person_outline



search
  • Artigos / Textos
  • Postado em

Divisão de Ensino Soldados que sonhavam ser pará-quedistas PART: 5

5

Siga-me



Todos nós saltamos de uma altura não muito baixa mais também não era muito alta para o padrão de salto os que estavam levando equipamentos a mais com o intuito de estar preparado para tudo em sua maioria descobriram que foi um erro desnecessário, os que estavam levando equipamento a mais quando saltava e o pára-quedas se abria o peso extra os levava para o chão com a velocidade acima do normal que jamais haviam testado antes e acostumado com isso, o salto foi de 200 a 350 metros de altura mais ou menos eles aterrissavam segundo antes de abrir o pára-quedas com sorte nenhum combatente se feriu durante o salto. Enquanto caiamos e íamos em direção ao solo algumas rajadas de metralhadora vinha em nossa direção tentávamos desviar, dava pra ouvir os gritos dos terroristas ordenando algo e disparando a metralhadora contra nós, muitos tiros passavam zunindo o ouvido dava pra sentir o projétil passando cada vez mais que aproximávamos do solo mais os projeteis disparado contra nos passava cada vez mais perto, o cabo Bruno caiu a 9 metros de um canhão antiaéreo de 40 milímetros que estava disparando contra os KC-390 que passavam no céu por sorte do Bruno os terroristas e o barulho do canhão ajudo a disfarçar o choque da queda um pouco a mais a frente ele encontrou com um grupo de pára-quedistas russos sem alternativa ele seguiu com eles ate o objetivo e ate que pudesse encontrar o regimento todo ou o que sobrou dele.
Hartmman caiu encima de uma arvore e ficou enroscado lá ele cortou as cordas e caiu no chão ele foi um dos muitos pára-quedistas que perdeu parte do equipamento sua única alternativa foi sacar um revolver calibre 38 e ficar atrás de um arbusto e ficar quieto esperando algum aliado passar ou algum membro do regimento por sorte o soldado Leandro aterrissou a 1 metro a sua frente, Hartmman emitiu a senha e Leandro respondeu e então ele saiu de trás do arbusto e disse: - Graças a deus alguém você sabe dos outros soldado?
-Não senhor mais posso afirmar que todos saíram do avião antes da cabine explodir.
-Mesmo por quê?
-Eu fui o ultimo antes do tenente Adail a saltar logo depois que saltei a cabine explodiu e o avião começou a cair em direção ao solo, mais tenho certeza que o tenente salto logo atrás de mim só não pude prestar a atenção onde ele caiu, pois estava olhando pro avião senhor.
-Ótimo agora resta saber se todos aterrissaram vivos principalmente o capitão e o tenente, teria algum fuzil ou metralhadora extra perdi parte do meu equipamento durante o salto.
- Sim senhor eu posso ficar com a ponto 50 e o senhor com o para fall só não tenho muita munição pra ela, contando com essa que esta no fuzil tenho mais quatro carregadores munição.

Enquanto conversavam sussurrando os dois notaram a movimentação de dois capacetes atrás de um arbusto e se arrastando pelo meio mato alto Leandro emitiu um som da coruja pelo apito e um dos que estavam agachados emitiu dois som pelo apito e logo saíram de trás do arbusto e foram em direção do Leandro e do Hartmman um deles falou: - Quem são vocês?
Leandro falou: - Soldado Leandro 1° CIA regimento divisão de ensino.
Hartmman falou: - Cabo Hartmman mesma companhia e regimento e vocês quem são?
Um respondeu: - Sou o terceiro sargento Junior 26º e esse aqui e o soldado Marcos somos do regimento delta, bom acho que sou o posto mais antigo aqui vocês dois sabem exatamente onde estamos?
-Não. Respondeu os dois, então o sargento disse: - Vocês dois me sigam ate encontrarmos nosso respectivo regimento e prosseguir com a missão.

Os quatro então foram seguindo então direção a um riacho que havia perto deles e seguindo a correnteza andando lentamente a cada cinco minutos Marcos emitia o som da coruja pelo apito com a intenção de ter a resposta de alguém, enquanto andavam se depararam com o soldado Souza ele estava com as mãos sujas de sangue e revistando um corpo de um terrorista atrás de suplementos Souza conto que seu pára-quedas não abriu então puxo o reserva quando abriu o reserva perdeu todo o equipamento só estava com o radio e uma bateria para o radio quando aterrissou e se livrou do pára-quedas um terrorista o golpeou com uma faca por trás por sorte ele acertou o radio isso fez com que desse tempo dele sacar a baioneta e reagir e golpear-lo, esse Muhamed escolheu o cara errado pra esfaquear disse o Souza então seguiram em frente viram um combatente sentado encostado no chão era um tenente do regimento alfa então eles foram em direção do tenente. O tenente viu a movimentação e miro seu fuzil em direção a meio mato alto e disse a senha e todos responderam então ele pergunto quem são vocês todos eles responderam então o tenente disse: - Que bom alguém eu saltei antes do meu avião explodir, algum avião que estava acima de nós foi abatido e se chocou contra nós com isso o capitão Henrique disse pra todos saltarem eu fui o primeiro a sair ele ficou empurrando todos nós e gritando para sair, não sei se mais alguém saiu mais eu vi meu avião explodir e quebrei o tornozelo quando me choquei com o solo o equipamento extra me empurro em direção ao chão em questão de segundos, desculpem rapazes eu me chamo Douglas sou segundo tenente sub comandante do regimento alfa.
Então o Junior disse: Tenente o senhor sabe onde exatamente estamos?
-Sim sargento estamos em Bashoura a 30 quilômetros de Moussaitbeh e a 75 quilômetros do nosso objetivo.

A maioria de nós saltou longe da zona de salto e do objetivo da missão poucos conseguiram ver para a direção onde os aviões seguiam e poderão ver o litoral todos tiveram o problema de reunir o regimento e seguir, a formação desfeita quando os aviões entraram na nuvem à medida que íamos saltando com a formação desfeita saltamos longe um do outro e misturando muito os regimentos e a companhia. Ficamos espalhados entre Bashoura e Moussaitbeh conforme íamos andando encontrávamos mais combatentes quase sempre não era do nosso regimento e nem da nossa companhia mais era o suficiente pra pode forma um pequeno grupo e seguir em frente em direção do objetivo e cumprir a missão.
Conforme os cinco rapazes continuaram em frente prosseguindo com objetivo foram encontrando mais pára-quedistas e combatentes russos pro azar de Hartmman, Leandro e Souza não encontraram ninguém que fosse da divisão de ensino encontraram parte da xavante e dos regimentos do 26º delta, relâmpago e Charlie mais ninguém que fosse da divisão de ensino ou soubesse informa o paradeiro da dela, um pouco antes dos primeiros raios de sol do dia eles eram um grupo de 17 combatentes do 26º e da 1º CIA e alguns russos liderados pelo segundo tenente Douglas e o primeiro tenente russo Draco.

Seguindo pelo mapa entraram em um vilarejo lá eles poderão se encontrar e saberem exatamente onde estavam pelo mapa eles estavam a 2 quilômetros de Moussaitbeh e á 45 quilômetros do objetivo enquanto o Douglas e Draco estudavam o mapa rapidamente Souza conseguiu fazer contato com o terceiro sargento Gregório que não estava muito longe dali e com um grupo de enfermeiros socorristas ele informou ao Douglas e Draco e todos eles foram em direção deles, enquanto caminhavam pelos becos sem fazer muito barulho Hartmman ajudava o Junior andar com o tornozelo quebrado. Um soldado libanês que estava entocado em uma cobertura de uma casa atirou a bala atingiu e atravessou e saiu pelo lado posterior do pescoço do Souza, Hartmman sacou seu revolver 38 e deu um tiro certeiro no libanês quando atingiu ele explodiu Leandro disse: - Era um homem bomba.
Com o barulho dos disparos o grupo de enfermeiros e o sargento Gregório foram em direção a eles com o intuito de dar reforço, os enfermeiros o enfaixaram e estancaram todo o sangramento eles o enfaixaram da melhor forma possível para que ele pudesse continuar, depois deram um jeito no tornozelo de Junior pra que ele pode-se andar sem precisar ta apoiado em algo mesmo que mancando. E seguiram em frente um pouco antes do sol nascer eles conseguiram sair daquele vilarejo e já estavam em Moussaitbeh em uma fazenda seguiram em frente se camuflando da melhor maneira que podiam no campo de trigo, Leandro e um soldado russo transportavam Souza em uma maca improvisada um pouco mais de dez metros do objetivo Souza morreu os enfermeiros tentaram reanimá-lo com massagem cardíaca mais não adiantou Hartmman revisto e retiro toda a munição e suplementos que ele carregava e os pertences pessoais para que ele enviasse para a mãe dele assim que possível, Souza morreu segurando uma foto era foto de sua esposa e filho eles sabia ao acerto mais aquela imagem na fotografia deve ter sido a ultima coisa que ele deve ter visto antes de morrer.

O soldado Luan teve uma aterrissagem nada fácil alem de cair e se enroscar encima de um fio de um poste de eletricidade não tinha idéia de onde estava assim como a maioria ele conseguiu se soltar com facilidade montou o seu fuzil e seguiu por uma cerca se rastejando pela mata logo a frente viu o primeiro tenente Evandro ele emitiu a senha para ter certeza Evandro respondeu corretamente e Luan seguiu ate ele e disse: - Tudo bem tenente?
- Sim soldado sabe dos outros?
-Não senhor nem sei onde estou quem dera saber dos outros.
Luan e Evandro seguiram a caminhada agachados seguindo a correnteza de um riacho de repente viram um pára-quedista cruzar o riacho correndo e se agachar atrás de um arbusto, Evandro emitiu o som do apito e o combatente respondeu os dois foram ate ele quando chegaram próximo dele ele disse: - Graças a Deus alguém sou o segundo sargento Antônio 1º CIA xavante e vocês quem são?
-Sou o primeiro tenente Evandro e esse o soldado Luan, também somos da 1º CIA também somos da divisão ensino.
-Ótimo você lidera então tenente.
Os três seguiram se rastejando seguindo a correnteza de um rio e andar de quatro um pouco mais antes do amanhecer eles encontraram um grupo de combatentes aliados russo para a sorte dos três havia um brasileiro no meio que era o cabo Bruno da 1º CIA regimento divisão de ensino, eles haviam de capturar uma fortaleza libanesa que disparava os canhões antiaéreos nos aviões que passava e protegia uma estrada que dava acesso pro litoral de Moussaitbeh os russos estavam tentando entrar em contato com a central aliada através do radio para informar a posição e o feito que obtiveram, eles não obtiveram sucesso antes do sol começar a sair eles executaram todos os prisioneiros Evandro, Luan e Antonio se juntou a eles e ficaram ali com os russos defendendo aquela fortaleza e tentando fazer contato a manhã toda , Bruno e Luan decidiram fazer uma pequena ronda não muito longe da fortaleza com sorte encontraram o segundo tenente Adail ele estava com mais um grupo de pára-quedistas americanos e alguns do 26º eles se juntaram aos russos e ajudaram na proteção da fortaleza, logo após eles conseguirem fazer contato com a central aliada Adail, Evandro, Bruno, Antonio e os três soldados do 26° Pedro, Ralf e Leonardo seguiram em direção ao litoral de Moussaitbeh com intuito de concluir o objetivo e reencontrar os membros de sua companhia e regimento.

Em toda parte de Beirut durante a invasão ao longo da noite todos não tinham idéia onde estavam exatamente após a aterrissagem durante toda a noite todos fizeram a mesma coisa os que não perderam parte do equipamento montaram seu armamento e seguiam enfrente, escondidos em arbustos, muros de vilarejos e jardins das casas muitos com sorte encontravam pequenos grupos ou um ou dois combatentes aliados e formavam regimentos improvisados e seguiam em frente, tomando posições dos libaneses terroristas, defendendo estradas e fazendo ataques sucessivos o treinamento e a confiança que tiveram até ali foi um fator muito favorável para que todos não entrassem em pânico nenhum de nós esperávamos aterrissar longe dos nossos regimentos não contávamos com a possibilidade de dispersão durante o salto, todos nós enfrentamos dificuldades e problema pequenos como perder parte do equipamento e parte do armamento mais em nenhum momento ninguém teve medo ou arrependimento de ser pára-quedista em nenhum momento subiu na cabeça o medo de morrer talvez a dispersão tenha sido um fator para aumentar a adrenalina, quando cantávamos em coro a canção da infantaria durante alguma formatura ou ate mesmo nas marchas a parte fuzil meu melhor amigo para a guerra fazia todo sentindo enquanto estávamos dispersos do nosso regimento e sozinho agachado e se arrastando em algum campo ou agachados retornando ao pensamento logo após a aterrissagem.
Todos os brasileiros logos após formar um pequeno grupo ou encontrar algum grupo aliado seguiam esse grupo com o intuito de reencontrar os membros de seu regimento e seguir em frente e concluir a missão, muitos só conseguiram fazer isso nas primeiras horas do dia juntava pequenos grupos de brasileiros do 26º ou da 1º CIA procuravam saber onde estava e seguiam em direção a Moussaitbeh em nenhum momento eles se esqueceram de sua missão e de seu objetivo todos estavam determinados a cumprir a missão, muitos ajudaram os russos e os americanos a tomarem estradas e algumas fortalezas dos libaneses terroristas nas primeiras horas do dia e após conseguirem fazer contato com a central ou ate mesmo com algum aliado se reencontrava e seguia em direção a Moussaitbeh e tomar as estradas como era objetivo de todos, muitos ao longo do a caminho de Moussaitbeh encontravam com mais grupos e de dez e ate mesmo vinte homens uniam as forças após se apresentarem e seguiam em frente.

Ao longo do caminho Adail encontrou com Hartmman, Gregório e mais o grupo de enfermeiros eles acabaram de enterrar o corpo do Souza e Hartmman explico tudo que aconteceu eles seguiram a caminho de Moussaitbeh mais próximo a cidade encontraram com mais um grupo que era formado por quinze pessoas, nove delas eram da 1º CIA por sorte alguns estavam dois soldados da divisão de ensino Alison e Jean o grupo estava sendo liderado por um subtenente da xavante o subtenente Rodriguez, eles estavam organizando uma tática para entrar no vilarejo e tomar as estradas que davam acesso ao litoral de Moussaitbeh Adail seguiu pelo lado norte do vilarejo pelo lado norte com Bruno, Hartmman,  Antonio e alguns soldados e dois enfermeiros e Evandro seguiu com pelo flanco esquerdo com o Rodriguez e outra parte do grupo com dois enfermeiros e Douglas pelo flanco direito com o Junior e outra parte do grupo e três enfermeiros.
Quando Adail entrou no vilarejo viu uma casa pegando fogo e um grupo de civis com baldes de água ele preferiu da volta pra não chamar atenção e se deu de frente com uma praça em frente da igreja e algumas casas e comércios em volta ele paro pra observar bem o local e viu o grupo do Douglas passar pela praça, enquanto ele passava uma metralhadora libanesa terrorista abriu fogo quando isso aconteceu Douglas grito para todos se protegerem e recuarem enquanto outros terroristas começaram a sair das casas e dos comércios e começaram a disparar havia vários entocados nos telhados e nas casas de dois andares eles haviam formado um cerco, Adail ordenou seu grupo disparar em direção aos terroristas e posicionar o esquadrão de morteiros e disparar nos telhados onde os libaneses terroristas estavam posicionados muitos correram e se esconderam atrás de um muro de alguma casa ou beco, Douglas correu e pulo um muro baixo que havia ali no muro havia cacos de vidros com pontas ele cortou varias parte do corpo inclusive a mão. Por sorte o grupo de Evandro estava vindo pelo lado direito que pegou os terroristas por trás isso deixou eles confusos e deu a impressão que estavam sendo cercados, enquanto os terroristas tentavam mudar de posição rapidamente o outro grupo avançava Junior foi atingindo de raspão na perna ele apoio em uma porta e começou a atirar em direção á torre da igreja onde havia uma metralhadora sem ele perceber um terrorista se jogou encima dele e a porta foi arrombada e os dois caíram dentro da casa enquanto Junior relutava pra tirar o terrorista de cima dele que estava com uma faca o terrorista disse alguma coisa em árabe e explodiu encima do Junior fazendo um imenso barulho chamando a atenção de todos, Marcos viu a explosão e gritou: - Sargento, sargento, sargento.
 E foi correndo ate a casa atravessou toda a praça para chegar enquanto corria toda a praça ele foi atingindo no peito pela metralhadora que por sorte Hartmman estava próximo dali e conseguiu arrastar ele pra trás de um muro pequeno, por sorte a bateria do radio que ele carregava no bolso parou o projétil e ele ficou sem ferimentos em meio conflito um outro grupo que estava ali chegou para dar suporte a ajudar antes de disparar o morteiro Hartmman disse: - Que Deus me perdoe por destruir essa igreja porque eu não vou perdoar esse terrorista.
E disparou seu morteiro contra a igreja e acertou em cheio mais terroristas começara a chegar mais conforme eles eram atingidos e davam baixas iam recuando cada vez mais, alguns saiam correndo em direção aos combatentes quando eram atingidos explodiam.

No inicio da tarde o objetivo foi completado antes que fossem feitos prisioneiros todos os terroristas se mataram com um tiro na cabeça esperarão alguns minutos para poder revistar os corpos todos eles tinham receio de algum corpo explodir antes enquanto eram revistados e recolhidos os que estavam atoa andavam entre os grupos procurando alguma noticia e reagrupando seu regimento a sensação de dever cumprindo reinava entre nós, todos sabiam que estava de encontro com o perigo um mínimo erro poderia custar à própria vida ninguém estava preocupado em estarem sacrificando parte de sua juventude em favor de uma guerra que não era deles todos poderiam estar jogando futebol, trabalhando em algum comercio ou fabrica e ate mesmo fazendo uma faculdade mais todos estavam ali sem se importar com tudo só faziam planejavam a volta pra casa e planos pessoais como construir uma casa ou investir em algo e ate mesmo continuar no exercito e ter uma carreira. Mesmo que soubessem pouca coisa sobre o exercito e as forças armadas todos ali só sabiam e aprenderam sobre o exercito e a unidade pára-quedista em guerra não sabia nada de que como tudo era em tempos de paz, todos foram voluntário ninguém foi obrigado ou mandado para estar ali mesmo sabendo de todo treinamento rigoroso mais a vontade de querer ter uma asa de prata e defender seu país, falava mais alto fazendo todos nos ignorar todo o processo rigoroso e o perigo todos estavam descobrindo na pele que é no combate que o infante é forte.

Um pouco antes do anoitecer veio a noticia que os aliados conseguiram tomar a costa litorânea Moussaitbeh e estavam seguindo com suplementos em direção aos pára-quedistas, Adail subiu ate a cobertura de um prédio e olhou com os binóculos para a praia ele viu uma cena que lhe tiro o fôlego ao longo de toda a praia viu navios despejando pequenas embarcações com 50 e 70 soldados armados. Antes de a noite começar a cair eles já haviam tomado todo o vilarejo e estradas protegiam todas as entradas daquele vilarejo como podiam, alguns regimentos conseguiu se reencontrar planejava pequenas táticas de defesa e foram guardar alguma estrada do vilarejo, a noite havia pequenos tiroteios de grupos que ainda tentavam formar alguma resistência no local mais ao nascer do dia isso havia se extinguido. Após todos se reencontrarem a noticia do desaparecimento do regimento arranca-toco e do regimento alfa começou a circular entre nós a esperança que tínhamos era que ambos haviam errado a zona de salto ou que o avião perdeu a rota depois de ter saído daquela nuvem e terem retornado para Sochi ou mesmo assim ainda terem saltado fora do local indicado achando que poderia estar perto da zona de salto.
No inicio da manha uma patrulha russa a alguns quilômetros dali para o norte encontrou uma bateria de cinco canhões de 105 milímetros que estavam camuflado e muito bem posicionado em direção a praia não havia nem um terrorista ali e nem um corpo de algum terrorista, obviamente eles haviam se dispersado, eles arrumaram alguns soldados de artilharia para guarnecer aquela posição e ficaram ali ate a chegada de novas ordens junto com alguns soldados de artilharia.

A divisão de ensino logo após se reencontrarem tinha doze dos trinta e dois combatentes sendo dois eram oficiais todos se perguntavam se tinham visto ou tinha noticias do Arthur e do Willian eles foram encarregados de guarnecer a estrada que dava acesso ao litoral pelo lado leste e as casas do vilarejo, próximo dali ainda havia um grupo de terrorista se fortificando e instalando um canhão antiaéreo entre as casas e becos, o serviço de inteligência não sabia dizer exatamente a posição dos canhões, pois estavam entrincheirados, coberto por arbustos e telhados das lajes das casas havia pelo menos uns 40 terroristas que estavam se reagrupando e formando um cerco naquela área, a divisão de ensino junto com a xavante tinha ao todos 35 homens para fazer o ataque o Adail fico quase duas horas planejando o ataque com o capitão Sandro comandante do regimento xavante os dois decidiram que o ataque seria um assalto frontal e rápido feito de diferentes posições e próximo de onde supostamente estaria os canhões e as metralhadoras iriam pelo flanco esquerdo para que desse cobertura enquanto eles avançavam para as posições. A área era irregular e íngreme isso dava a Adail oportunidade de atingir os terroristas de diferentes lados mais também havia muitas entradas e saídas que não conheciam bem que dava a oportunidade para os terroristas entrarem e saírem rapidamente, depois te explicar toda a tática para os soldados Evandro, Hartmman, Leandro iriam pelo flanco esquerdo e aguardando o sinal de abrir fogo de cobertura com as metralhadoras e se fosse preciso utilizar os morteiros enquanto Adail, Sandro Bruno e os outros soldados da divisão de ensino avançavam em direção de assalto enquanto avançava por um beco Bruno viu um soldado libanês encostado no muro fumando um cigarro na entrada do Beco onde todos estavam seguindo ele tava de costas Bruno chegou o mais perto o possível dele e deu uma facada no pescoço matando o sujeito, Sandro parabenizo Bruno e disse ao Adail para que avançasse pela direita passa se por um pequeno corredor e aproximasse mais perto o possível de onde supostamente teria um canhão posicionasse os morteiros e aguardasse o sinal para disparar na posição inimiga.
Adail encabeçaria o ataque ao longo vila com ele estava os cabos Bruno, Jonas, Valter e Humberto e os soldados Evaldo, Victor, Giovane, Iago e Leandro.
Durante todo o assalto o treinamento apresentou resultados não houve nem um erro cometido durante o posicionamento das posições combinadas tão rapidamente que levaram menos tempo do que imaginavam que seria, todas as posições foram tomadas sorrateiramente sem ter necessidade de dar um tiro se quer Evandro e Hartmman seguiram pela posição ordenada eles deram em uma rua sem saída formava uma ferradura de casas e Evandro pediu para um dos soldados tentar entrar em contato com o Adail ou o Sandro pelo radio e para que todos se posicionasse ao lado dele havia uma garagem com um portão grande de madeira ele pediu que Hartmman e mais dois soldados verificasse o que havia atrás daquele portão ele e o soldado foram ate ele para a surpresa dos dois estava aberto, quando ele abriu o portão deu de cara com um tanque T-90 o terrorista que estava encima dele começou a atirar com a metralhadora com sorte ele e os soldados não foram atingidos ele gritou para Evandro que mandasse a recuar e de repente de dentro das casas todos os terroristas começaram a atirar e surgir de cima dos telhados a única alternativa foi recuar e correr pelo beco saindo do beco dava para uma rua onde havia um pequeno grupo de terrorista na rua e nas sacadas das casas atirando a eles estavam encurralados não tinha escapatória. A posição de Sandro dava por trás dos terroristas que os fez se confudirem então eles atacavam por ambos os lados Hartmman conseguiu posicionar um morteiro e disparar com ele o Evandro conseguia seguir foi em direção ao Sandro enquanto eles se reagrupavam um T-90 surgiu de atrás de um muro, o tanque derrubou o muro como se fosse papel com mais terroristas correndo a tirando um soldado estava com uma bazuca e disparou contra o T-90 antes mesmo dele se posicionar para efetuar um disparo.
Rapidamente começou a surgir muitos terroristas todos eles estavam cercados o Adail estava armado com um fuzil para fall 762 ele conseguiu se posicionar encima de uma arvore ele fazia parte do esquadrão de caçadores era um dos melhores atiradores da 1º CIA quase não errava um tiro, após as metralhadoras chegarem às posições isso favoreceu que fosse formado um cerco pelo lado direito fazendo os terroristas recuarem um pouco eles não perceberam a aproximação do grupo que vinha com Sandro e o Evandro, antes de dobrarem a esquina viram um canhão encima de uma casa e metralhadoras sendo instaladas rapidamente para serem disparadas na direção ao grupo que estava com Adail e as metralhadoras, Evandro decidiu entra na casa e matar essa guarnição ele entrou tão sorrateiramente que os terroristas nem perceberam sua chegada ele disparo juntamente com seu grupo contra um grupo de nove terroristas que estavam instalando metralhadoras e conseguiu acabar rapidamente com aquela guarnição, os terroristas não atiravam muito bem um tiro deles valiam cinco de Evandro e seu grupo, e acabou utilizando as metralhadoras pra disparar contra os terroristas, em meio tiroteio Sandro foi atingido no pescoço por um franco atirador ele foi socorrido por um enfermeiro que estava do lado dele dando cobertura antes do enfermeiro consegui fazer bandagem ele morreu sufocado pelo próprio sangue, Hartmman percebeu isso e começou a disparar com seu morteiro no franco atirador ele acertou o franco atirador no segundo disparo.
Adail ficou sem munição e teve que sair de sua posição par buscar mais ninguém de seu grupo tinha ele tinha que atravessar meio tiroteio pra isso, antes de atravessar ele ordenou um soldado a comunicar a base e que mandasse reforços e que não havia nenhum canhão nas posições indicadas no mapa, enquanto ele saia sorrateiramente de sua posição um terrorista foi pra cima dele empurrando ele pro chão com uma faca, Adail gritou pedindo ajuda rapidamente Bruno disparou com seu fuzil acertando a cabeça do sujeito Adail viu que ele estava armado com um fuzil M-16 e decidiu usá-lo quando ele disparava com o fuzil ele errava então decidiu fazer um teste atirando em uma janela mais acertou a parede ao lado então ele percebeu que a mira estava desregulada, der repente começou a surgir alguns tanques T-90 saindo de dentro das casas derrubando paredes e ate mesmo abrindo caminho para poder passar Adail deu a ordem ao grupo de metralhadoras trocassem as posições e avançasse em direção contraria dos tanques T-90. O reforço chegou liderado por um capitão russo com um grupo que parte dele tinha uma bazuca fazendo vários disparos nos tanques de diferentes posições, muitos antes de disparar tomava um tiro fatal ou uma rajada de metralhadora no peito Adail mandou todos recuarem o regimento tava atraindo fogo pesado e não dava pra segurar os tanques T-90 não ouve nenhum ferimento na divisão de ensino apenas feridos por estilhaço na xavante alem do capitão Sandro morreram os soldados Henrique, Olavo, Cordeiro e Rodolfo e o cabo Luiz nenhum ferido por estilhaço ou tiro de raspão.
Antes da noite cair toda aquela área foi bombardeada pelos americanos, depois alguns fuzileiros navais fizeram uma patrulha na área toda havia apenas dois destroços de canhões na área toda e fora das posições que foi informado pela inteligência nenhum sobrevivente foi encontrado e nenhum prisioneiro foi feito nessa operação.

Numa analise feita por todos chegaram a conclusão que a operação foi uma invasão de assalto de uma tropa pequena mais muito bem preparada e conduzida que indicou a localização exata dos terroristas mostrando que não havia nenhum canhão como a inteligência dizia ter, havia apenas alguns tanques T-90 muito bem escondidos e camuflados a operação elevou a moral do regimento todos começava a ver que aqueles treinamentos e instruções rígidas estavam fazendo efeito os disparos feitos contra os terroristas foram feitos rápidos e ousados no inicio formou um perfeito cerco contra os terroristas ate a chegada dos tanques fazendo todos mudarem de posição rapidamente e ate recuarem, quebrando assim o cerco muitos  se lembraram daquela vez em Sochi que os tanques os atacaram do nada fazendo todos recuarem e deixar o equipamento pra trás só que dessa vez ninguém deixo nem um equipamento pra trás e ao invés de um morro com um pequeno bosque atrás e ninguém ficou apavorados com os tanques todos se convenceram que o assalto foi um sucesso borá só houve um canhão tomado e destruído a fase de erros havia passado todos estavam em combate pela primeira vez e atirando em pessoas ninguém sentiu remoço por matar algum terrorista,  todos atiravam com normalmente como se fosse os alvos de lata que atiravam nas instruções durante toda a noite todos pensavam o que poderia ter acontecido se não tivessem agidos com frieza e pensamentos rápidos algumas vezes ate comentavam como seria a presença de Torres ali e ninguém nego e afirmarão com convicção que daria um tiro nas costas de Torres antes dos terroristas.

Mais tarde Adail escreveu em seu relatório para o QG alguns agradecimentos para Torres ele dizia que agora estava entendo o motivo de Torres ser tão rígido e tão mesquinho com algumas coisas borá ele não soubesse fazer nada sozinho ou talvez ele demonstrasse que não sabia fazer nada sozinho talvez teria usado esse fator para que nos uníssemos mais e trabalhasse mais em equipe todo tenso treinamento agora surtia efeito perfeitamente,  borá a localização dos canhões não estava no local em que o serviço de inteligência informou e os ataques e o cerco dos T-90 tenha atrapalhado a operação o assalto foi um sucesso apesar de tudo. Depois de terminar o relatório Adail escreveu uma carta para Torres onde ele dizia o feito daquela operação e o sucesso que tiveram apesar de tudo o informou que sobre o desaparecimento de Arthur e do Willian e do regimento treme-terra que todos tinham esperança que eles saltaram antes ou depois da zona de salto ou que o avião se perdeu na rota e estava retornando para Sochi ou aterrissado em algum lugar seguro, Adail nunca soube se Torres recebeu e leu a carta ele não esperava que ele respondesse ou fizesse contato ele apenas queria saber se todos os métodos de Torres durante as instruções e o treinamento fosse para  tivessem maturidade e pensamento rápidos e soubéssemos agir rápido e superar os desafios sem dificuldade.

O coronel Fontelli indicou Adail para o recebimento congressual de honra ao mérito, somente um homem por divisão aliada foi indicada pra essa honraria a medalha foi concebia ao capitão Roberto Faria um fuzileiro naval da marinha brasileira, Adail recebeu a medalha de pacificador. Evandro, Douglas, Hartmman, Bruno, Humberto, Leandro, Luan, Oliveira, Andrew, Wesley, Jonas, Valter, Victor, Giovane, Iago e Denis foram condecorados com a medalha de campanha.
O corpo de Souza foi enviado para o Brasil para ser enterrado por seus familiares ele foi agraciado com a medalha de guerra e a medalha sangue do Brasil, Hartmman enviou todos seus pertences pessoais que ele havia recolhido juntamente com uma foto que ele levava sempre com ele uma semana depois do envio de seu corpo ele escreveu para os familiares de Souza dizia que estava disposto a ajudar no que fosse preciso ele nunca teve resposta dos familiares de Souza.

Por volta de 13h10 Douglas se junto à divisão de ensino ele e ninguém ainda não tinham nenhuma noticia do regimento arranca-toco e alfa ele se apresentou a o Adail e explicou o que havia ocorrido antes dele saltar, Adail pediu a Douglas que fosse ao posto de comando do QG que foi montado ali para explicar o fato ocorrido alguns minutos depois de Douglas ter explicado ao coronel Fontelli o que aconteceu o boato que os aviões do regimento arranca-toco e alfa foram abatidos, a aeronáutica iniciou um vôo de reconhecimento e busca na área onde o avião foi visto pela ultima vez os destroços de dois aviões foi encontrado um regimento de infantaria iniciou uma busca com a esperança de encontrar sobreviventes ou recolher os corpos e a caixa preta dos dois aviões. Os regimentos xavante e divisão de ensino se voluntariaram pra essa busca mais o coronel Fontelli juntamente com um coronel russo achou melhor mandar somente um regimento de infantaria com o apoio de um regimento da cavalaria russa, alguns se irritaram bastante por não terem sido escalados para isso antes da noite cai veio a noticia confirmada todo o regimento arranca-toco e alfa estavam mortos ficamos um pouco abatidos com tudo mais já era esperado isso e uma guerra as possibilidades de viver e morrer andavam igualmente, mais todos não esperavam que um regimento inteiro fosse abatido de uma vez só antes de entrar em combate todos os combatente da arranca-toco e alfa juntamente com a parte dos regimentos da divisão de ensino foram agraciados com a medalha de guerra e a medalha sangue do Brasil.

A noite eles estavam um pouco de luto mais estavam agraciados e orgulhosos de estarem ali todos conversavam o que tinha feito e organizar e entender os fatos eles estavam felizes e sentiam vencedores, Luan havia achado uma garrafa de vinho tinto ela passou de mão em mão ate chegar na mão do Adail Bruno disse: -O tenente não bebe Hartmman.
Adail disse: -Tem sido uma semana de primeira vez.

E deu uma golada e devolveu a garrafa para Hartmman, Adail estava tenso com tudo ele achou que um gole não faria mal o gole chocou toda a tropa era a primeira vez que ele estava experimentando uma bebida alcoólica, a divisão de ensino estava com trinta e dois homens no final de tudo alguns que estavam perdidos chegaram depois e eles contaram todos os feitos e o que passaram ate encontrar o regimento de novo.

No dia seguinte a cavalaria russa e a 5º divisão de infantaria americana estavam preparando um ataque em Bashoura e Zkak el Blat o objetivo era tomar as duas cidades e abrir caminho para os aliados que estavam em Port o regimento da divisão de ensino e a xavante foram incumbidas de apoiar a cavalaria para essa operação, os fuzileiros navais em Port também entrariam pelo lado norte de Bashoura e Zkak el Blat e eles pelo lado sul das respectivas cidades. Por ordem hereditária Adail se tornaria subcomandante e Evandro subcomandante um pouco antes do almoço todos eles partiram em direção a Zkak el Blat e Bashoura para muitos operadores dos tanques T-90 era a primeira vez que eles entrariam em combate eles estavam ansioso para isso, eles estavam muito bem municiados para as metralhadoras calibre 50 um pouco antes das 14h eles chegaram nas fronteiras de Zkak el Blat e Bashoura, a xavante seguiu parte da cavalaria e da divisão de infantaria para Zkak el Blat e a divisão de ensino com a outra metade da cavalaria e da divisão de infantaria.
O grupo de Adail era liderado por um capitão americano o capitão ordenou que Adail entrasse pelo flanco esquerdo enquanto ele seguia pelo direito quando chegasse na posição combinada eles fariam sinal para o outro para ordenar a entrada dos tanques , atrás de uma casa Adail viu um canhão antiaéreo ele fez sinal para o capitão e correu ate ele para avisar sobre o canhão depois que o capitão informou e avisou sobre o canhão os tanques avançaram antes dos terroristas pudessem reagir eles simplesmente destroçaram tudo parecia ate que nunca iriam parar de atirar um pouco antes das 16h  Zkak el Blat estava tomada não houve nenhum conflito com os terroristas os tanques fizeram praticamente todo o trabalho não havia muitos terroristas por ali, tivemos a impressão que eles teriam recuado com a chegada dos tanques ou de alguma forma souberam da nossa chegada e recuaram antes que chegássemos ou ate mesmo ali era realmente em menor numero, logo moradores começaram a aparecer e nos agradecer alguns rejeitava e pedia nossa saída não conseguíamos entender nem uma palavra do que diziam para nós poucos de nós falava o idioma árabe por sorte alguns membros do regimento xavante e divisão de ensino Hartmman encontrou alguns membros da resistência libanesa por sorte eles falavam o inglês eles informaram ao Adail e aos oficiais americanos que os terroristas haviam deixado a cidade logo de manha em direção ao leste e não sabia para onde foi somente que marcharam em direção leste.

Todos passaram a noite ali, Adail por algum motivo ele não conseguia dormi ele andou entre os soldados que estavam dormindo e fez uma pequena ronda perto da li ele pensava se todos ali viram a morte de perto ele não tinha medo de estar ali e nem se arrependido o sentimento de dever cumprindo batia em sua consciência ser líder de um regimento mais por algum motivo antes da idéia bater em sua cabeça ele estava sendo um líder e precisaria mostrar os caminhos fáceis e difíceis mais seu maior medo era de deixar alguém do seu regimento morrer e errar.
Antes de dormir ele rezou baixo ele era muito religioso borá não mostrava a sua fé nem comentava sobre religião ele sempre rezava quando podia e agradecia a Deus por tudo e antes de dormi ele olhou para o céu e disse: -Deus por que deixaste essa guerra acontecer porque de tudo, talvez a tecnologia a próximo os homens e deixaram cada vez mais perto mais a ganância corrompeu todos eles lutavam por paz pra se ter a paz precisava matar outros homens que aos olhos de Deus são todos seus filhos frutos de sua criação porque deixasse o homem criar armas para a guerra em nome da paz, porque deixasse que evoluíssemos tecnologicamente mais erraste em deixar que não evoluíssemos intelectualmente.

Enquanto ele conversava com Deus e dizia as palavras que vinha em sua cabeça ele dormiu debaixo de uma arvore olhando para a lua com o pensamento longe e distante talvez ele estaria pensando em sua casa ou pensando simplesmente por pensar eu nunca soube no que ele pensou naquela noite mais desde que chegou em Sochi aquela foi a melhor noite de sono que ele teve mesmo estando em guerra.
 
fShare
0
Pin It
Atualizado em: Qui 31 Ago 2017
  • Nenhum comentário encontrado

Curtir no Facebook

Autores.com.br
Curitiba - PR
Fone: (41) 3342-5554
WhatsApp whatsapp (41) 99115-5222