para trás,vejo minha mãe parada na porta,em estado de choque,o banheiro vertia sangue,e eu o filho que ela sempre amou,no meio de tudo aquilo,e com a arma do crime nas mãos.
O véu negro se aproximou mais uma vez,senti sua mão fria encostar em meu ombro,e disse:
-agora, ou você aceita meu acordo,ou farei você matar a sua querida mãe,e claro você passara tortuosos dias em uma sela imunda.
-mas se eu aceitar,ela ira contar tudo o que viu aqui.
-não se preocupe eu cuido dela.
-você não vai mata-la,vai?
-darei a ela apenas uma doze de loucura;
-aceita ou não?
-aceito
E assim se iniciou o pacto com o véu negro.
Depois de tantas lembranças de um passado não tão distante,Tive que limpar toda aquela bagunça do apartamento de michel,foi difícil tirar todo aquele sangue do piso branco,mas,depois de algumas horas e de muitos baldes de cloro,eu havia conseguido remover toda a podridão,sai do apartamento,eram mais ou menos nove e meia da manhã,fui ate uma loja na esquina e comprei alguns sacos plásticos resistentes,voltei ate o apartamento,cortei-as em pedaços e coloquei-as nos sacos,juntei tudo em um canto,e esperei anoitecer.
Tocaram a companhia,olhei pelo olho mágico,um homem de mais ou menos cinquenta e dois anos ,gordo e careca,estava de pé em frente a porta,abri.
O idiota se apresentou, como um morador do apartamento ao lado,veio reclamar do barulho da  noite passada ,eu com a minha perfeita educação,sorri e pedi desculpas, aleguei que havia dado uma festa pois eu era o novo morador do prédio,e que isso nunca mais ocorreria,o trouxa foi embora acreditando em tudo que eu disse.
-Como esses seres humanos são Idiotas.
Meia noite e meia ,era a hora perfeita,desci carregando os sacos,coloquei-os no porta mala e fui até um aterro sanitário,cavei um buraco bem fundo e lá enterrei todos aqueles corpos mutilados,aliviado ,entrei em meu carro e fui até um local mais seguro,estacionei, e fiquei olhando para o local,exatamente as três e meia da madrugada,chegou um caminhão vindo da cidade cheio de lixo,acendi um cigarro, e me delicie ao ver toda aquela pilha de lixo,sendo jogada em cima daquelas vadias.
Jamais seriam encontradas, do lixo elas vieram e para o lixo retornaram.
Pronto,agora era a hora de ir para a casa.
Capitulo 3
Já se passaram três semanas desde o incidente com a gorda e com as garotas de programa,muitas noites sem dormir e muitos pesadelos com o véu negro,promessas e dividas me atormentavam,deitado em minha cama as horas passavam.
A fome bateu em meu estomago,eram quase oito e meia da manhã de um domingo,levantei, preparei o café,posso afirmar que ainda eu estava meio tonto com todos aqueles pesadelos, porem,o que mais me interessava naquele momento era o meu café,sem leite e com creme.
Eu me sentia isolado,pois a mais de três semanas ele não me visitava,ou melhor não me dava uma nova missão,será que ele se esqueceu de mim?ou ele encontrou alguém melhor que eu?essas são respostas meio complicadas e perguntas idiotas para se pensar numa manha de domingo,acendi um cigarro e fui para o quarto,usei o banheiro.
Deitei novamente em minha cama,mas não conseguia pegar no sono,então,tomei três comprimidos,e simplesmente apaguei.
Uma nuvem negra,cobriu meu corpo e La no fundo da minha mente eu conseguia ver uma chama azul e vermelha,tentei chegar até ela,foi inútil,de repente,imagens de todas as pessoas que matei vinham em minha direção,todas queimadas, gritando por ajuda. consegui chegar até a chama.
O calor era intenso,queimava a minha alma ,mas por algum motivo eu sabia que tinha que tocar naquela chama. Ao toca-la tudo se escureceu,eu não enxergava nada.
Então meu querido véu negro me perguntou se eu estava preparado para saber de algumas  verdades, e com toda a certeza do mundo eu respondi que sim,então tudo começou a desmoronar,era como se todo o ambiente que eu estava se descascasse,luzes e chamas apareciam do nada,ele me estendeu a mão e disse que me levaria para um passeio,perguntei aonde,mas ele permanecia calado.
1° fomos a um lugar sombrio,onde só se ouvia gritos e choros,(uma das camadas do inferno)a variação de temperatura era muito grande,almas ficavam ali jogadas,umas em cima das outras,o cheiro era insuportável,vermes se misturavam com seus corpos,a cena era perturbadora,mas para mim todos eles mereciam estar ali.
2°fomos a um grande lamaçal(outra camada do inferno),todos que ali estavam eram pervertidos sexuais,Vivian de sexo,prazer e sofrimento,jogados como porcos no chiqueiro apenas digo,sem comentários.
3°chegamos (a ultima camada do inferno),lá habitavam todas as almas perturbadas  e aflitas,sedentas de ódio e com sede se vingança,mas com aquele calor elas deviam estar com sede de água(brincadeira),neste momento o véu disse algumas palavra:
-todos aqueles que desde o nascimento fizeram um pacto comigo e não cumpriram estão pagando sua pena com fogo e tormenta,e aqui também estão todos as almas que você e outros jogadores da morte mandam para mim todos os dias,lindo não?
-maravilhoso,eu respondi !
4°depois do inferno ele me levou até um local desértico,lá me mostrou três pessoas,servos leais que durante suas ultimas existências cumpriram os desejos e acordos com a morte e não perderam o jogo,então ficavam ali até chegar a hora de voltar entre nos humanos e trabalhar mais um pouco para o véu negro.
Ao termino de nosso passeio eu tive a oportunidade de fazer uma única pergunta a ele,então sem pressa pensei em como fazê-la ,dizer tudo o que eu queria em uma única pergunta,mas era impossível enganar a morte.
Então fiz a seguinte pergunta:
- o que me resta depois de minha passagem terrena?
Com um sorriso sarcástico,ela me respondeu:
-para essa pergunta,você já tem a resposta,mas lembre-se do contrato.
Com essas ultimas palavras,tudo se paralisou,der repente acordei.Confesso que eu estava meio preocupado,mas eu sabia que naquele momento o meu contrato estava realmente valendo,e que a minha querida morte era uma pequena professora,porem agora era por minha conta,se eu cumprisse o contrato eu iria para um lugar “melhor”,se não eu iria para o inferno,com as almas perdedoras,a escolha era somente minha.
Capitulo 4
Levantei e fui tomar um banho,confesso que me cortei um pouco,como eu já estava acostumado não sinto vergonha de contar para vocês,lembro-me que certa vez cortei minha perna e aquilo me deixou muito excitado,mas logo passou.
Me enxuguei,coloquei uma roupa,quando ia saindo,reparei que a chave do apartamento de Michael ainda estava comigo,peguei-a  e fui ate sua casa,ao chegar La,desci do carro e toquei a campainha, reparei que a porta estava aberta ,entrei.
-Michael você esta em casa?
Comecei a Subir as escadas,entrei no primeiro quarto,não vi ninguém,derrepente ouvi um barulho no banheiro ,fui ate La,quando abri a porta Michael estava dentro da banheira cheia de água e com um secador de cabelos ligado em sua mão.
-michael não faça isso,eu ainda te amo.
-mas eu não me amo senhor c, até logo.
Corri para desligar o secador da tomada,mas já erá tarde de mais,Michael morreu de uma forma chocante.
CONTINUA..........
Pin It
Atualizado em: Qui 16 Mar 2017

Deixe seu comentário
É preciso estar "logado".

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR

webmaster@number1.com.br

whatsapp  WhatsApp  (41) 99115-5222