person_outline



search
  • Artigos / Textos
  • Postado em

Divisão de Ensino Soldados que sonhavam ser pará-quedistas PART: 4

4
O marcante salto 
                                                       
A 1º Companhia pára-quedista Agulhas Negras e o 26º Batalhão de Infantaria pára-quedista formavam o 6º Corpo expedicionário do exercito brasileiro, que completava a 2° divisão aliada de exercito juntamente com os russos e os americanos que era comandado pelo general russo Ballor Bradley. O general Bradley juntamente com o serviço de inteligência dos Estados Unidos tinha a tarefa de montar um quebra cabeça de Beirute encabeçar um cerco em cada um dos lados de Beirute onde o litoral libanês tinha um formato retangular nos distritos de Dar Mreisse, Port, Medawar e Ras beirut que era muito favorável era o distrito de Moussaitbeh onde o litoral formava um ângulo reto estendendo para o leste de Ras beirut e oeste de Mazraa e o sul fazia fronteira com o norte dos distritos de Zkak el Blat e Bashoura.
A segunda divisão de exercito aliado deveria tomar toda a costa litorânea de Moussaitbeh abrir caminho para o corpo de cavalaria e chegar à cidade e tomar a base de OIT que era onde os terroristas haviam se estabelecido e se fortaleceram na cidade logo após de derrubar o governo e o exercito libanês, os fuzileiros navais juntamente com o exercito estariam pelo flanco de Moussaitbeh de modo que a artilharia pudesse chegar e precisava tornar uma grande extensão de terreno suficientemente para a invasão de modo que pudessem fazer as forças terroristas recuarem ou desistirem no primeiro ataque e derrubar a muralha do mediterrâneo do estado islâmico.
Diferente de Ras beirut, Dar Mreisse, Port e Medawar o distrito e a praia de Moussaitbeh era a mais fácil das praias para a realização de salto na praia de Port onde os alemães e os franceses estavam encarregados de atacar, as numerosas casas de praia e hotéis e pequenas lojas e cassinos que era espalhado por todo litoral era um excelente ponto de proteção para os snipers e ninhos de metralhadoras dos terroristas. Em Ras beirut havia um penhasco que tinha mais ou menos 80 ou 100 metros de altura que permitia aos terroristas entocados terem um bom ponto de defesa e observação os ingleses e belgas seriam alvos fáceis quando saísse das barcaças. Em Medawar não tinha casas nem penhascos só que havia ali era algumas fortificações de concreto com a estrutura reforçada de aço e uma artilharia muito forte e bem munida e campos minados por toda parte. Em Dar Mreisse alem das dunas o problema era que sua parte interiorana tinha terrenos baixos e era usado por alguns fazendeiros para o pasto de gado e plantação, essas estradas ficavam a dois ou três metros aproximadamente do solo, Ayman havia mandado um comandante da artilharia do estado islâmico inundar os campos, com a idéia de obrigar qualquer força mecanizada inimiga utilizar as estradas, com os veículos blindados seguindo pelas estradas faria ser alvos fáceis para a artilharia que se encontrava em posições estratégicas e camufladas e em pequenas trincheiras reforçadas atrás da área inundada onde poderiam bombardear com facilidade as estradas e a área inundada, a infantaria canadense, russa e brasileira estavam prontos para assumir as posições defensivas e de flanco pelas estradas onde qualquer erro estratégico poderiam fazer se tornarem alvos fáceis.
Depois do aviso geral que nem uma força aliada iria para a Síria todas atacaria e libertaria Líbano do estado islâmico, Bradley deu a 1º CIA e ao 26º tomar as estradas de Moussaitbeh para facilitar a entrada da infantaria e da artilharia com o apoio da cavalaria russa. O salto e toda tática seria realizado a noite com o objetivo de desorientar os terroristas e tomar todas as entradas e saídas antes que os terroristas pudessem reagir e instalar canhões antiaéreos, a operação era arriscada e conforme ela estava sendo planejada o coronel Fontelli viu que para que se tenha chance de sucesso mesmo que pequena, seria necessário preparar todos, ele e um coronel russo procurariam uma faixa no litoral de Sochi que fosse semelhante ou próximo da semelhança de Moussaitbeh para realizar exercícios e simulações. Uma das praias era longa e estreito o terreno era úmido e inclinado e as pequenas dunas separavam a parte seca do solo com a úmida e foi nela que o 26° e a 1° CIA faria todos os exercícios e ensaio para cumprir o papel no grande dia.
No inicio de março toda 2º divisão aliada participou de exercícios. A 1º CIA e o 26º seguiram de caminhão para uma pousada no litoral de Sochi onde todos passaram a noite confortavelmente e tranqüilos, no dia seguinte embarcamos nos caminhões para viajar para uma área onde todos os civis tinham sido evacuados e tinha uma zona de salto simulada. Depois do jantar foi feito uma simulação de defesa e ataque e seguimos andamos uns cinco quilômetros da praia e fixamos um ponto de defesa de uma de estrada que servia de entrada para a praia, ficamos em um ponto exposto aos primeiros raios de sol da manha a maneira que não conseguimos dormi quando ele nos atingisse quando acordamos olhamos para o horizonte e vimos uma enorme frota de embarcações era uma cena impressionante parecia que toda a marinha do mundo estava ali ao longo da manha descobrimos o desastre da noite anterior, os russos tentavam a toda maneira abafa o caso para não parecer que tudo que os aliados estavam fazendo ate ali fosse mera piada ou que o estado islâmico estaria muito mais forte em força militar que os aliados. Mas na noite anterior parte da frota da marinha russa e francesa se deslocou para o mar mediterrâneo em direção ao Líbano com o intuito de formar um cerco e estudar mais a área com o intuito de fazer nada dar errado no dia da invasão, mais alguns submarinos terroristas se misturaram entre os Kirov e os porta aviões Charles de Gaulle que estavam transportando uma divisão de infantaria e de pilotos de caça e nas primeiras horas da noite os terroristas afundaram cinco Kirov e dois Charles de Gaulle e danificaram alguns Kirov quase 2 mil homens morreram afogados, durante o ataque o pedido de reforço chegou no inicio da madruga horas depois dos ataques ter acontecido e parte de toda frota da Alemanha, EUA e do Brasil se desloco em direção aos franceses e os russos chegaram tarde mais conseguiram ajudar e salvar muitos feridos, o almirante francês responsável pela operação acho melhor recuar para não haver mais baixas e nem mais ataques dos terroristas nas primeiras horas da manha estavam atracando em Sochi e desembarcando os feridos mais graves para os hospitais e pequenos postos médicos que foram feitos improvisadamente para os exercícios que acabaram sendo postos médicos realista, era tantos feridos que os russos removeu as tropas que estavam na zona litorânea e passo a fazer os exercícios e simulações nos centros urbanos com o intuito de fazer todos nós não ver e nem ter nem um tipo de comunicação com aqueles feridos para não afetar o moral das tropas.
No final de semana todos nós tivemos a licença de final de semana Hartmman, Bruno, Souza e Evandro tiveram a idéia de conhecer um pouco mais a Rússia, pegaram um trem para Moscou acompanhado pelo melhor amigo que Bruno tinha entre os russos da 7º divisão de infantaria o cabo Ivan, a noite eles foram pra um bar local recomendado pelo Ivan quando chegaram no bar encontraram com alguns russos e alemães que faziam parte da força de resistência da Síria Ivan encontrou com seu primo Petrus eles passaram a noite toda bebendo, aprendendo e praticando um pouco mais o idioma russo, ensinando os dois a falarem um pouco o português e ouvindo Petrus falar de como era os terroristas e  Hartmman, Bruno, Souza e Evandro respondia algumas perguntas sobre o Brasil que o Petrus fazia as vezes estavam todos tão acostumados com as perguntas que algumas delas a resposta estava na ponta da língua no final daquela noite Petrus falou para os três uma coisa que os três nunca esqueceram, Petrus havia dito que quanto mais cedo aceitarem que já estão mortos o medo de não voltar será menor, quanto menor o medo for menor será os erros, quanto menores forem os erro maiores serão as chances de sobreviver e voltar para casa. Eles passaram a noite em um hotel e logo de manha resolveram voltar para Sochi e almoçar por lá, Ivan havia dito que retornaria somente a noite iria passar o dia com seu primo antes de embarcar no trem de volta para Sochi os quatro agradeceram Ivan e cumprimentaram Petrus e pediram um ultimo conselho para combater os terroristas Petrus riu um pouco e disse.
-Se quiserem ser heróis ou morrer como um herói vocês só precisam abraçar um homem bomba.
Os quatros agradeceram e embarcaram no trem de volta para Sochi, quando chegaram todos eles contaram para todos do regimento o que fizeram e como era Moscou e o que fizeram no sábado todo só não contaram sobre Petrus, por alguma razão eles nunca contaram sobre ele e o que ele havia dito para eles só chegaram a conclusão de aceitar a realidade de não voltar, do que viver na fantasia de acabar com os terroristas e voltarem ilesos pra casa isso ficou semanas batendo na cabeça deles e os fizeram ser mais maduros e passar o recado para o regimento sem precisar dizer uma palavra.
No inicio da semana toda companhia passo por um treinamento muito mais pesado do que tiveram até ali fizeram simulações de ataque em posições de artilharia, pontes, estradas e casas que eram usadas como base ou ponto de abastecimento, muitas das simulações de ataques eram feito depois de um salto real os saltos rápidos de caminhões foram treinados com muito mais freqüência.
No final do mês a 1º CIA e o 26º fez um ensaio geral para o dia da invasão toda divisão pára-quedista aliada participou desse ensaio, parte da tropa da companhia russa e alguns equipamentos embarcaram no mesmo avião que o regimento usaria no dia da invasão o regimento foi dividido em dois aviões para que desse espaço para os russos. A 2º divisão inteira participou desse ensaio, o salto e todo o ensaio foram realizados com o máximo de exatidão possível e o mesmo tempo de vôo que seria feito no dia o embarque nos KC-390 era difícil por conta da grande quantidade de equipamento que cada um carregava, alguns levavam equipamento a mais caso fosse preciso e por precaução isso fazia alguns ficarem sobrecarregados mais nenhum deles se importavam com isso, só queriam estar preparados para todo tipo de emergência imaginada que pudesse vim acontecer quando entrassem em combate. A maioria tinha que ser ajudado para embarcar no KC-390 era tanto equipamento que ficavam exprimidos lá dentro quase não conseguiam se mover.
O presidente do Brasil fez tudo para que fosse construído o maior numero possível de KC-390 ate o dia da invasão e distribuir entre as forças armadas as operações aéreas da aeronáutica que dependia do uso do KC-390 sempre vinha por ultimo na lista de prioridade, tamanha demanda fez com os aviões que fossem produzidos rapidamente isso fez com fosse retirada a blindagem da lataria e do tanque de combustível foi uma medida que o governo brasileiro encontrou para diminuir os gastos e aumentar a produção com o gasto que seria da blindagem, todo o 6º Corpo expedicionário do exercito brasileiro foram enganados sobre a segurança da blindagem do avião só fomos avisados sobre isso dias antes da invasão que revoltou todos nós quando passamos a ter instruções do que fazer e como proceder sob ataque antiaéreo antes da zona de salto.
 O ensaio ocorreu tudo bem não houve problemas no 26º e nem na 1º CIA depois do ensaio durante o dia ocorreu um a noite durante as primeiras horas da madrugada também não houve problemas borá a formação se desfez devido ao nevoeiro muito aterrissaram longe um dos outros, alguns regimentos se misturaram entre as companhias mais tudo ocorreu perfeitamente bem o treinamento estava chegando ao fim estávamos em boa forma fisicamente sabíamos manusear muito bem as armas éramos especialistas no assunto sabíamos muito bem nossas responsabilidade dentro do regimento e do esquadrão e se fosse preciso estávamos pronto pra assumir o papel de líder pois sabíamos exatamente o que fazer caso precisa-se, como estabelecer posições ofensivas e defensivas e passar dias em uma trincheira ou encima de uma arvore.
Estávamos todos prontos para entrar em combate mais logicamente falando entrar em combate sem ser por simulação é uma experiência única onde todos ali poderiam dizer que estavam 100% preparados nos exercícios de simulação poderíamos errar já em combate o único pequeno erro seja qual fosse poderia tirar nossas vidas, esse combate estava sendo esperado a anos por todos ainda havia um pouco de medo de fracassar e tensão em todos nos mais a emoção de poder entrar em combate falava mais alto a sensação de entrar em combate e uma sensação única, aqueles que já estiveram em algum combate não tem palavras para descrever a sensação que ela produz exceto o fato de atirar em pessoas ao invés de placas de metal isso causava algumas reações emotivas e até psicológicas, mais no final de tudo o treinamento foi árduo o bastante para aceitarmos a morte como um descanso mais dizer que estávamos todos prontos completamente isso não podia se dizer pra nem um de nos.
Toda companhia recebeu as ultimas instruções sobre a zona de salto a divisão ensino juntamente com o regimento alfa saltaria a 10 quilômetros ao norte da costa Moussaitbeh, com o objetivo de matar e ou capturar uma guarnição terrorista que havia na pequena vila e tomar uma estrada que dava acesso ao litoral pelo norte e forma um cerco, o arranca toco e a xavante receberam a incumbência de tomar e destruir uma linha de comunicação e de artilharia e destruir os canhões antiaéreos pelo lado sul. Toda a companhia tinha que saber de co a missão e ser capaz de falar e desenhar todo o mapa da área e o objetivo, não sabíamos nada de que como era o Líbano e muito menos os terroristas e como eles eram em combate usando armas ao invés de bombas a única coisa que sabíamos e que eles se explodiam em lugares fechados ou onde houvesse um grande numero de pessoas.
No inicio da noite recebemos uma bandeira brasileira pra ser costurada na manga esquerda e todos nos fomos instruídos com a senha Rio de Janeiro resposta samba para ser falado para sermos identificado, recebemos também um apito que fazia som de uma coruja um apito deveria ser feito para identificação dois era a resposta a tropa passou parte da noite limpando as armas, amolando a baionetas e facas,  checando o pára-quedas e todo o equipamento e bebendo um pouco e fumando cigarros. Os que já tinham feito isso e estavam ansiosos de mais para dormir arrumaram um jeito de ganhar dinheiro e organizaram jogos de apostas o cabo Bruno e o soldado Luan de todos foram os mais espertos conseguiram comprar dos russos dois kit de barbear e duas maquinas de cortar cabelo os dois estavam oferecendo corte de cabelo e barba por dois reais ou um euro russo para todos os combatentes brasileiros e russos e pra alguns americanos e franceses que estavam em Sochi, a maioria dos combatentes aliados pediram para que fosse feito o corte moicano o coronel Fontelli viu tudo aquilo e ficou calado no dia seguinte ele emitiu um comunicado sobre o corte de cabelo o corte moicano estava proibido entre os brasileiros, o único corte que poderia ser usado e o padrão para o exercito brasileiro ou a famosa maquina zero metade da 1º Cia e do 26º tiveram que cortar o cabelo novamente os que tinham gastado dois reais ou um euro russo, tinham 24 horas para cortar novamente e gastar quase dez euros russos para cortar o cabelo alguns conseguiram cortar com o Luan antes do coronel Fontelli proibir qualquer atividade comercial e tiveram que gastar novamente dois reais ou um euro russo, depois do almoço Luan e Bruno continuaram com o corte de cabelo de maneira clandestina dentro do alojamento para não chamar a atenção de nem um oficial os dois marcaram hora com todos que os procuraram para tirar o moicano os dois ficaram a tarde toda cortando cabelo de todos e faziam intervalo de 1 hora a 30 minutos e tiveram que pagar alguns soldados que ficassem vigiando pelo lado de fora e envolta do alojamento e avisá-los quando um oficial tivesse por perto ou indo em direção ao alojamento também foi proibido entre os brasileiros qualquer tipo de jogo ou aposta dentro da unidade militar mesmo proibido alguns sempre davam um jeito de jogar apostando cigarros ou algumas moedas pequenas quantias para não ser chamado de cassino ou jogo de apostas. 
O coronel Fontelli circulou entre os regimentos da 1º CIA fazendo um discurso motivacional e orientando a todos que quando o KC-390 cruzasse o litoral libanês era pra todos ficarem de pé, se algum pára-quedista fosse atingido que suportasse a dor e para facilitar o salto caso tenha que ser rápido antes do avião cair ou explodir isso daria chances de todos chegarem vivos no solo e pra todos combaterem com unhas e dentes até não ter mais braços e nunca se renderem e serem prisioneiros dos terroristas. A noite o jantar foi dos melhores parecia que estávamos num restaurante de alta qualidade de luxo tinha ate sorvete e pudim como sobremesa comentávamos entre nós que estavam nos engordando para o abate logo depois fomos nos preparar para o combate alguns acharam tinta de camuflagem e começaram a pintar o rosto, durante o preparo uma chuva muito forte começou a cair uma tempestade havia caído em Sochi ela duro quase que a noite toda impossibilitando o vôo então foi cancelado parte da companhia passo a noite em uma das salas de cinema que havia ali, outros foram dormi e outros mesmo que ilegalmente foram jogar apostando novamente cigarros e pequenas quantias em moedas em uma dessas jogadas o soldado Leandro conseguiu mais de 20 euros russo em moedas e nove maço de cigarros e assim foi a noite toda.
No dia seguinte logo de manha fomos nos prepara novamente nossa partida estava prevista para as 10:00 depois do café da manhã entramos em forma e fomos caminhando em silencio ate os hangares fomos para nosso avião e distribuídos cada um havia espaço para 80 fomos distribuídos igualmente pra cada avião, alguns aviões carregavam alguns equipamentos que seriam entregues em uma outra área então de 80 o espaço era de 50 em alguns aviões o capitão Arthur e o segundo tenente Willian e parte do regimento saltaria junto com o arranca toco enquanto a outra parte saltaria com o Adail e o Evandro nosso avião havia espaço para todos nós mais como foi uma ordem do coronel Fontelli ignoramos esse fato, nos hangares cada mestre de salto recebeu uma carta do presidente e do general escrita e assinado por eles e um remédio para enjôo nunca entendemos o por que dos remédios já que enjôo nunca foi um problema para todos nós, passamos a manha toda sentado debaixo das asas do avião lendo conversando fomos almoçar e voltamos e nada de embarcamos fazíamos um esforço para levantar andar um pouco em volta do avião ir ao banheiro e voltar. Quando fomos embarcar eram quase 19:00 horas da noite o mestre de saltos empurravam seus homens pela escada acima cada um levando quase 50 quilos de equipamento alguns 60 e 65 quilos principalmente os que queriam estar 100% preparado, comentávamos e zoavamos entre nós que era um salto de 20 mil reais por conta do nosso seguro de vida ás 20:00 horas daquela noite começamos a decolar voar em círculos ate formarem formações em V com cinco aviões cada seguindo em direção ao Líbano, parte do regimento teve dificuldade em ficar acordado foi o efeito do remédio para enjôo alguns acabaram dormindo durante a viagem, tentamos cantar durante a viagem mais nossa voz se perdeu em meio aos motores e competir com os motores era quase impossível competir com eles era quase que perder a voz então ficamos calados e conversando as vezes com que estava do nosso lado em meio silencio o soldado Leandro gritou: -Eu poderia ta no Brasil roubando mais to aqui indo matar terroristas e ganhando dinheiro alguém ai gostaria de comprar um cigarro russo?
A atitude dele ajudou a quebrar um pouco o silencio e a tensão entre nós, Adail rezou durante todo o vôo não sabíamos que ele era religioso e tinha esse lado descobrimos isso na viagem do que era chamado o salto de 20 mil reais.
O piloto deu a opção de voar com a porta aberta o que proporcionava a todos ar fresco e a chance de escapar rapidamente caso o avião fosse atingindo ou viajar com a porta fechada que dava a possibilidade de todos fumarem mais as chances de escapar quando o avião fosse atingido seria poucas somente a arranca toco preferiu seguir viagem com a porta fechada o motivo ninguém nunca soube, quando o KC-390 cruzou o canal de Chipre Willian viu uma cena que nunca mais esqueceria e jamais veria outra vez  a frota aliada composta por, alemães, franceses, russos, americanos e brasileiros composta por quase 8 mil embarcações seguindo para o Líbano Adail disse a todos: - olhem lá embaixo pela janela.
Os que não estavam dormindo olharam pela janela e ficaram admirados com aquela cena todos nós nunca tínhamos visto tantos navios juntos não tinha como não ficar admirado e assombrado com aquela cena era uma cena que só pode se ver uma vez na vida todos queriam ter alguma câmera ou algo pra registrar aquela imagem mais estávamos tão admirados que só fomos lembrar disso muito tempo depois.
Era quase 00:00 quando o avião se aproximava da costa de Moussaitbeh um dos pilotos gritou para Adail: -15 minutos para o salto.
Logo depois a luz vermelha se acendeu e todos levantaram a comando do Adail ordenou que todos levantassem e prendessem o cordão ao cabo de ancoragem, todos rapidamente fizeram isso os que estavam dormindo acordaram com a luz vermelha e com a voz alta de Adail. A 00:15 os aviões entraram na faixa litorânea de Moussaitbeh e entraram numa nuvem que formava um pequeno nevoeiro com isso a formação em V se desfez foi uma medida que os pilotos tomaram para evitar colisões e possíveis choques, quando saíram da nuvem cada avião seguiu vôo por conta própria com a formação desfeita nenhum piloto sabia onde e quando acender a luz verde tudo que poderiam fazer e se comunicar com os pilotos de outros aviões e adivinhar o momento certo enquanto eram guiados pelo radar.
Confusos e um pouco sem orientação os pilotos passaram a se preocupar mais com o fogo antiaéreo que começou a vir na direção deles com a fumaça indicando o caminho dos projeteis os pilotos faziam o que podiam para não serem atingidos era armamento de 40 milímetros quando atingiam o avião fazia um barulho de como fosse pedras jogas em latas ou bombinhas estourando latas de refrigerante, na maioria das vezes os projeteis atingiam exatamente o lugar onde estávamos sentados minutos antes e abrindo um buraco na lataria. Todos os aviões estavam instruídos a reduzir a velocidade quando se aproximasse da zona de salto mais todos eles mantiveram a velocidade alguns ate tentaram aumentar a velocidade chegando a 250 km, em meia chuva de disparos e manterão seguindo reto os pilotos se comunicavam através do rádio todos eles ordenava um ao outro a aumentar a velocidade e diziam quanto mais cedo sair daquela zona maior era as chances de sobreviver outros diziam pra seguir a ordem de manter a velocidade e diminuir quando se aproximasse para não prejudicar os rapazes nem atrapalhar seus saltos, alguns não faziam a menor idéia onde estavam só imaginavam que estava em algum lugar do Líbano e de Moussaitbeh e quando começaram os disparos fez com que a comunicação através dos rádios desse interferência no susto quando o avião era atingindo por algum projétil acenderam a luz verde.
Os pára-quedistas começaram a gritar: -vamos, vamos ,vamos ,vamos, vamos.
Todos eles estavam ansiosos para sair do avião e aterrissarem logo todos foram saindo rapidamente e saltando na escuridão da noite conforme iam saindo o avião deu uma guinada fazendo parte da tropa ser jogada violentamente ao piso do avião muitos tiveram que esticar o braço para alcançar a parte inferior da porta e puxar o corpo para fora de modo que se jogasse do KC-390 e assim fazer o salto.
Projeteis cortavam o céu e o iluminava quando explodia no ar em toda direção o avião da arranca-toco foi atingido abrindo buracos pelo piso e na lateral da lataria, produzindo faíscas enquanto voava inclinando um pro lado esquerdo e manteve a velocidade a todo momento as luzes do avião se apagaram logo depois de ser atingindo o tanque de combustível o avião se inclinou totalmente para a esquerda e se chocou com o avião do regimento Alfa e antes de tocarem o solo o avião explodiu, o avião levava não só todo o regimento arranca-toco como parte do regimento da divisão de ensino o capitão Arthur e o segundo tenente Willian jamais conseguiram entrar em combate e comandar o regimento em combate.
O cabo Hartmman era um dos homens que estavam sobre carregados e não colocou o pára-quedas reserva na hora que o avião começou ser atingido ele pensou que deveria ter colocado o reserva se esse não abrir vai ser um uma morte rápida e bem escura, a luz se ascendeu e todos começaram a saltar rapidamente em direção ao escuro Hartmman era um dos últimos quando salto ele viu a cabine ser atingida e foi e começou a cair em direção ao solo junto com os pára-quedistas Hartmman só conseguia pensar se todos conseguiram saltar antes do avião ser atingindo e se todos aterrissaram vivos.
E foi assim que pouco mais de 2.600 jovens brasileiros que treinaram duramente e esperaram por esse momento durante três anos e foi assim que todos ali começaram a dar pequenos passos para a historia e nunca se esquecer do marcante salto na fortaleza terrorista.
Pin It
Atualizado em: Sáb 5 Ago 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222